sexta-feira, 21 de outubro de 2011

O Escafandro e a Borboleta

Depois de mais de um mês em depressão profunda, sem vontade de nada, eis-me aqui de volta, retornando aos poucos e, pela primeira vez em tanto tempo, com vontade de escrever.
Semana passada assisti ao filme O Escafandro e a Borboleta. Estranho, porque nunca tive vontade de vê-lo, achava que iria ficar aflita, pois se trata de uma estória real de um editor da Elle francesa, um homem bem de vida, jovem, rico, que havia largado a mulher e os filhos para ficar com a amante. Um dia, passeando no seu conversível caríssimo, ao lado do filho, ele sofre um AVC raro, cujas sequelas são muito graves, porém continua com o cérebro funcionando, mas não pode se mexer, comer, andar, falar. Só um olho se mexe e assim, através desse único olho, com a ajuda da assistente da sua editora ele "dita um livro" através de piscadas para as letras certas.
Pois nesse dia, assisti, e pude fazer uma correlação com o que se passava comigo.
Enfim, é um filme comovente porque mostra um homem preso em seu próprio corpo ( o escafandro), que descobre que possui seu cérebro funcionando perfeitamente e, com humor até, descobre ( a borboleta ) que o faz sonhar, imaginar, voar, criar...
Tracei esse paralelo com o vem acontecendo comigo e de como me senti, nesse tempo todo, guardadas as devidas proporções, como uma pessoa presa em seu próprio corpo. Eu queria sair, eu queria me libertar, mas não conseguia.
Nunca entendi bem do que se tratava a depressão, pois nunca imaginei que um dia teria esse tipo de doença da alma.. Há casos na minha família de depressão crônica, mas sempre achei que bastava que a pessoa se esforçasse para sair dela. Achava meio falta do que fazer, do que pensar, que bastava se ocupar, ocupar a mente para resolver o problema.
Ledo engano! Quanta ignorância!
A depressão é algo que nos incapacita para a vida, para as tarefas mais banais e ainda há os efeitos colaterais dos medicamentos: enjoo, náusea, um sono que parece não passar nunca, vontade de estar sozinha e não fazer nada, nem falar com ninguém. Neste mais de um mês, não li e nem escrevi uma única linha. Meu segundo romance está parado. Eu me sentia uma morta viva, sem vontade, onde nada no mundo parecia me dar prazer, um ínfimo prazer, um pequeno sorriso...E como aconteceu de repente!
Eu achava que minha criatividade havia se acabado, que nunca mais voltaria a escrever, que minha casa era meu túmulo, meu escafandro e eu, a borboleta, acabaria morrendo por falta de voar...
Hoje, acordei melhor. Acho que finalmente o remédio está fazendo efeito, embora ainda sinta muito sono, mas não do jeito que eu sentia nas primeiras semanas. Eu dizia que parecia meus cachorros: cochilava e acordava de meia em meia hora...
Enfim, não quero ser chata e ficar aqui me lamentando. Quero brindar com todos vocês que vieram aqui, deixaram comentários carinhosos, que me ligaram, me mandaram emails, mesmo quando eu não respondia.
Quero comemorar essa pequena melhora, mas que, para mim, representa uma grande vitória.
Aguardemos os próximos dias. Espero que as grades da janela desapareçam e só fiquem as flores para que a borboleta possa sair e voar novamente pelos caminhos mágicos da imaginação.
Grande beijo a todos e minha gratidão,

24 comentários:

manuel marques disse...

Atualmente, a vida é muito complicada, o acreditar não será o suficiente para enfrentar as dificuldades... mas será indubitávelmente um dos alicerçes fortes para conseguir... Não deixar que o desânimo se instale na sala de estar sem ser convidado, enfrente-o!Você tem talento vai vencer.

Beijo e bom fim de semana.

Calu disse...

Que maravilha, te rever por aqui. Boas novas,grandes avanços no caminho da recuperação, Glorinha.
Estou super contente, mesmo.Foi totalmente oportuna tua referência ao filme.Como ele nos tira o ar em suas cenas marcantes;como nos faz mergulhar com esse escafandrista.
Agora,espero torcendo a saída das grades e belo vôo da borboleta.
Bjinhos,
Calu

Orvalho do Céu disse...

Olá, querida
Ledo engano!!!
Perfeito!!!
Só o sabe quem já teve...
Não dá em poste, certamente!!!
Até "falta de Deus" a gente ouve nestas horas... quanta ignorância!!! Vc tem toda razão!!!
Um bjm de muita paz e estimo suas melhoras...

manuela baptista disse...

que seja então a borboleta!

no entendimento maior do que cada um de nós sabe de Si

seja bem vinda Glorinha!

um beijo

manuela

R. R. Barcellos disse...

Força, Glorinha. Depressão é como um vício que causa dependência, e precisa ser combatido por uma tropa de choque formada por você, a família, o terapeuta e um batalhão de amigos, no qual eu já me alistei. E convido você a ler um texto leve e quase infantil, no link
OS SETE RAMOS DE OLIVEIRA
Trata-se do conto cujo nome inspirou o blog, e diversas poesias.. Pretendo publicá-lo dentro de alguns meses.
Ah, e já encomendei a 2a. Edição de "O Outro Nome da Rosa", e dessa vez você não escapa - pretendo lançá-la aqui pertinho, no Itaipu Multicenter.
Abraços. E FORÇA!

✿ chica disse...

Glorinha,fico feliz em te ver de volta. Desejo de coração que fiques bem volte a garra e tudo mais, como tu és...
beijos,tudo de bom,chica

Lu Souza Brito disse...

Ô Glorinha,

Que ótima maravilhosa!!! Acho que só sabe o que é depressão quem realmente passa por ela.
Que as grades se rompam e na sua frente, uma paisagem gigante com o nome LIBERDADE!
Um beijo e otimo fim de semana

She disse...

Oi Glorinha, que bom ter notícias sua... ;)
Isso mesmo, querida, um passo de cada vez, beijo, beijo!
She

xunandinha disse...

Glórinha, precisa recuperar depressa, depressão dá conta de nós, não deixa ela se envolver muito faz força e tenta ser forte pois a depressão nos arrasta para o fundo e nos destroi assim como quem está à nossa volta, dá um chuto, força, vai tentando fazer o que fazias nem que seja só por minutos, sei que vais recuperar, beijinhos fortes

Vicentina disse...

Glorinha querida, sabe que já tive depressão? Realmente foge o nosso controle, é muito ruim.
Ia em um médico em Poços que dizia, "a sra precisa de descanço, esgotou todas as suas energias agora precisa repor" e dá-lhe calmante e remédios pra dormir e foi assim que recuperei graças a Deus e a ajuda da família.
Vá em frente, mas sempre pensando em acumular energias e não em gastar.
Repouse descanse só leia o que é bom, vc é forte e logo vai voltar aqui pra dizer que tudo passou, tenho certeza disto.
Grande bj e Boa Tarde.

Élys disse...

Você é uma pessoa forte e sabe disso.Você não teve apenas uma melhora. Já está curada, Acreditar ajuda pois você está acreditando numa verdade que é a sua completa cura.
Tenha a certeza você já superou os momentos difíceis. Está completamente curada.
Beijos, amiga.

Lúcia Soares disse...

Glorinha, a sua ideia de depressão é a da maioria das pessoas. Associam depressão a "não ter o que fazer" ou a mais comum: "isso é doença de rico". Como já passei por 2 episódios, sei bem a paulada que é. Mas a gente consegue dar a volta por cima, principalmente com um bom acompanhamento médico e com nossa força de vontade.
Agora que voltou a enxergar a vida com todas as suas cores (a depressão é cinza...), aproveita, alce voo e fique em paz.
Beijo!

Valéria disse...

Oi Glorinha!
Me identifiquei com seu post, pois por coincidência ontem voltei à blogosfera depois de quase um mês de completo desânimo. Não lia, não fazia nada, pouco falava, quase um zumbi. Nos vemos assim presas em um mundo paralelo em que a vida quase inexiste, apenas o respirar permanece. Ainda bem que conseguimos voltar a vida. Já assisti a este filme de grande sensibilidade e emoção que tão bem retrata a superação, a libertação.
Beijos e que fiques bem!
Um ótimo fds!

Zélia Guardiano disse...

Glorinha, minha querida
Sei de que você fala: já estive nas profundezas da depressão. Conheço muito bem esse mal...
Fico feliz por ver que você está reagindo. Isso mesmo! Não ceda...
Abraço bem apertado,amiga!
Beijos carinhosos...

Irene Alves disse...

Sempre aqui vim na esperança que tivesse melhorado.Hoje fiquei muito
contente por si. A depressão(uma
doença da alma,como lhe chama) não
é efetivamente fácil de ultrapassar(falo com experiência)no entanto
você (felizmente) já o está conseguindo. Conheço o filme de
que fala e a própria forma como
escreveu este seu texto, demonstra
que está a recuperar. Desejo MUITO
que em cada novo dia as melhoras
se tornem uma grande realidade,
que tudo que esteve relacionado
com esta depressão desapareça e
que a Glorinha possa voltar a sentir-se totalmente BEM.Tenho
quase a certeza, que está muito
perto de atingir esse patamar.
Muito feliz por si e obrigada por
ter escrito este texto.
Beijinho
Irene

RosanAzul disse...

É bom saber que estás melhorando... Também luto contra ela... e como já disseram acima, só quem já passou ou passa, sabe como é... a falta da energia para a ação nos mobiliza...
Um grande abraço Glorinha!
Paz e luz! Bom domingo, Rosana

pensandoemfamilia disse...

Que este (re) acordar traga muitos estímulos e que a borboleta voe em busca de seus alimentos vitais.
bjs

Palavras Vagabundas disse...

Fico feliz que as nuvens estejam indo embora! Toda borboleta passa por um casulo, tenho certeza que logo, logo você vai poder estender as asas e sair voando.
bjs carinhosos
Jussara

URBAN.GO disse...

Temos de "acatar" estas fazes na vida Glórinha!
Não lhes dês mais valor do elas merecem.
Por vezes "parar" faz descançar e relançar o cérebro em novas direções.
De resto ... depressões, qual é o artista que não as tem??
Encaremos as "tais" como algo de alguns privelígiados(é como quem diz, claro!!).
Bjs.

Beth/Lilás disse...

Poxa, não vi meu comentário que deixei ontem! Mas, o que eu disse é o que todos os amigos disseram; que bom, fico feliz por você e continue sua luta para sobrepor-se a este momento difícil. Estamos aqui, sempre, apoiando-a.
beijinhos cariocas

Taia Assunção disse...

É isso aí menina, um passo por vez. Beijocas e cuide-se! ;-)

Glorinha L de Lion disse...

Obrigada a todos pelo apoio e carinho, ainda não estou bem o suficiente para responder a um por um. Em breve o farei. Grande beijo,

Calu disse...

Olá Glorinha,
passei p/ te dizer que espero que haja um sorriso em teu rosto, hoje.
Bjos,
Calu

Luma Rosa disse...

Glorinha, assisti ao filme apesar de bastante monótono e indico o livro que escrito por Jean Do passa mostra as emoções com muita profundidade e beleza; a lição de que quando desejamos algo, não devemos pensar nos impedimentos. Ele quis tanto escrever um livro a vida toda e o acidente vascular cerebral, proporcionou que ele parasse e enfim, realizar seu sonho, morrendo 10 dias após, deixando um testemunho bem escrito, do que é ter um corpo morto com intelecto bastante vivo.

Ele não viveu tempo suficiente para o desenvolvimento do software Dasher que rastreia as piscadas, permitindo que as vitimas da "sindrome do encarceramento" se comuniquem.

Se temos vontade própria, temos o desejo imenso por liberdade e espero que você reuna forças para reagir além da medicação que está tomando. Sei que a depressão cria um muro que impede de ver a beleza que antes era tão fácil deslumbrar-se. Mas comece pelo sol, Glorinha!! Até acho que você muda de estação!! ;)

Beijus,