sexta-feira, 29 de julho de 2011

Falemos de Tudo, Como os Loucos...

Sou do tempo em que rosas eram sinal de afeto. Em que as casas estavam sempre abertas para receber os amigos
Não sou de resmungar reminiscências, nem de achar que antes era melhor do que agora. Acho que cada tempo tem seu encanto, cada época, sua graça.
Não sou de recorrer ao passado (não ainda...) para explicar porque o hoje está assim ou assado... Nem de procurar culpados para o que não deu certo ou não brotou. Às vezes, ficamos nos colocando fardos inúteis, procurando culpados, nos culpando por alguma coisa que não vingou.
- A culpa é sempre da mãe! brinca comigo a minha filha, procurando nos velhos chavões de antes, um jeito de mexer comigo quando fala de alguma dificuldade na vida.
Hoje ouvi uma palestra onde o orador dizia que o mundo é feminino e matriarcal porque as mulheres é que detém o poder sobre a continuação ou não da espécie humana.
Verdade absoluta. Pena que nem todas se dêem conta deste poder. Pena também que algumas achem que para alcançar seus objetivos têm que abrir mão da sensibilidade, da feminilidade, da lágrima escorrendo sem motivo.
Eu sou do tempo das rosas, mesmo sendo uma mulher de hoje. E não quero abrir mão delas para mostrar que sou forte ou auto suficiente.
Haverá, no futuro, um tempo de se receber rosas? Haverá quem as presenteie, quem as dê, ou mesmo quem as receba num futuro próximo?
Em tempos robotizados, onde as pessoas preferem um aparelhinho de último modelo do que um abraço ou um beijo, onde não sobra tempo para se pensar na vida ou refletir sobre nossas dores e angústias, haverá quem plante rosas num jardim?
Prefiro imaginar que sim...A humanidade anda desumana demais para o meu gosto. De um lado, fanáticos religiosos, de outro boçais ou medíocres...e no meio, os que como eu, ainda dão valor a um olhar e a um ramo de rosas ou a um belo livro de capa dura...
Talvez eu seja uma espécie em extinção...Talvez eu seja um pouco romântica demais para esses novos tempos...Fiz um post em que falei de vários assuntos e não falei de nada....Falei de rosas e do poder da mulher, da humanidade e da perda do que temos de humano e sensível...
O que resta ao ser humano além do sentir? Será que permitiremos que nos tirem isso também?
Ai, que vontade de apagar esse post...não estou dizendo coisa com coisa... Divaguei, divaguei e não cheguei a lugar nenhum...
Ah, semana passada li que haveria uma exposição no Rio com peças sacras e, entre elas um frasco com o suposto (sic) leite materno da Virgem Maria...O que?
Será que alguém realmente acredita numa coisa dessas?
Voltemos às rosas e ao meu post louco.
Ou melhor, acho bom me despedir antes que eu provoque alguma nova polêmica...
Bom fim de semana pra todo mundo!

37 comentários:

Lúcia Soares disse...

Glorinha, você é uma mulher sensível e romântica, que não deixa que morra em si o encantamento da vida.
Gosto de flores, mas na natureza. Ou em vasos, para que durem e perdurem.
Rosas simbolizam o que há de melhor nos sentimentos.
A sensibilidade das pessoas anda à flor da pele. A realidade atual assusta a todo mundo que tem um pouco que seja de sensibilidade.
Somos anacrônicas por acreditarmos que pele/suor/voz/emoção são muito melhores que tecnologia e afins.
O post de hoje da She é de assustar. Leu?
Quanto à exposição e o leite de Maria, meu Deus! a que ponto se pode chegar, heim? É ter fé demais ou ser idiota demais?!
Bom fim de semana!

Orvalho do Céu disse...

Olá, querida
Tive que rir muito agora pelo leite materno da "pobre virgem"... só rindo mesmo!!! Tem louco pra tudo!!!
Se fazem piadinhas com a própria mãe que dirá com a Mãe dos outros?!
Vou recortar um parágrafo belíssimo seu:
"...e no meio, os que como eu, ainda dão valor a um olhar e a um ramo de rosas ou a um belo livro de capa dura"...
O equilíbrio e o bom gosto acima de tudo...
Um excelente fim de semana com paz interior pra vc e muitas flores sempre, Glorinha.
Bjm

JasonJr. disse...

as vezes o sem sentido pode ser sentido! :D Ótimo final de semana Dnª Glorinha!

angela disse...

minha querida writer, vc é especial! bjs

ManDrag disse...

Amiga, louco é o pormenor do frasquinho do leite. Já tinha ouvido falar desse frasquinho mas não sabia que ele agora estava no brasil. Só podia mesmo!

Quanto a essa matriarcalidade, é biologicamente verdadeira, mas muito longe mesmo da nossa realidade, infelizmente. O nosso mundo sempre foi e continua a ser machista. E mesmo esse discurso é uma cínica tentativa machista de negar com a verdade (na minha terra diz-se: "com a verdade me enganas"). Mas mesmo assim o nosso mundo continua acreditando em rosas. E podes crer que, mau grado algumas mulheres tenham trocado o romantismo pela assertividade e pragmatismo calculista, muitos homens têm assumido um lado mais sensível e emotivo no apreciar da vida. Cada vez se encontram mais homens que gostam de receber flores. Sim, leste bem, receber. Não só de dar flores, mas de receber flores.

Não, o mundo não está perdido... pode andar um pouco enviesado, mas perdido não! Ainda quero ter esperança. (Embora não acredite em leite de virgens ou outras aberrações tresloucadas do género. kkkkk

Olha! Acho que me deixei contagiar pelo teu espírito divagante e também viagem muito longe agora. kkkk

Bom FDS! Abraços com rosas e sem espinhos

Celina Dutra disse...

Glorinha,

Também penso às vezes que o mundo perdeu "a mão". Desembestou para a correria do ter e esqueceu do ser. Sou do tempo do prazer do afeto, da gentileza, do querer bem, do amar. Sou do tempo que um abraço, um carinho, um sorriso aberto, uma carta, um cartão só pra dizer me lembrei de você tinham valor muito maior que uma jóia. Sou feliz porque no meu tempo aprendi que refletir, ser e sentir é o que nos torna mais mulher, mais homem, mais gente.

Grandes Girassóis nos seus dias!
Um abraço com grande carinho
Beijos

Eduardo disse...

Não há nada mais sublime que a emoção e as mulheres possuem essa característica dominante em seu cérebro. Ainda bem que nós homens também temos um pouco, mas não se compara com elas. Assim somos beneficiados quando compartilhamos nossa vida com mulheres de maneira a formar uma combinação perfeita. É bom para os dois.
Quanto ao leite... eu tenho guardado o chapéu do Papai Noel quendo ele esteve em minha casa no último natal. Quem duvidar que venha ver.
Shrek

pensandoemfamilia disse...

Oi Glorinha
Que loucura nada! Rosa, mulher, sensibilidade, mudanças, poder e consumismo , foi um belo entrelaço.
E que nos fiquem a rosas para nos animar.
bjs.

Cristina disse...

Ahh, que bom ler coisas que tenham nada à ver com nada!! existe sempre uma cobrança que temos que saber exatamente do que falamos...na simplicidada das palavras mescladas, muitas vezes se diz muito mais!!
Adorei o texto!! qto ao leite? bizarro!!
Bjs e ótimo fds...

MOISÉS POETA disse...

Olá ,Glorinha !

Achei muito bacana seu blog .
suas escritas são uma delicia de se ler.

bacana também o video abaixo , falando um pouco de voce e do seu amor pela literatura.

virei seu leitor...

um beijo, querida !

Calu disse...

Glorinha,
sou da turma do meio.Gosto de rosas, de livros encadernados, de cartas antigas, caligrafia bonita,cartões, abraços,carinhos, sorrisos.Gosto de gente!
Há esperança, amiga.A turma do meio é bem maior do que supomos,creia-me.
Que as flores embelezem e perfumem teu fim de semana.
Bjkas,
Calu

ju rigoni disse...

Seu post é bem lúcido. Não tem nada de louco. Aliás, nesses dias contraditórios em que vivemos é cada vez menor a distância entre equilíbrio e loucura. Já poucos se lembram que há tanta beleza e prazer nas coisas simples da vida. Não há nada como ver desabrochar a flor em botão. Mas, neste mundo, este sim louco, parece só haver espaço para apertar botões.

Quanto à essa história do leite materno da Virgem Maria... Santa(?) ignorância!

Um beijo, minha querida. E sempre perdoe minha demora. Ando afogada no trabalho, procurando frestas durante a semana para não ter que parar de blogar que é algo que gosto muito de fazer. Bom fim de semana, amiga. Inté!

Beth/Lilás disse...

Oi, Maninhaaaaaa!
Pois eu sou que nem tu, adoro umas rosas, aliás quaisquer flores!
E hoje eu vi umas astromélias maravilhosas, mas acabei comprando azaléias. Inventei umas maluquices por aqui no meu jardim.
E vou ver se arranjo um pouquinho desse tal leitinho pro maridex, pois só ele gosta de leite aqui em casa. hehe
Coisa de doido isso, hein!?
beijos mil e ótimo domingo!

Luma Rosa disse...

Glorinha, posso assinar no final do post? Super adorei!! :-) Mas posso discordar um pouquinho quando escreveu:

"Em tempos robotizados, onde as pessoas preferem um aparelhinho de último modelo do que um abraço ou um beijo, onde não sobra tempo para se pensar na vida ou refletir sobre nossas dores e angústias, haverá quem plante rosas num jardim?"

Me desculpe! Mas a culpa é da mãe (rs*) que não ensinou afeto e educação para essas pessoas grossas que não desligam aparelhos e são impertinentes, deslumbradas, mimadas, sem noção ou seja lá o que for!

"Tudo tem limite exceto o amor de Brigitte"

Bom Domingo!!

manuela baptista disse...

de um tempo de rosas

em que as mulheres têm sempre a culpa e a razão

fazendo girar o mundo!

sabem isso tão bem,
aqueles que as querem subjugar

pois não é por acaso que, por esse mundo fora, as meninas são as últimas a serem alimentadas e proibidas de ir à escola

um beijo

manuela

Glorinha L de Lion disse...

Oi Lúcia, pois eu, adoro receber flores...pena que não as tenha recebido muito nos últimos tempos, a não ser de mim mesma...essas coisas que a igreja inventa são de matar, né? mas tem quem creia que são reais...beijos,

Glorinha L de Lion disse...

OI Rosélia, não é piada não! É uma exposição sacra! Aff...obrigada pelo comentário, beijos,

Glorinha L de Lion disse...

Quantas vezes, né Jason, o sem sentido tem mais sentido? beijos,

Glorinha L de Lion disse...

Obrigada querida Angela...então somos...pq vc tb é...beijos,

Glorinha L de Lion disse...

Amigo Man Drag, adorei tua viagem! rsrs Essas coisas que a igreja divulga como relíquias sacras é coisa de doido...quantos milhões de pregos devia ter na cruz, aliás quantas milhares de cruzes dava pra se fazer com os pedaços do lenho que venderam através dos séculos como se fossem da cruz de Cristo...aff quantas aberrações, isso sim! Adoro homens que gostam de receber flores...e acho lindo mulheres que as dão de presente...felizes dessas que têm ao seu lado homens sensíveis e com um lado feminino....beijão, bom domingo!

Glorinha L de Lion disse...

Oi Celina, muito legal seu comentário...eu acho que o que importa é sentir...isso vem acima de qq outra coisa...e eu tb sou feliz por isso, pq sinto, com intensidade...tudo: raiva e amor, os sentimentos humanos, enfim...e quer coisa melhor do que um abraço, um olho no olho, um cartão cheio de palavras de carinho? São essas coisas que fazem a vida valer a pena, beijão querida,

Glorinha L de Lion disse...

KKKKKKKKK Ai Eduardo, adorei saber que vc tem o chapéu do Papai Noel....deve valer uma fortuna...vende pra Igreja...se bem que eles devem ter alguns espalhados por aí...Ainda bem que há homens sensíveis no mundo! beijos,

Glorinha L de Lion disse...

Obrigada Norma querida...fiz uma mixórdia, né? Mas é que às vezes penso escrevendo....rsrs beijos, bom domingo!

Glorinha L de Lion disse...

Oi Cristina...e não é? É ótimo às vezes divagar e deixar a imaginação traçar as linhas sem muita obrigação de ser coerente...beijos,

Glorinha L de Lion disse...

Oi Moisés, muito prazer! bem vindo ao meu Café! Já fui lá te conhecer...e gostei muito! beijos,

Glorinha L de Lion disse...

Oi querida Calu...e eu não sei disso? Se não fosse dessa turma não seria minha amiga! Coisa linda ter gente assim ao meu lado! Obrigada amiga querida! beijos, bom domingo!

Glorinha L de Lion disse...

Oi Ju, outra amiga que me entende e vê lucidez na minha loucura sã...poetas se entendem...e eu tenho um orgulho danado de ter vc entre as minhas amigas...nem precisa se desculpar, sei como anda a vida de todos, inclusive a minha! beijos,

Glorinha L de Lion disse...

Eca Betita! Dá do teu mesmo...rsrs acho que esse seu comentário ficou meio pornô...rsrsr beijocas amiga!

Glorinha L de Lion disse...

KKKKKKKKK Pois é, Luma, concordo com vc! A culpa é mesmo das mães que não souberam ensinar os filhos a ter educação...e dos pais tb, claro! Mas a mãe tem um peso maior...Freud que o diga...beijos,

Glorinha L de Lion disse...

Tens toda a razão, Manuela querida! Incrível como ainda há disso pelo mundo afora...enquanto ficamos aqui discutindo sobre rosas e leite da virgem, meninas são privadas de se alimentar pra que seus irmãos cresçam fortes...isso em tempos de livros digitais! Que mundo, esse em que vivemos! beijos,

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Afff... do jeito que o clero anda tarado (com tanta notícia de pedofilia, estupro e cia) dá até medo de pensar do que pode ser feito o tal leite hahaha. A padraiada empinando pipa e botando o resultado pra vender, afff q nojo agora me deu hahaha.

Não falou coisa com coisa, vc que pensa, Glorinha. Disse tudo e mais um pouco. ser humano, sem sentir, sem sensação, não é diferente de um pedaço de papel amassado. e pode parecer q não, mas mta gente tá com alma de papel amassado, parece inerte, sem notar o mundo ao redor... vive por viver e acabou.

mesmo que o ofertado não entenda, entregue sempre uma rosa. assim vc faz sua parte, se o outro nao capta a mensagem (ou só olha pro espinho), poxa, que pena... mas não pare de plantar e distribuir suas rosas.


bjs bom domingo

Glorinha L de Lion disse...

KKKKKKKKKKKK Tem quem goste, Alê! Eca, que nojo....E vc disse tudo...é sempre tempo de se ofertar uma flor, ainda que as pessoas não entendam pq estão recebendo. Que a insensibilidade nunca nos atinja. Amém! rsrs beijão querido,

LILIANE disse...

Oi Glorinha...
fiquei aqui perdida em meus pensamentos lendo os seus pensamentos.

E isso é taõ bom, a gente vai se permitindo ir mais fundo da gente.

E me preocupo também com essa geração robotizada.
Ainda gosto de certas delicadezas que eram costumeiras no tempo antigo.

Ainda gosto de flores, de beijinho no rosto, de romantismo....

Ah... mais caí na risada ao ler o comentário da Beth e do AlÊ.

Nossa mãe do céu.
Qualquer dia vai ter dentista vendendo a dentadura de Maria, se é que ela usou.
Af....

e pensar que nisso tudo se perde o essencial, no caso de Maria, mãe de Jesus, foi uma mulher tão incrível.

Eta geração altamente tecnológica e quase toda robotizada.

nusssss... falei pra burro, rs
beijinho no coração.

Lu Souza Brito disse...

Glorinha,

Ando nas divagações como você, mas que apagar o post que nada, isso faz bem, ahahahah.

Experimente voltar daqui um ano e reler este post...

Quanto a exposição sacra, sem comentários nao é?

Eu prefiro sempre um abraço, flores, chocolates a qualquer destas coisas tecnologicas. Também nao me esforço para parecer durona, auto suficiente, perdendo a feminilidade não. Adoro ser mulher, que chora, que desabafa, que prefere Flores a IPhone.

Beijos

Glorinha L de Lion disse...

Pois é Liliane, prefiro as coisas menos robotizadas, beijos,

Glorinha L de Lion disse...

Oi Lu, pra que querer parecer igual aos homens no que eles têm de pior, né? penso como vc, beijos,

Ângela disse...

Glorinha, é por motivos assim que você escreve lindamente, mulher sensível, amante das rosas, da natureza, pelo que conheço, uma pessoal racional mas não menos emotiva e afetiva, se assim não fosse, não escreveria como escreve.

beijos e carinhos.