quinta-feira, 24 de junho de 2010

Meu Amigo, O Jardineiro. Update: Sobre A Mila

Esse aí é o Silézio, meu jardineiro, que sumiu há uns 4 meses. O maior boa praça que já conheci.
Ele participou do programa Lata Velha do Luciano Huck, graças à carta que duas clientes dele mandaram.
Todo mundo que conhece o Silézio gosta dele de cara. Essa Kombi velha aí atrás era a "Tieta", seu carro de trabalho, que depois do programa, ficou toda bonita, enfeitada com adesivos floridos.
Não achei nenhuma foto na net, nem no site do programa do Huck. Mas aqui, na região todos o conhecem, ainda mais depois de ter participado do Lata Velha.
O Silézio é um batalhador. Franzino, magrinho, fuma igual à uma chaminé e, infelizmente é chegado à uma branquinha, uma marvada...até demais. Por isso, fica meses sem aparecer.
Mas, quando vem, chega com uns três rapazes na casa da gente e num dia deixa o jardim tinindo de novo. E olhem que já tive trocentos jardineiros e nenhum chegava nem ao dedinho do pé do Silézio.
Trabalha mesmo, pega no pesado, não tem medo de jardim grande. Entende de plantas, sabe tudo. Depois que ele passou a ser meu jardineiro, minhas orquídeas florescem como nunca!
Quando fiz 50 anos, fiz uma festa aqui em casa, fui no Cadeg comprar flores. Comprei flor que não acabava mais, parecia casamento. Eu adoro flores e queria tudo enfeitado.
Nessa semana o Silézio e sua turma estavam aqui em casa cuidando do jardim. Ele terminou seu serviço faltando poucas horas para a festa e, vendo que eu e minha filha estávamos atrasadas e às voltas com os arranjos de flores, vieram ele e seu ajudante Chico, que já trabalhou numa floricultura, metendo as mãos nas tesouras, fazendo arranjos, na maior boa vontade sem que eu pedisse. Resultado: fizeram arranjos dignos de um casamento mesmo!
Saíram tarde daqui de casa, mesmo já tendo terminado seu serviço horas antes.
E, delicadeza das delicadezas: à tardinha, ele saiu e voltou com uma orquídea pra mim e um vasinho de flores pra minha secretária, aquela ingrata que me largou na mão há uns meses atrás.
Não tem como não se derreter com o Silézio. Ele é um cara do bem. Gentil, educado. Faz das suas também: enche a cara, perdeu a Tieta de tanto que bateu com ela...parece que não é lá muito fiel à esposa....mas é um doce de pessoa.
Tem um filho que é seu orgulho, que era goleiro do time de base do Fluminense e treinava lá em Xerém, nos cafundós da Baixada. Mantinha o moleque com o maior sacrifício, estudando e treinando.
Há tempos o Silézio sumiu. Ando também sem condições de pagar pelos seus serviços, pois ele não é barato, mas por ser extremamente eficiente e não enrolar o serviço, vale cada centavo que cobra.
Silézio andou se tratando do seu problema com a "mardita", mas tem recaídas. Já ficou muito doente, teve pneumonia, é hipertenso. É um homem acabado, enrugado pelo sol e pelo vício, envelhecido antes do tempo...Não deve ter nem 50 anos. Eu tenho muita pena, pois o Silézio é um cara que a gente tem vontade de ajudar.
E assim, como tantos, com problemas com a bebida, vai vivendo a vida aos trancos e barrancos. Perde o que ganha. Some, marca o dia de vir e não vem. O pior é que toda vez que falo com ele ao telefone, não consigo nem brigar, pois ele vem com aquela voz que parece estar sorrindo lá do outro lado: "Salve dona Gloria! Como vai a senhora? Tô em falta com a senhora, mas pode deixar que semana que vem eu vou aí..." E assim se passaram 4 meses sem sinal do Silézio...
Mas, taí, esse era um cara que se eu tivesse condições de ajudar, ajudaria. Ele merece. E mesmo com seus 'probleminhas" tem o carinho de todos os que usam seus serviços.
Salve Silézio! Espero que por onde ande, esteja bem! Que os anjos dos jardineiros olhem por ti!

Update: Amigos e leitores da Mila do blog Mila's Ville , ontem falei com ela por telefone. Está tudo bem com ela, só que a pobrezinha está sem conexão há dias e parece que só voltará a ter semana que vem, lá pela quarta feira.
Ela pede desculpas, mas nem pode participar de sua própria blogagem coletiva.
Mas me pediu que avisasse a todos. Semana que vem, assim que a net permitir, ela estará de volta.

18 comentários:

Beth/Lilás disse...

Glorinha,
Eu já tive alguns Silézios assim lá em Petrópolis, infelizmente pessoas boas e sensíveis que entendem da terra e de plantas, mas não entendem o que lhes vai na alma e enveredam no vício, geralmente da bebida. Triste isso e seria tão bom se tivessem ajuda de verdade neste sentido, mas até para ajudar pessoas assim é difícil, não comparecem e nem aceitam.
Gosto desse seu olhar carinhoso e humanitário, pois é aí que reside a verdadeira pessoa, aquela que se importa com os outros, que está olhando além do que sua própria família, suas religiões, seus dogmas.
"O que é a sabedoria de viver? Ricardo Reis escreveu que 'sábio é contentar-se com o espetáculo do mundo', e todos sabemos que ele estava equivocado. Vamos tentando fazer o menos mal possível. Talvez seja essa a única sabedoria ao nosso alcance." (Saramago)
um forte abraço carioca

Glorinha L de Lion disse...

Oi amiga! Esse olhar carinhoso e humanitário de que vc fala é um olhar que não precisa de religiões. Olhar o outro em sua verdadeira humanidade não é privilégio de quem segue essa ou aquela crença. As pessoas que acham que pq creem são superiores em bondade à quem se diz ateu, são, para dizer o mínimo, ignorantes sobre a essência do que é ser bom. Bondade e compaixão são princípios éticos e não religiosos como muitos por aí pensam. Tem gente que vive proclamando aos 4 ventos ser dessa ou daquela religião e no entanto, não tem um mínimo de respeito ou solidariedade pelo próximo. Amar, respeitar, ter um olhar compassivo ou carinhoso, sincero, verdadeiro pelo irmão em humanidade está acima de ser ateu, católico, espírita ou evangélico. Sou atéia e tenho certeza que muito mais humana e verdadeira que muitos crentes por aí. Vc, sabe disso pq é minha amiga, me conhece bem, e é acima de tudo uma pessoa plena de amor ao próximo. Obrigada por esse seu comentário.Grande beijo.

manuel marques disse...

"O álcool não consola, não preenche os vazios psicológicos. Não compensa o homem. Pelo contrário, anima a sua loucura, transporta-o a regiões supremas onde é mestre do seu próprio destino .."

Bonito texto.

Beijo.

Isadora disse...

Glorinha pelo visto o Silézio é umas dessas almas pra lá de boas e realmente fica até difícil brigar com alguém tão generoso, ainda mais sabendo de seus problemas. Quem nos dera podermos ajudar a todos aqueles que enchem nosso coração de ternura por apenas serem do jeito que são.
Obrigada por dar notícias da Mila, embora tenha sintido falta dela, achei que estava enrolada com livro entre outras coisas.
Algumas pessoas nesse espaço virtual ganham nosso coração de graça! Como você, Mila, Tati, Fran, Beth e Lu Souza.
Um grande beijo

Lúcia Soares disse...

Glorinha, lembro-me dele na transformação da kombi, no programa do Huck.
Uma pena mesmo ele estar sumido, talvez necessitado de ajuda. Concordo plenamente com você que a gente não precisa de religião pra ser boa pessoa. Acho que o principal indicador de bondade é amar ao próximo e isso é suficiente, pois quando amamos só queremos o bem da pessoa amada.
E toda pessoa que tenta doutrinar outra, corre o risco de ser mal entendida.

Glorinha L de Lion disse...

Manuel, meu querido, o álcool e todas as drogas, fazem isso, não é? Dão a sensação de que fugindo, encontrarão a si próprias, resolverão os problemas, que pelo contrário, só ficarão piores e elas próprias com menos auto estima para resolvê-los. Qq vício é uma tristeza. Beijo grande.

Isadora querida, realmente, vc disse tudo, é uma alma boa, e se entrega ao vício se punindo e aos seus familiares...muito triste isso, queria poder ajudá-lo, de verdade. E a Mila, coitada, está ilhada, mas pelo menos esses dias estão rendendo pra ela, boas páginas de seu livro. Eu tb não posso ficar visitando todo mundo, pois minha conexão anda péssima e preciso escrever tb! Obrigada por suas palvras de carinho e apoio. Beijo grande.

Glorinha L de Lion disse...

Pois é Lucia, uma pena mesmo o Silézio...e que legal vc se lembrar dele...a Kombi ficou uma graça, pena que se quebrou toda...e acho que o grande erro das pessoas é justamente esse, "querer doutrinar". Pois as pessoas já tem sua doutrina, seja ela a de crer ou não. Não há razão para desrespeitá-las em suas escolhas e certezas, não acha?

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Que postagem bacana... gostei da história do Silésio.
Em casa tínhamos também um Silésio...era o seu Manoel, um português que sabia de plantas que só ele. E só ele sabia deixar o jardim de inverno de casa a coisa mais linda do mundo.
Na chácara tudo tb ia pra frente, qdo ele ia lá "dar um jeito", como ele dizia... e a gente cresceu se divertindo com ele, suas histórias e aventuras desde que foi para o Brasil...

Infelizmente perdemos ele de uma maneira trágica. Foi assaltado, judiaram tanto dele e da esposa que ambos não aguentaram. Foi mto triste, pelo carinho q a gente sentia por ele, só de lembrar me emociono.

Tem tanta gente maravilhosa nesse mundo... (vícios, quem não os tem?) maravilhosos em sua simplicidade. E tanto besta que não é nada, metido a tudo.

bjs e bom dia!

Glorinha L de Lion disse...

Oi Alexandre, já tentei entrar no seu blog hj, mas as fotos não abrem, seu blog tá pesado pra essa conexão ridícula que andamos tendo em tempos de copa...mas legal tb tua estória do seu Manel, que pena, que triste o fim dele...quanta gente ruim no mundo, afe! Eu tb adoro gente assim, converso horas, gosto de saber suas estórias de vida...mas aqui nas cidades grandes isso está cada vez mais raro de se ver...beijão.

cantinho she disse...

Oie... então tomara que ele esteja bem...bjs!

Lu Souza Brito disse...

Ei Glorinha,

Conheço um Silézio desse, no caso Anísio. E ele anda lá pela ilha, some meses também, bebe e fuma demais, tem as gambiarras e mais de 5 filhos. Uma judiação. Ajudávamos como podíamos, mas ele é mesmo incorrigível. Mas é tão atencioso que quando vou a ilha visitar minha familia e ver minha ex-chefe que é como uma mãe pra mim, ele logo aparece para me ver, pois gosta muito da "garotinha", no caso eu.
Me deu uma baita saudade dele agora!

Cacau Jafet disse...

Oi Amiga! Eu também tenho um Silesio, só que se chama norberto, é fabuloso com o jardim! Só que some vem quando quer, é a marvada que é a culpada de tudo.
bjossss

pensandoemfamilia disse...

Olá Glorinha
Infelizmente, por um lado (alcoolismo) e felizmente por outro (competência) temos muitos Silézios por aí. Já tive uma fase da minha vida com este problema de boas pessoas, mas viciadas.
Quanto a Mila, obrigada pelas notícias, estava ficando preocupada com a sua ausência prolongada.
Bjs,

Chica disse...

Adorei a história de vida do Silázio e também de saber da Milla! beijos,tudo de bom!chica

Françoise disse...

Eita, todo mundo tem ou já teve um Silézio desse na vida. ..

Tenho sim minhas crenças mas concordo que não é necessário religião para fazer o bem. O amor basta, supera e extrapola. Seu coração é grande, generoso, amigo. Olha e se preocupa além da conta.
Eu adoro ouvir estas suas histórias. ...

Voltei para ler o seu post anterior e fiquei extremamente feliz que de um jeito calmo e mais sereno trouxe boas notícias . Estou vendo seu sonho tomando forma em suas palavras. Quem se importa com você não some, não deixa de seguir, se preocupa e continua sempre torcendo aqui do outro lado da telinha.

Abraço apertado.

Amica Philosophiae disse...

Se tem uma coisa que me dá prazer é ler o seu blog!!! Gosto muito mesmo!!!
Obrigado pela visita no meu....To enterrada no livro e pode ter certeza, não tem como largar!! Dostoiévski te enreda e te ammarra! Mas é maravilhoso!! Tenho certeza que vc tb vai gostar!!
Um bjo
Cynthia

Vanessa disse...

Histórias como esta que vc contou do Silézio encantam. Espero também que uma pessoa tão sensível esteja bem por aí com sua lata nova :-)

abraço

Fátima disse...

Tenho aqui também o meu Silésio de nome "Nico" com o mesmo perfil, a mardita branquinha, as mancadas as sumidas...mas um coração de ouro e braços de ferro para trabalhar.É mil e uma utilidades: eletrecista, encanador, jardineiro, pintor e outros.
É uma pena o vício, pois não fosse isso estaria muito bem de vida, assim como tantos bem menos capacitados, não é.

Amiga espero que esteja se sentindo mais animada e encontrando soluções para os problemas que tanto te preocupam.
Venho tendo dificuldades em enviar alguns comentários como disse na sua postagem do "banho de água fria", mas venho acompanhando com rigor.
Está tudo bem sim, obrigada.

Beijo carinhoso a você querida Glorinha , e que consiga enfrentar esse momento com garra e coragem .