sábado, 16 de julho de 2011

Conversa Comigo Mesma

Estou em crise.
Escrevo pensando em mim ou escrevo pensando no público?
Escrevo o que desejo ou o que acho que é vendável?
Ainda estou meio sem pé, nadando à esmo e vindo morrer na praia. Comecei um livro e não sei se continuo...
Não quero cair na mesmice. Mas não quero ser uma pseudo intelectual que acha que porque sabe muito, pode tudo e, só por isso, é genial.
Escrevo o que a maioria gostaria de ler ou o que eu gostaria de contar?
Mas o que eu gostaria de dizer é interessante para alguém, além de mim mesma?
Porque essa presunção de achar que o que se escreve tem que ser excelente, digno de prêmio?
Mas, não, não quero ser mediana...De medíocres o céu está cheio...e eu vou para o inferno...se ele existisse, com certeza eu iria para lá.. Aliás, lá deveria ser muito mais divertido, apesar de eu detestar calor, mas enfim, lá se pode gargalhar, contar piadas, falar palavrão, tomar caipirinha!
Não, não mereço o céu, e nem gostaria de ficar ao lado daqueles santos com cara de bobos, todos brancos, de faces coradas, louros e de olhos azuis...No céu venceu a teoria hitlerista da pureza da raça!
No inferno, não...lá deve ser uma mistura danada (rsrs) de boa, de gente de todas as raças e cores, dançando em volta (e dentro) das fogueiras...Churrasco, franguinho no espeto...hummmm.
Como podem notar comecei falando de uma coisa e vim parar no meio do inferno...pensando bem...calor, gente de todas as raças, mistura, caipirinha, calor infernal, gargalhadas, piadas obscenas...Vem cá, o inferno não é o Brasil, não? Então, já estou no lugar certo...vai ver já morri e não sei...
Enquanto isso, eu continuo sem saber se escrevo para as massas ou para a elite intelectual e culta.
Acho melhor eu ir dormir. Quem sabe assim, essa ressaca passe até amanhã?
Irrcc...

43 comentários:

pensandoemfamilia disse...

Oi Glorinha

Espero que ao despertar tenha decidido o caminho, mas será que não há o do meio...rs.rs.
Obs. Tem convite especial lá no meu espaço. Passa lá.
bjs

Profº Bauru disse...

Glorinha, seu pensamento é totalmente lícito. Não me considero escritor, porém escrevo nos meus muitos blogs. Ainda que eu me detenha muito na teoria da Língua Portuguesa e também me preocupe com a otimização dos meus textos para "ser encontrado" pelos buscadores e assim receba mais visitas em meus blogs, procuro não ser tão mecânico. Achei um espaço confortável entre a "obrigação" de escrever e o "prazer" de colocar aquilo que é do meu gosto. Escreva, escreva incessantemente. Com a diversidade de pessoas, gostos, público e mercado, certamente suas palavras encontrarão morada em algum coração por aí.

ju rigoni disse...

Querida amiga,

cá estou, me aquecendo junto às suas letras. Não sei responder às questões que a afligem. Só posso falar das minhas próprias escolhas. Eu sempre escrevo para mim. Claro, lá dentro, há um sem-número de eus, e muitas vezes fico dividida porque o que "sai" agrada muito a uns e desagrada imensamente a outros. Isto quer dizer também que nem tudo que escrevo publico em meus blogues. E inúmeras vezes o que publiquei desagradou meus leitores, e muito. Então, acho muito pessoal e difícil essa questão cuja resposta envolve certas escolhas.

Agora, sem dúvida, tal como você, não encontro qualquer identidade com esse céu padronizado. Espero que consiga encontrar sua resposta e sair desse purgatório. Quem sabe, esquecer tudo isso e simplesmente mergulhar na história que você quer contar. O sonho de todo escritor é agradar a todos, mas a gente sabe que isso é impossível. Então, não se torture, minha amiga. Apenas faça o que você deseja fazer, - escreva.

E perdoe minha ausência. Afogada em trabalho, a semana fica curtinha e não consigo visitar todos os amigos que aprecio. Um beijo, um abraço apertado, e um bom domingo. Inté, querida!

ps - Adorei vê-la e ouvi-la no vídeo aí ao lado, Glorinha! Ficou excelente! Parabéns a você e aos produtores.

Hugo de Oliveira disse...

Bem legal...e continue escrevendo para as massas.


abraços

Bombom disse...

Sabes o que eu acho? Antes de mais, o Escritor(a) escreve para si próprio, por um gosto ou uma necessidade de partilhar os seus sentimentos com outras pessoas. Por outro lado, ele pode ter de sobreviver à custa da venda dos seus livros. Desse modo, umas vezes ele escreverá apenas o que lhe vai na alma. Outras vezes escreverá histórias que sabe que agradarão a mais público, mas mesmo nestas, ele sabe enriquecê-las com a sua sabedoria e cultura.
Agora falando de Céu e de Inferno...nem mesmo a Igreja Católica que o pintou com cores carregadas de vermelho e negro, acredita nele! E já o deu como inexistente. O Inferno é cá, sim e fica sabendo que não é só no Brasil. E ainda me ri com os teus anjinhos de olhos azuis, he,he! Daqui te envio muitas "flores com borboletas". Bombom

Glorinha L de Lion disse...

Oi Norma, se já o encontrou, esse tal caminho do meio sobre o qual tanto se fala, me ensina? hehehe beijos,

Glorinha L de Lion disse...

Professor Bauru, muito prazer. No meu caso, minha preocupação não é sobre o que escrevo no meu blog, pois aqui escrevo o que me apraz, o que me vem à cabeça e não me preocupo se agradará ou causará polêmica...aliás, sou famosa por criar polêmicas por aqui...rsrs Mas me refiro aos meus livros, ao que escrever enquanto escritora de livros...Aí é que a coisa pega...obrigada por seu gentil comentário, abraços,

Glorinha L de Lion disse...

Oi querida Ju, a princípio, eu também escrevo pra mim...Acontece que quando se escreve um romance ou uma ficção, as perguntas são outras, bem diferentes de quando escrevemos nos blogs...porque se irá atingir uma camada de leitores e de público que talvez nem tenha acesso ao mundo blogueiro...E as editoras? quererão publicar o que escrevo? É uma grande batalha interna esse divisor do que eu quero e do que o mercado quer. Se quero ser publicada e lida tenho que fazer concessões? Essa é minha grande pegunta Ju...e ainda não sei a resposta.
Obrigada querida, gosto muito, muito mesmo quando vem aqui. Beijo grande,

Glorinha L de Lion disse...

Obrigada pelo comentário Hugo...mas será que escrevo para as massas? Sinceramente acho que escrevo para uma minoria...bjs,

Glorinha L de Lion disse...

Acho que é este o caminho do meio de que falava a Norma! Bombom és uma gênia! hehehe
Mas, continuo dividida ainda assim, minha amiga...dilemas de escriba...beijinhos,

Palavras Vagabundas disse...

Escrever ou não escrever, oh! dúvida cruel!
E cá chegamos ao dilema do escritor!
Não sei a resposta mas gosto muito do pensamento de Tolstoi que diz que se escrevermos sobre nossa aldeia atingiremos o universo.
bjs e bom domingo!
Jussara

Glorinha L de Lion disse...

Lindo isso, Jussara, já tinha lido em algum lugar e me esquecido! Vc salvou meu dia! beijos, bom domingo!

manuel marques disse...

Escrever é ter a companhia do outro de nós que escreve,depois logo se vê...

Beijo.

Leila Brasil disse...

Questões difíceis de serem respondidas. A boa resposta vai se apresentar na sua voz e na sua pena. Aposto.
E vai ser a sua resposta e a sua escolha , legítima taça que você erguerá brindando por uma convicção e confiança no seu olhar de Escritora.
Acho isso.
Beijocas

Fernanda - Trilhas Culturais disse...

Que blog mais gostoso, mais aconchegante, mais lindo...nossa..foi tudo que me conquistou, o ambiente, os posts...tudo...ameii. virei fã daqui...Parabéns.

R. R. Barcellos disse...

1: Você está confundindo o Céu com o Inferno. Ou eu estou.
2: Não dê muito papo a você mesma. Quando eu faço isso, um dos dois que existem em mim sempre sai insatisfeito. Imagine você, que é muitas...
3: Faça tudo o que quiser. Escreva o que bem entender.
4: Se você decidir escrever para as massas, sugiro o seguinte prólogo: "Srs Macarrão, Ravioli, Fetuccini, Pizza, Lasagna e Pastel."

Beijo.

Lúcia Soares disse...

Glorinha, escreva o que quiser! Sem se preocupar em agradar ou não!
Mas acho que o seu perfil é de uma escritora do cotidiano, das crônicas urbanas, pois você tem um olhar aguçado sobre tudo.
Um livro de contos, ou um de crônicas.
Ou uma ficção baseada em história, geografia,artes, enfim, muito estudo, se é disso que gosta.
Acho que há público pra tudo, embora não sejamos bons leitores.
Mas o blog é um bom caminho para a divulgação.
Acho que o que vc escrever será sempre saído do fundo do seu ser, com muita propriedade, muito estudo, muita pesquisa.
O que não pode é deixar de fazê-lo. Deixe fluir.
Boa semana!
(o inferno somos nós...já foi dito por aí!)

Marilia Marques disse...

Oi Glorinha, se me permite a ousadia, escreva o que lhe vai na alma....tenho a certeza que vai agradar a muita gente...e se nao agradar a alguns....? Que importa isso? Importa é que se sinta realizada com o que escreve...
Estarei errada?

Um beijo grande de muita motivação...

Marília Marques
armazemdepaixoes.blogspot.com

Beth/Lilás disse...

kkkk
Só mesmo esta minha amiga, formiga ensimesmada!
De tanto pensar acabou no inferno, mas não pense que lá deve ser tão legal assim, pois lembre-se que o PC está lá, Toninho Malvadeza, o Sarney já está se preparando, logo em seguida o Dirceu e pra culminar o Lula. Ahm, não, tô fora! kkk
Vou preferir o tal do paraíso, vamos juntas, e você a ler pra mim um novo romance que estará começando, quem sabe Um inferno no Céu. kkkkkkk
Ahhh, foi você quem começou a boiar na maionese e você sabe que eu gostcho dessas baboseiras, né?
bisous carrriocá

Mônica - Sacerdotisa da Deusa disse...

rsrsrsrs ai Flor, só vc mesmo! rs
Já que vc perguntou vou dar a minha opinião: ESCREVA PARA VC! É isso, qdo vc escreve para vc, satisfazendo sua opinião e gosto pessoais, sua energia emana poderosa e nós que nos afinizamos com ela, acabamos sentido a necessidade de ler determinado livro entende? Sempre achei que os livros nos escolhem, então não queira agradar ninguém não, a não ser vc mesma. Eu leio bastante, e sou uma eterna mutante ( a música que me define é: eu prefiro ser essa metamorfose ambulante, do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo...), sabe pq estou compartilhande isso contigo, porque qdo estou feliz quero um tipo de leitura, qdo estou mulher quero outro, qdo estou triste outro, e por aí vai. Então não adianta gastar sua energia pensando nos intelectuais, nos oba obas da vida e etc. Escreva o que tem vontade querida, o que seu coração sorri qdo vc tem uma idéia, o que sua alma vibra. É isso, falei rs.
Beijinhos querida flor.

Flores e Luz.

Maria Izabel Viégas disse...

Amiga querida,
Uau, obrigada pelos comentários carinhosos no Memórias. Linda!
Sabe, Glorinha, quer um conselho, de quem nada sabe sobre o assunto. Sou a leitora.
Cada palavra sempre tem um leitor.
Sempre atinge um alvo.
E não importa quem ou a quem vais agradar.
Sempre haverá alguém que escute a voz do seu coração. Que seja um guia, que expanda consciências, bem... escreve-se, depois , amigas... as suas palavras não são mais suas, passam a ser propriedade de quem se lê.
Vc abriu as portas, deu início... agora , SEGUE!

Ah, estes seus coceitos de inferno e céu são de sua autoria , né? rsrsrs
Caracoles, uma mistura de tudo rsrsrs.
Imagina, Glorinha San, o inferno é em Brasília, não te contei?
Beijinhos mada no seu coração de ressaca.
Amanhã leremos outro Conto ou poesia linda!!
Esta é minha, a sua , a nossa... Glorinha Leão!

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Glorinha, não tem jeito (ainda mais para o seu tipo de personalidade): não faça NADA que não te deixe confortável ou orgulhosa de si mesmo.

Pq escrever de mediocridades, mediocremente, isso já tem de baciada.
Só um ou outro que vende, não é garantia de nada.
A pobraiada (culturalmente falando) vai ler é o Peido Coelho e a Zilda Lambreta mais os nomes de sempre.

e sim, o mundo tá lotado de mediocridade. portanto a tentativa de fazer algo com capricho é mais que louvável. temos que andar pra frente.

Mas.... tem o lado feio da coisa.
Sei que ninguém vive de vento, se for pelo lado comercial da escrita vá com fé, vai com tudo e faça como de costume: caprichado. bota tudo o que vc sabe, que vende, que é comprável.

é tão complicado isso... a gente vive para a arte ou para a geladeira? fazer arte com fome? ou fazer miséria mas de barriga cheia?

to enrolando na resposta pq não sei o q falar rs

bjs e boa semana

Glorinha L de Lion disse...

Leila, obrigada querida, sei que me entende, grande escritora que é. beijos,

Glorinha L de Lion disse...

Fernanda, obrigada flor, puxa achou tudo isso do meu blog? Estou toda prosa depois desses elogios todos! rsrs beijos,

Glorinha L de Lion disse...

KKKKKK Rodolfo, meu amigo, que figuraça vc é! tem razão, quando dou muito papo pra "mins mesmas" não sai boa coisa não...saio mais ensimesmada ainda do que entrei...
Quem confundiu céu com inferno e inferno com céu? Eu não! Só porque tomei umas cervejas tá me chamando de bebum? hehehe
Olha quantas coisas me falaram:
O inferno são os outros.
O inferno é aqui.
O inferno não existe.
O inferno foi abolido...
Enfim: continuo na mesma. Mas se céu e inferno existirem quero pegar o elevador e ir direto pro andar de baixo, com calor e tudo...beijos,

Glorinha L de Lion disse...

Oi Lúcia, formiga ensimesmada é o que sou...e a minha amiga Beth adotou esse apelido que me dei pra me chamar assim agora, a danadinha....pois é, sei disso, no fundo sei muito bem o que devo e quero fazer, mas tem horas que dá um siricotico, que vou te contar! beijos, obrigada pelos conselhos,

Glorinha L de Lion disse...

Oi Marília, tem toda a razão e eu não conseguiria fazer diferente. Obrigada por me dar sua opinião, beijos,

Glorinha L de Lion disse...

KKKKKKKKKK Betita, dessa eu gostei...Vou estar acompanhada por uma turma de peso! Mas vc falou em Lula. Não, não vou aguentar os discursos dele jogando perdigotos nos "pobres diabos" da turma do gargarejo, com o dedinho que falta em riste! rsrsrs....ele vai continuar fazendo campanha pras próximas eleições, eternamente! Isso sim é uma visão do inferno! Ele não vai desencarnar, nem lá! rsrs Enfim, cada povo tem o diabo que merece! beijos,

Glorinha L de Lion disse...

Tem toda a razão Moniquinha!
Somos tantas, que a cada dia somos uma diferente, ansiando por um tipo de leitura, música...Não posso me preocupar com isso, tenho que escrever e pronto. obrigada pelos conselhos, beijinhos,

Glorinha L de Lion disse...

Quantos amigo e amigas sábias eu tenho, Izabel San! Minha querida mestra, tua gafanhota sabe muito bem pra que foi feita! É que há dias em que converso demais comigo mesma e dá nisso! Confusão na cabeça! Nem precisa agradecer, sabe o quanto te admiro e te gosto! beijos amiga,

Glorinha L de Lion disse...

Alê, agora me responde: sem querer me metidar...mas eu teria que fazer muito esforço pra ser medíocre, não acha não? Uahuahuah!
Te peguei! Brincadeirinha....olha só, eu fiz as perguntas e eu mesma já sabia as respostas de antemão...só sei escrever o que sinto, o que sei e o que gosto....assim como sou na vida, sou na minha escrita, vc sabe bem disso, né amore?
beijos, obrigada,

Lu Souza Brito disse...

Glorinha,

Se a Santa Inquisição baixasse por aqui você já estaria torradinha por divulgar tão bem o inferno. O inferno ficou atraente demais. Desse jeito atiça a curiosidade dos 'santos' ahahaha.

Olha, responder sua pergunta nao sei não, mas posso achar?
Ok, eu acho que você deveria escrever o que você acha que é bom.
E o que vende mais? Ahhh, mais o que vende mais já tem aos montes por ai.
Do jeito que é questionadora, duvido que um livro seu nao tenha saída, mesmo que fuja dos padrões do que é 'rentável'.
Além disso, também duvido que você consiga escrever algo assim só pensando em lucros.

Boa sorte nas suas maquinações. Espero que encontre a melhor resposta!
Beijos

Lívia Azzi disse...

Tão gostoso te ler, Glorinha!!

Lembra de Hemingway dizendo no filme que nenhum tema é ruim se o autor é verdadeiro?! Mesmo que ele esteja no inferno, que pode ser divino como o de Dante! Ou patético como os pênaltis da seleção brasileira, isso sim, é morrer e esquecer de cair...

Escrever para valer é sentir jorrar as palavras do fundo da alma e brotar em algum lugar em conexão com o corpo, isso muitas vezes é penoso, mas só assim o escritor atinge algum alívio e salvação.

Escreva a tua escrita, gostosa, pura e sem frescura...

Beijo!

Glorinha L de Lion disse...

Shiii Lu, já estava frita faz tempo! Menina, tô lendo um livro que, entre outras coisas, narra os padecimentos e martírios de alguns ditos "santos". Que horror, o que essa Igreja Católica fez em nome de deus é inominável e tenebroso...Prefiro o inferno, sabe pq? No céu só vai ter gente chata....hehehe obrigada por seu palpite, claro que vou fazer isso....beijão,

Glorinha L de Lion disse...

Tenho minhas dúvidas quanto a isso que o Hemingway disse Livinha! Se o tema for bom e o escritor ruim...pode jogar na lixeira, agora, se for ao contrário, um tema ruim e um escritor bom, aí sim confio no sucesso!
Ah, é dura essa vida de escritor nos dias atuais, viu florzinha? Beijos querida,

Élys disse...

Creio que deve consultar o seu coração e escrever aquilo que vai lhe dar satisfação e não será mediocridade, para vender, inclusive sei que você só conseguirá escrever um texto de qualidade. Um texto com qualidade sempre venderá.

casos e acasos da vida disse...

Já ultrapassaste o teu dilema? Difícil!?...Vai na senda do «to be or not to be»...Se escreveres dentro daquilo que sentes e desejas passar aos outros: És, tu própria, és genuína...Se te vendes ao mercado não és...
Quem hoje é...na sua época podia nem ter vendido nada...tantos casos em todas as artes...Quem vendeu, muitos deles hoje nada são!...
Já sei minha querida que não ajudei nada...só compliquei! rssssss
Beijinhos,
Manú

Irene disse...

A resposta só pode ser dada por si
mesma.No entanto eu daria um espaço
maior entre um livro e o seguinte.
Obviamente que é sempre difícil
saber se "aquilo que se pretende
colocar num livro" já não teria
sido colocado por outros, e portanto
que valor acrescentado se vai dar
ao tema.
Um abraço

Glorinha L de Lion disse...

Tem toda razão amigo Élys, nunca pensei em escrever algo sem qualidade, e, pensando bem, nunca pensei em escrever algo que só fosse vendável...foram só elucubrações de uma pessoas em crise....obrigada , beijos,

Glorinha L de Lion disse...

Manu querida, na verdade eu fiz as perguntas já sabendo de antemão as respostas! E tu, que me conheces bem, sabes bem quais são...obrigada amiga, beijos,

Glorinha L de Lion disse...

Obrigada pelo comentário Irene. Foi um momento de muitas perguntas das quais já sabia as respostas. abraço,

ManDrag disse...

Sobre o escrever o que interesse ou escrever o que agrade, ocorre-me dizer que se escrevermos com verdade e correspondendo à nossa inspiração haverá sempre alguém para quem todo o nosso trabalho faça muito sentido e talvez se revele muito importante.

hahaha morro de rir com a tua descrição de céu e inferno. Eu também adoro churrasco e frango no espeto. Ah, aqueles de televisão de cachorro, são péssimos para a saúde (dizem) mas eu adoro! Já me estou lambendo...

Escreve para ti, amiga, como se trabalhasses uma nova receita culinária; uma pitadinha disto, uma pitadinha daquilo e no fim muitos irão se deliciar com mais uma iguaria inesperada.

Abraços

Glorinha L de Lion disse...

Oi Man, gostou do meu inferno? tb gosto dele...muito mais do que do céu onde deve ser um marasmo só...rsrs Pois é, amigo, sei bem disso....sei o que tenho que fazer, sei as respostas, mas por vezes, as dúvidas nos abatem, beijos, obrigada,