segunda-feira, 7 de junho de 2010

Blogagem Coletiva - Vida Simples - Update

Esse post faz parte da Blogagem Coletiva Vida Simples orquestrado pela Mila do blog Mila's House.




Sobre A Amizade

Eu tinha 15 anos.
Acabava de perder meu pai...Minha mãe, coitada, com uma filha adolescente e outra com
22 anos, mal sabia o que fazer da vida, uma mulher do lar, nunca pagara contas, quanto mais mexer com um inventário...era despreparada para a vida...meu pai a poupava em tudo, mal sabia ele, pobre homem, que cedo, iria embora para sempre e a deixaria de pés e mãos atados...
Eu, uma jovem sensível, muito pensante e com ideias próprias acabaria por repetir, em quase tudo, diferente dos sonhos que imaginei pra mim, o papel de minha mãe na vida, eu, hoje, igualmente despreparada para essa vida feia e confusa do mundo real...
Um dia, cheguei do colégio...Antes porém, havia passado na casa de minha melhor amiga para dar uma fumadinha, pois fumava escondido desde os 13 anos, primeiro com as "guimbas" que meu pai deixava no cinzeiro, depois comprando um maço e dividindo com ela...
Nesse dia cheguei da escola e minha mãe descobriu, pelo meu cheiro, que eu havia fumado.
Que escândalo! Minha mãe se jogou na cama, chorando convulsivamente, depois me proibiu de ver minha amiga, achando que ela era culpada por meu vício...eu, como sempre, falei a verdade: eu é que tinha levado o hábito de fumar para minhas amigas, eu que comecei, elas não tinham culpa...mas, minha mãe, com certeza enciumada de minha melhor amiga, pois sempre que podia falava que a mãe a deixava muito livre, que a via beijando os meninos...não acreditou em mim, preferiu crer que as meninas da minha turminha é que me levavam para "o mal caminho" no seu entender...mal sabia ela que eu fazia tudo isso também, só que escondido...Hoje a entendo um pouco...uma mulher de 54 anos que acabava de perder o marido por causa do fumo, uma mulher católica praticante, Filha de Maria, com ideias atrasadas, cheia de fobias e medos, que vê sua filha temporã, ser o contrário de tudo o que acreditava e pregava e ainda por cima, fumando também...e com um agravante: eu sou asmática e passava mal demais nessa época! Hoje em dia me pego pensando que se algum dos meus filhos fumasse o desgosto que isso ia ser para mim!
Bem, minha melhor amiga começou a se afastar de mim...comecei a perdê-la no instante em que contei a verdade para ela: que minha mãe havia me proibido de ir à sua casa, de andar com ela e com  as outras amigas...e estudávamos na mesma escola...nos víamos todos os dias...no fim daquele ano alguém fez uma fofoca a meu respeito e nossa amizade acabou ali...
Esse acontecimento me marcou de tal forma, talvez por ter acontecido tão próximo à morte de meu pai, que nunca a esqueci...Cresci, soube que ela ia se casar, me casei e mesmo passados mais de trinta anos, eu sonhava quase sempre com ela e acordava aos prantos...Já tinha meus filhos e sonhava com ela e chorava de tristeza...Isso fez uma marca tão profunda em mim que nunca consegui manter meus amigos...sempre dava um jeito de fazer alguma coisa e lá se ia o amigo...que caso interessante para um psicanalista, esse meu!
Mas eu sei que a raiz disso tudo estava em mim...perdi a conta de quantas amizades entraram e saíram da minha vida...E hoje, vejo com clareza a razão disso acontecer sempre.
Um dia, estava eu no orkut, e vejo um recado lá: quase morri do coração! A minha amiga, minha amiga Tetê, a melhor amiga que tive na vida, talvez por ter retido na memória só os momentos bons, me achou e me mandava um recado, que estava morando em outro Estado e queria falar comigo, que estava feliz por ter me encontrado...Gente, que emoção! Minha vida passou como um filme na minha cabeça...relembrei tudo...eu não sabia se ria ou chorava...eu ainda idealizava aquela amiga adolescente, morena, tão bonitinha, espevitada como eu...eu a via na memória como era antigamente...quando vi suas fotos no orkut, caiu a ficha: não éramos mais as duas jovens e sonhadoras adolescentes dos anos 70, éramos cinquentonas mães de família!
Uma outra amiga dessa fase, que mora na França, se juntou a nós, me convidou para seu aniversário aqui no Brasil e nós nos encontramos lá, na festa..nem sei dizer da emoção que tive: ria, chorava, abraçava as duas...depois chegou a outra, a quarta amiga...Como trazer de volta naquele abraço tudo o que vivemos e o que não vivemos juntas? Em que ponto de nossas vidas nos perdemos umas das outras? E esse vão, o vazio que ficou? Esse intermezzo de uma vida inteira entre nós, como contar tudo, explicar tudo? Trinta e cinco anos depois estávamos lá...as quatro mosqueteiras de Laranjeiras, dos bailes, dos Sorvetes Dançantes do Fluminense, dos namoros, das listinhas de quem tinha beijado mais meninos, do biquíni emprestado para a minha mãe não saber...trinta e cinco anos de intervalo entre a menina que fomos e a mulher que somos...Uma vida inteira!
A partir desse dia nunca mais sonhei com ela...não nos vimos mais, mas nos falamos de vez em quando...Acalmei meu coração, entendi minhas perdas, entendi minha mãe, perdoei-a e mais importante, perdoei a mim mesma pelos amigos que deixei partir: Eu havia entendido tudo e encontrado a chave do mistério de mim mesma.
Um acontecimento. Várias perdas. Um encontro. Um resgate. Eis aqui, um resumo de minha vida através da força da amizade.
Tetê, Regina, Eliane, esse post é para vocês! Um grande beijo de quem nunca as esqueceu!
E através dessas amigas que um dia perdi e ganhei de volta, homenageio todas as minhas amigas de hoje e sempre!
Beijos a todas!

Update: Hoje não estou me sentindo muito bem, visitarei todas amanhã. Beijos.

49 comentários:

Beth/Lilás disse...

Pois é, minha amiga, estas amizades que ficaram perdidas no tempo, mas não na memória, quando resgatamos nem parece que passaram tantos anos, pois quando se gosta de verdade, fica gravado na alma.
Obrigada por me incluir em seu coração também, sinto-me honrada e espero retribuir sempre à altura.
Adorei que tenha aprendido a montagem e ficou 10!
beijocas cariocas

O que elas estao lendo!? disse...

Glorinha fiquei emocionda com o teu relato. Muito pé no chao e muito consciente.

Fiquei feliz que depois de 35 anos vocês se encontraram e assim você recebeu a cura dos teus pesadelos.

OLh, li lá na Beth, o pao delicioso que vc fez. POde me enviar a receita? Adoro fazer paes em casa.


Olha estaremos programando o próximo encontro em Vicosa, Minas Gerais. Tem alguém que visita o teu blog que mora para os lados de Minas Gerais? Pode me informar?


Te desejo uma semana linda e abencoada

Beijao Georgia

Nilce disse...

Oh, Marli

Que linda e triste a tua história.
É muito bom reencontrar com o passado e no seu caso muito então...
Show, menina.

Também fiquei afastada por um bom tempo de amigas de infância e adolescência, mas Graças a Deus por motivos de mudanças e falta de contato e não por motivos como os teus. Agora fazemos tudo para não nos perdermos mais.

Seu caso é muito especial.

Bjs no seu coração e também de suas amigas!

Nilce

Dani dutch disse...

OI Glorinha, tudo bem?
Há certas coisas que só entendemos quando estamos do outro lado da história, minha mãe sempre diz pra mim e minha irmã que quando formos mães entenderemos tudo o que ela sente, preocupação, saudades, enfim...
bjusss

Cucchiaio pieno disse...

Querida Glorinha
Fiquei toda arrepiada quando li teu post!
A vida da' voltas mesmo. Minha mae me fez perder um grande amor da minha vida (eu tinha 15 anos) e levei anos para esquecer e perdoar. Hoje sei que ela fez por achar que era melhor para mim, pois ha' uns 4 anos atras ela me disse que tinha arrependido amargamente por sua atitude. E mae sempre acha que o filho é santo e que a culpa é sempre dos outros.
Aguas passadas, bola pra frente.
Agradeço a vida que tenho hoje, pois sou imensamente feliz ao lado do Michele.

Belíssima homenagem
Bjos no coração
Léia

disse...

Acredito que seu post, acaba sendo uma máquina do tempo de lembranças, para muita gente que de alguma forma vai deixando alguns amigos no meio do caminho, torcendo para um dia reencontrar. Adorei!!!Bjos e linda semana!

Françoise disse...

...me fez chorar. Que história!
O mais encantador nisso é a sua conclusão , o seu perdão e a liçào que tirou de tudo que aconteceu. A vida nos parece dura mas é assim que aprendemos não é.

A Tetê , a Regina e a Eliane são aquelas das fotos acima? Fiquei curiosa, ehhhh...

Beijos amiga,
Boa semana!

Bombom disse...

vim só para deixar um beijinho em seu coração, como diz a nossa Amiga L. Ao ler sua história de vida, estava a ver a minha, como num filme...a partida de meu Pai para outra mulher, a minha Mãe com 9 filhos para criar, os anos de Colégio, as angústias, as alegrias, as Amizades, as aventuras...Foi esse "cimento" que fez de nós as Mulheres que somos hoje. Sem esse passado não seríamos as mesmas. E que bom, esse momento do reencontro! Porque "a saudade é o que faz do regresso, uma festa"! Bjs. Bombom

Chica disse...

Que linda uma amizade assim.Ficou DEZ!beijos,chica e uma linda semana pra ti!

Regina Coeli disse...

Olá Glorinha,
O mais importante disso tudo é o que ficou em seus corações e em suas memórias...
Nem a implacável passagem do TEMPO, conseguiu apagar...
A amizade verdadeira perdura!!!Enternece nossas almas!
Fantástico esse resgate, linda homenagem para suas Amigas!!
Choro silenciosamente de emoção!!!
Beijos afetuosos,
Regina Coeli

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Muito profundo este post.
Acho que sua mãe acabou por projetar em vc toda a insegurança, perda, tristeza vivida na época. Vc, ao fumar, talvez buscasse reproduzir um pouco seu pai dentro de vc. A gente tem a tendência de copiar o comportamento bom ou ruim de quem mais amamos na vida.

Vc perdeu o pai. E logo em seguida a confiança de sua mãe. E depois a amiga que mais gostava. Deve ter sido um período pesado, difícil de aguentar. Imagino que barra vc deve ter passado à epoca.

A gente sente falta mesmo das pessoas que nos damos bem, que amamos, que são como irmãos para nós. Pode passar o tempo, a gente não esquece. Entendo bem este sentimento pq moro longe, mto longe de muita gente querida pra mim.

O bonito da história é que talvez sua mãe teve que amadurecer muito, pra continuar levando a vida. Vc tb deve ter amadurecido mto cedo e isso moldou sua personalidade (talvez boa parte da coragem de enfrentar as coisas da sua vida se originaram nessa época). E que bom, o problema do passado foi resolvido e hj tá todo mundo contente.

Eh, o que tem valor de verdade, dura bastante e não é qualquer fofoca que derruba não!
bjs e boa semana

Astrid Annabelle disse...

Glorinha!
Saõ histórias como a sua que nos fazem sentir que a vida vale a pena.
Lindo momento!
Um beijo gostoso por nossa amizade!
Astrid Annabelle

Bordados e Retalhos disse...

Glorinha coisa linda de contar, pois é uma abrir o coração sem medo esse seu texto. Aliás como todos os que vc escreve. Que bom que conseguiu exorcizar isso tudo, perdoar sua mãe e viver. Lindo!!Bjs

Fatima disse...

Ter grandes amigos é um presente insubstituivel!
bjs.

Tati Pastorello disse...

Glorinha, que história emocionante. Como você escreve bem!! É muito gostoso de ler, a gente vivencia as emoções junto com você. Sofri, daqui, a perda da sua amiga. Suspendi a respiração no reencontro. Sorri de imaginar o resgate.
Fico feliz por você!
um grande beijo e um brinde à nossa amizade, que o blog proporcionou.

welze disse...

olá coisa linda de viver. que bom estar lhe sentindo alegre. espero que transmita ao gato arquiteto, inda que com atraso, meus mimos, carinhos, apertos de tia e abraços de um amiga que ama demais da conta essa família. Espero que esse lindão tenha muitas vitórias com saúde e alegria. Realmente amigos são coisas tão simples, mas a vida é nada sem eles. Que bom seu reencontro com as meninas. ótima semana

TATA... disse...

tb sofro com uma amizade perdida... talvez por eu ser sincera e verdadeira demais, perdi...
quem sabe um dia haja retorno...e tenha um final feliz como a sua... e olha q nossa amizade não era de adolescentes...mas fazer o que né...

aprendi! aprendi a falar menos, me expor menos... acho q assim sofrerei menos...
desculpe, foi apenas um desabafo...


bjs

Isadora disse...

Glorinha que relato lindo e emocionante.
Como a vida às vezes leva para longe algo ou alguém e esse fato nos marca profundamente.
Que bom que você teve a oportunidade de reencontrá-la, abraça-la e assim, seguir com mais uma página escrita.
Um grande beijo

Eliane disse...

Tive amigas assim que perdi no tempo mas não no coração. Essas amizades voltaram por que vc merece. Seu post me fez pensar nelas então muito obrigado por essa lembrança dividida um beijão e bom dia!!!

Thaís leão disse...

Mãe, que lindo!Que vc viva sempre rodeada de amigas e amor.
Um beijo

Mila Viegas disse...

Que lindo, Glorinha! Sinto falta de algumas amigas também, que o tempo e a distância deixaram para trás. Algumas consegui reencontrar virtualmente, mas a minha melhor amiga de infância nem isso. Sinto saudades!

beijos

Lúcia Soares disse...

Glorinha, um relato emocionante e comovente.
Você é uma mulher de fibra, que já passou por muitos percalços.
Quando perdi meu pai, já era casada há muitos anos, tinha meus filhos, meu novo núcleo familiar. Mesmo assim, passados 15 anos, ainda choro a falta dele. Imagina você, no começo da adolescência, fase por sí só melindrosa, passar pela perda.
Depois, todos os conflitos com a mãe, a distância da amiga e "cúmplice" nas baforadas...Muita coisa pra digerir.
Cada dia a admiro mais.
Beijos!

Glorinha L de Lion disse...

Beth amiga, gostou? Fui uma aluna aplicada? Aprendi direitinho né? Só esqueci do fundo...bem, da próxima faço melhor...e vc já está no meu coração desde o dia em que te conheci! beijos.

Georgia,vou te mandar a receita do pão pelo email, ou quem sabe faço um post aqui? olha, vou ver quem é das Minas Gerais e te passo...bjs.

Oi Nilce, seu recado está lindo! Só trocou meu nome com o da Marli...será que lá no blog dela, vc a chamou de Glorinha? rsrs....não liga não...acontece...é muita gente e às vezes fazemos confusão...beijos.

Oi Dani, é verdade, só entendemos depois que somos mães tb...taí uma coisa que minha mãe sempre falou...e estava certa. beijos.

Leinha querida, essa estória da minha vida é forte mesmo...foi muito difícil, mas superei...e agradeça à sua mãe, afinal vc conheceu o Michele e poderia ter ficado com o outro, já pensou? Beijos.

Rê, é mesmo! Foi uma máquina do tempo, até pra mim...beijos.

Oi Françoise na foto do meio está só a Regina, eu e Tetê...infelizmente a Eliane não estava em nenhuma foto...mas é de arrepiar essa est´oria né? Dava um filme...rsrs beijos.

Vivi disse...

Oiiiiiiiiiii
Que lindo!!!
E incrível como as lembranças voltam num clic né!!!
Vc é uma Amiga muitooooooooooooo especial viu!!!!
bjs

Amica Philosophiae disse...

Que lindo! Arrancou lágrimas de meus olhos. Me levou a um passado distante onde vivi uma história similar. Mas ao contrário de vc, hoje, tenho um único melhor amigo e uma grande amiga. Só! Como vc tb afastei todas as amizades sabe-se lá pq nunca mantive vínculos com ninguem com excessão desse grande e único amigo que muito esforço fez para que a amizade não acabasse. Já se vão dez anos desde em que falei com ele que se ele não procurasse eu provavelmente não o procuraria. Ele fez por onde! É meu único amigo. Mas confesso sinto falta de ter amigos que gostem das mesmas coisas que eu....
Um bjo
Cynthia

Glorinha L de Lion disse...

Bombom, te confesso que acho que foi "cimento" demais...não precisava tanto...mas ninguém pode escolher seu destino, só um pouquinho, eu acho...mas a sua estória tb é bem interessante ein? Beijos.

Chica, legal, né? Beijos.

Regina, esse resgate foi mais meu do qq outra coisa...eu me resgatei do fundo de mim mesma e enfim, pude viver plenamente....beijos.

è Alexandre, vc fez a leitura certa...disse tudo...quantos problemas para um bom psicólogo ou psiquiatra...mas acabei eu mesma resolvendo meus "causos"...pena que minha mãe não viveu pra ver isso...beijos.

Astrid, querida, obrigada por gostar de minha estória...teve muita dor no meio disso tudo, mas tb muita alegria...beijos.

Giovanna, realmente exorcizei tudo, pena que o tempo não possa voltar atrás, né? Beijos.

Fatima, é mesmo...nada substitui um amigo, por isso, fico triste por não poder voltar ao passado e ao tempo que perdi...bjs.

Tati, obrigada por suas palavras...brindemos então. À amizade, à nós, aos nossos escritos e ao blog, que uniu tanta gente sensível e amiga! Beijos.

Welze queridona! Obrigada pelos afgos de tia em meu filho, tenho certeza que se morássemos mais perto vc seria uma tiazona pra ele...e quanto às amigas, a Vida tem me trazido alguns presentes maravilhosos como vc! Beijos amore!

Tata, tb sou assim...falo demais, do jeito que sai...melhorei mas não mudei...espero que me aceitem do jeito que sou...acho que hj tenho amigas que me entendem plenamente...bjs.

Isadora, é esse caso acabou virando uma linda estória real, vivida, triste, mas que teve final feliz. Beijos.

Filha, obrigada, sei o quanto deseja que eu seja amada e viva cercada de amigas...e isso se tornou realidade graças à vc que me fez fazer meu blog! Viu só, quantas amigas eu tenho agora? Beijos

Eliane, a vida nos tira, mas tb nos dá, muitas vezes nos dá de volta o que tirou..ainda bem...beijos.

Miguxa, tenta encontrar sua amiga, pelo orkut ou facebook...já tentou? minha amiga me achou assim...quem sabe vc encontra a sua tb? É sempre tempo...vai lá, tenta...beijos!

Ana disse...

Post muito lindo, de quem vive e tira lições, aprende, divide...

Um beijo!

Glorinha L de Lion disse...

Lúcia,querida, cada um tem seus "pedacinhos" como diria minha mãe...ninguém passa incólume pela vida...ela cobra pedágio da gente, pelas estradas onde passamos...talvez no meu caso, o pedágio tenha sido um pouco caro demais..mas,.como diz o Roberto: se chorei ou se sofri...o importante é que emoções eu vivi....e afinal, sem emoção nada vale a pena, né? Beijos e obrigada pelos elogios e pela admiração!

Oi Vivi, vc tb é especial amiga maninha! e agradeço à vida por ter me proporcionado tantas alegrias depois de tantas tristezas! Beijão.

Oi Cynthia, a vida da gente é complicada, ou melhor, a gente a complica né? ainda bem que meu blog pra mim é pura terapia, eu mesma dou a consulta, passo o diagnóstico e me dou alta ou não...funciona assim pra mim...um espelho, onde aprendi a me olhar pra dentro...espero que tb consiga! Beijos.

Glorinha L de Lion disse...

Oi Ana, obrigada por suas palavras...como disse antes, aprendi a olhar pra dentro...e isso faz toda a diferença...beijos

Lu Souza Brito disse...

Ai Jesus, mais um relato emocionante. Desse jeito vou passar a tarde com os olhos cheios dágua. Glorinha, fiquei feliz com o desfecho da sua historia, por ter se reencontrado com a Tetê e outras amigas de infancia, por ter se perdoado. Lindo demais seu post.

Glorinha L de Lion disse...

Ai Lu nem me fale em chorar, que agora meu astral tá lá no pé...já chorei tanto que nem te conto...parece que é só a gente ficar um pouco mais contentinha que já vem um maremoto em cima da gente, derrubando tudo...ó vida! PRECISO DE UMA TRÉGUA!beijos.

pensandoemfamilia disse...

Olá Glorinha

Que belo resgate. Saiu do sonho e foi para sua realidade- as amigas-
Não lamente o não vivido, aproveite e expanda este querer.
bjs

Silenciosamente ouvindo... disse...

Este seu post é uma prova de que
às vezes(muita vez) a vida nos
surpreende positivamente.
Muito comovente.
Irene

Glorinha L de Lion disse...

Oi Norma, estou expandindo, estou expandindo...obrigada, beijos.

Oi Irene, é, a vida às vezes é maravilhosa mesmo tendo sido madrasta.....abraços.

manuel marques disse...

Nenhum gesto de amizade, por muito insignificante que seja, é desperdiçado ,Post fantástic.

Beijo.

Macá disse...

Glorinha
Nem preciso dizer que o post está belíssimo; e o mais importante é o que ficou: você encontrou a chave de si mesma, a amizade que vocês têm hoje e especialmente a homenagem que todas nós estamos recebendo.
beijos

Glorinha L de Lion disse...

Obrigada Macá, a chave de algumas coisas da minha vida já achei, de outras ainda estou procurando,tomara que um dia eu ache...beijos

Gina disse...

Todo dia a gente aprende um pouco nessa vida.
Às vezes, por tão pouco, mudamos o rumo de nossas vidas. Acho que todas temos vontade de rever alguém que ficou no passado, mas a maneira como se deu sua história foi ainda melhor, já que foi ela que encontrou você. Muito bom tudo isso! E que reflexão isso gerou!
Bjs.

Liliane de Paula disse...

Que coisa! Re-encontrar depois da tantos anos. Parabéns.

cantinho she disse...

Queridaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa que post DIVINO, MARAVILHOSO, AMOR PURO E SABEDORIA como sempre, gente, que bacana, nossa fiquei aqui imaginando a sua emoção qdo a viu no orkut, é por isso que eu insisto com esse tal de orkut pq ele tb já me proporcionou belas e belas surpresas, assim como esse blog, surpresas assim iguais a esse encanto de post, de sinceridade, de VIDA! Show, parabéns!
Beijoooooooooooooooooo!
She

PS: Se cuide aí e melhoras!

angela disse...

voce merece amigos, muitos amigos.voce é uma amiga especial.beijo

Renata Boechat disse...

Glorinha,

Não tive ainda a oportunidade de parabenizá-la pelo aniversário do blog, deixo aqui minhas felicitações!

Quanto ao post dos amigos, digo que me emocionou a sua história, e faço uma idéia da emoção que as amigas homenageadas devem ter sentido também!

A internet tem esse dom: de aproximar, e reaproximar pessoas...eu acho fantástico!

Espero que se sinta melhor logo logo, e te deixo meu abraço,

Renata

orvalho do ceu disse...

Olá,
Cada amigo(a) é uma bênção!
Cada um de nós tem sua especial maneira de prestigiá-lo(a)... sendo ótimo(a) amigo(a).
Bjs,amiga

Irene Moreira disse...

Glorinha
Linda história, linda amizade e acho que não és a única a ter vivido essas perdas, mas o importante é que nos ensinam muito a seguir o nosso caminho.

Beijos

Maricota by Marianne disse...

Glorinha...a vida nos leva para tantos lugares e esses lugares nem sempre estão os nossos, então alguns amigos vão ficando, outros vão surgindo, mas nunca nos esquecemos de quem um dia fez parte da nossa vida, do nosso crescimento...!
Lindo,
Bjks.
Marianne

Gisa disse...

Vixi quanta mulher bonita e sorridente nessa foto querida Glorinha !!!!

Li uma frase de Chaplin que dizia o seguinte:

Conhecemos pessoas que vem e que ficam,
Outras que, vem e passam.
Existem aquelas que,
Vem, ficam e depois de algum tempo se vão.
Mas existem aquelas que vem e se vão com uma enorme vontade de ficar...

Eu to preferindo ficar por aqui tá bom ? hehehe

beijo grande

Manuela Freitas disse...

Olá querida Glorinha,
Excelente post como sempre, és uma amiga como deve ser e é sempre estimulante entrar no teu «mundo», pela forma como o vives e sentes.
Coincidência, o meu filho, o Pedro, fez anos em 3 de Junho. Parabéns atrasados para o Gabriel e para a «fofa» mamãe!
Beijinhos, amada amiga,
Manú

Graça Pereira disse...

Que linda história de amizade...tambem eu procuro uma antiga colega e gramde amiga que não vejo há 50 anos...com tantas mudanças nas nossas vidas...perdemo-nos..mas mantenhi a esperança de ainda a encontrar...
Beijo
Graça

Iêda Klein disse...

Glorinha, que lindo relato. Mostrou o que é realmente uma amizade. Gostoso de ler e que passa muita esperança.
Beijos, Iêda