sábado, 2 de julho de 2011

Um Livro

Sou uma privilegiada por ter amigos tão compreensivos, acolhedores e inteligentes.
Tenho recebido tantos livros bons de presente!
E vindos dos mais diversos lugares. Mas me delicio mesmo é com os que são escritos em português de Portugal. Como escrevem bem os escritores portugueses! Se já era fã antes, agora então, apaixonei-me, definitivamente. Como usam bem a língua e as palavras! Aprecio demais um livro bem escrito, com riqueza vocabular, estilo e uma estória bem contada. Com isto, creio, minha cultura tem crescido consideravelmente nestes últimos dois anos. E só tenho a agradecer, pois não há presente que mais me dê prazer, ultimamente, do que receber bons livros.
Meu filho também tem contribuído muito com meu acervo, pois basta que lhe peça, como ontem, para que já me dê os que pedi. Ele sabe como isto me faz feliz e como meus prazeres têm sido bem poucos nos últimos três anos, acho que esse tipo de carinho e preocupação em me agradar, é a sua maneira de me dizer o quanto me ama. E eu só não o amo mais por tudo isto, porque é impossível amar-se mais a um filho do que o que já sinto.
Pois prazer na leitura é o que vem acontecendo com este livro que recebi de presente e estou lendo agora.
Eu não conhecia sua autora: Lídia Jorge, portuguesa do Algarve e detentora de vários prêmios literários.
Ainda estou pelo meio, mas me encantei com sua escrita e gostaria de citar um trecho que muito me fez refletir:
" Queremos encantar. Queremos vencer encantando, seduzindo....Queremos encantar pessoas, milhares, milhões de pessoas. Queremos ser maiores do que cada uma delas e do que todas no seu conjunto, queremos ter uma habilidade que elas não têm. Queremos entrar-lhes pelos ouvidos, pelos olhos, pelos nervos, pelo corpo todo....Por isso, elas vão ficar paradas, à espera, e nós, na sua frente, seduzindo-as, colando-as aos seus lugares, hipnotizando-as, desvairando-as com o nosso talento...Queremos o mundo...Queremos fazer amor com o mundo...Nós não temos medo das palavras..."

Quem lê esse trecho, do modo como o coloquei, omitindo algumas frases, poderá pensar: Ela fala sobre os escritores, de como querem seduzir seus leitores...Mas não, ela fala da música e de músicos, de cantoras, no caso...mas bem poderia se tratar dos escritores...
Afinal, quem escreve à sério não é isso o que deseja? Ser amado, ser aceito, ser o sedutor, o hipnotizador, pelas palavras? Isto é arrogância, é ser orgulhoso? Não acho. Todos os seres humanos são assim, em maior ou menor proporção. Os próprios blogs, o que são senão uma maneira de chamar a atenção para si, como dissessem: Olhem, estou aqui! Não me deixem só, venham, me façam companhia...?
O que é festejar aniversário de blog, número de seguidores, número de vistas do que dizer: sou bom, sou ótimo, olhem quantos estão vindo me ver? Orgulho? Vaidade excessiva? Carência absurda? Necessidade de chamar a atenção e assim, obter um suposto carinho?
Achei esse paralelo muito interessante e verdadeiro, pois quem é escritor deseja isto, ainda que finja que não. Seres humanos desejam isto, ainda que neguem. Vivemos todos em meio a uma fogueira de vaidades, mesquinharias, gente de valor, outros nem tanto, muitos medíocres...e todos, sem exceção, ainda que façam pose de modestos são, no íntimo, vaidosos ao extremo, carentes de elogios e de fingido afeto. Fingem que não vêem que são usados ou que usam. Dão, procurando receber de volta.
Escritores são vaidosos? A humanidade o é!
Livros me fazem pensar e refletir sobre mim mesma e, a cada vez, chegar mais perto do cerne, da essência do meu eu e do que há no âmago do mundo à minha volta.
Revelam-se, revelando-me a mim mesma.
Revelam-se e me revelam a humanidade, com lente de aumento.

26 comentários:

Marilia Marques disse...

Ola boa tarde, vim do lado de lá do Oceano para lhe dar um carinho e para dizer que passo por aqui algumas vezes.
Sou "seguidora" à uns tempos mas não costumo deixar meu registo.
Hoje estou aqui só para lhe contar que me seduz a sua maneira de escrever e para lhe deixar o meu afecto e o meu simples mas sincero abraço.

Marília Marques
armazemdepaixoes.blogspot.com

Glorinha L de Lion disse...

Pena Marília, que não deixe comentários...sinal talvez que não goste tanto assim do que escrevo...Está vendo, como todos desejamos mesmo ser afagados, cultuados, elogiados? Sem sentir, lá fui eu deixando minha carência aparecer entre as linhas....Somos todos, demasiado humanos para querermos ser deuses...Ou seremos todos deuses pensando sermos meros homens? rsrs beijos, querida, obrigada pela visita,

Marilia Marques disse...

Beijo Grande Glorinha e obrigado pelo carinho e pelo afago lá no meu Blog...


...e gosto SIM, da maneira como escreve. :-)

Marília Marques

Glorinha L de Lion disse...

Obrigada Marília, senti-me verdadeiramente afagada com tuas palavras, beijo grande, bom domingo!

Calu disse...

O que dizer??Do livro: me despertou a curiosidade em tê-lo, lê-lo.Da reflexão:me aguçou a visão, a audição, a conclusão que estou de acordo sim com tudo o que escreveu, Glorinha.
Somos todos carentes de afetos desde nascença.Queremos ser afagados, aplaudidos, queridos, aceitos e tudo o mais.Uns em menor escala outros nem tanto, mas todos(as) buscam reconhecimento.
Imagine qual não foi a satisfação dos homens das cavernas que conseguiram levar o fogo aos seus iguais.Como devem ter sido aplaudidos( do jeito deles) e como se sentiram os maiorais.
È isso mesmo amiga,sem dolo, sem hipocrisia, alimentar uma vaidadezinha faz um grande bem.
P/ vc um domingo de muito sol.
Bjos mil,
Calu

Vicky Doretto disse...

Adorei esse trecho que você colocou... Você disse que fala de música, mas.. bem... escritores sempre nos seduzem então... rs cabe perfeitamente (: rs E sobre escritores serem vaidosos... bem, não sei... >.< rs, mas todo mundo gosta quando alguém le e comenta né? rsrs
BJão, obrigada pelos coments no A Lua, me sinto com dor no coração, toda vez que não consigo passar aqui =^.^=

o mar e a brisa do prazer de aprender disse...

Os amigos e os livros são presentes de Deus para nós. Gostei do que li aqui, vou voltar. Mil bjs

manuela baptista disse...

como portuguesa, sinto-me feliz com a sua descoberta de Lídia Jorge

mas eu, pequenininha, foi pela mão de José Mauro de Vasconcelos

que fiquei a saber que não era a única a falar com as árvores!

um beijo

manuela

R. R. Barcellos disse...

É uma via de mão dupla: se quero ser seguido, visitado, comentado, devo comentar, visitar e seguir. Se quero seduzir, devo permitir que me seduzam. Se o meu melhor instrumento é a escrita, devo dar valor a quem sabe ler.
E assim a vaidade e o egoísmo se transformam em amizades, em auto-estima, em valores gregários, e a gente cresce.
Abraço, Glorinha,

Alexander disse...

Olá, Glorinha!

Concordo em reconhecer como é bom quando se usa bem as palavras, o estilo, as ideias. Alguns escritores são mágicos, levam-nos a lugares, às vezes, nunca vistos ou sentidos. Vou me ater mais aos escritores portugueses, conheço poucos.

Grato pela dica!

Abraços!

Glorinha L de Lion disse...

Amiga Calu, uma das coisas que mais gosto em vc é a sua inteligência e o poder de saber ler nas entrelinhas...isso é difícil de se encontrar nos dias atuais, minha amiga, sabe disso tão bem quanto eu!
O livro é ótimo, estou adorando. Quanto à essa vaidade poucos são capazes de reconhecê-la em si....é muito mais fácil apontá-las, como defeito, no outro....beijos querida, bom domingo!

Glorinha L de Lion disse...

Claro Vicky, é disso que falo tb! Todo mundo quer ser gostado, acarinhado e afagado. Acho meio patológico é quando passa das raias da normalidade e se exacerba, levando ao exagero, mas quem tem esse tipo de sóciopatia não a reconhece em si, só nos outro....beijos,

Glorinha L de Lion disse...

Obrigada por sua visita Mar e Brisa, beijos,

Glorinha L de Lion disse...

Manuela querida, me fez lembrar agora de uma parte feliz da minha infância: ler o Meu Pé de Laranja Lima marcou minha vida profundamente, acho até que me fez melhor como ser humano...livros têm esse poder, não acha? Adorei saber que fala com as árvores...e eu, com os micos....rsrs beijos,

Glorinha L de Lion disse...

Concordo com tudo Rodolfo, só acho que nada na vida pode virar obrigação, pois senão o prazer deixa de ser prazer para ser satisfação aos outros. Nesta altura da vida, meu amigo, só devemos fazer o que desejamos e o que nos dá prazer...a troca, vem por consequência, ou não. Mas a vaidade, estará sempre lá, meio disfarçada até, mas ainda assim lá, nalgum canto....beijinhos, bom domingo,

Glorinha L de Lion disse...

Oi Alexander, escritores portugueses são o máximo. Acho que atualmente, não há melhores. Beijos, bom domingo!

manuel marques disse...

Há em ti algo que me fascina,a maneira como poes as cartas na mesa é
fantástica,chegas aos outros pela maneira como escreves,o mérito é apenas teu.

Abraço.

casos e acasos da vida disse...

Eu fui sempre muito seduzida pelos livros, eles foram desde sempre a minha compra prioritária! Primeiro sempre estiveram os livros, muitos foram comprados em segunda mão, porque eram mais baratos, o que eu queria afinal era ler!
Obviamente que todos nós, em qualquer situação procuramos o agrado das pessoas, por vezes também são muletas que nos ajudam a ir subindo a escada!...
Minha querida muitos beijinhos,
Manú

Glorinha L de Lion disse...

Nem sei o que te dizer depois desta amigo Manuel, não sei se choro ou se sorrio...talvez os dois? Beijos enormes...é bom saber-me compreendida...olha a carência falando....rsrs beijos,

Glorinha L de Lion disse...

Manu, minha amada, pois pra mim, livros sempre foram prioridade tb! Aqui no Brasil só há bem pouco essa coisa de livros de sebo passou a ser visto com melhores olhos. Eu mesma, tenho minhas restrições. Gosto do livro cheirando a novo, que ninguém ainda tocou...e, como sabe, anoto nas páginas as minhas ideias e conclusões...por isto meus livros se tornam itens muito pessoais...que blog é esse? Mudou de nome? vou lá espreitar o que houve com o Light! Beijos, muitos!

Cantinho She disse...

Muito legal! Adorei a dica e o post! Ganhar livros é sempre muito bom! Beijo, beijo e excelente semana Glorinha! ;)
She

Paula Moraes disse...

Hoje estou aqui para dividir a minha alegria... Obrigada!
100 seguidores...Como gratidão e com muito carinho fiz um selinho comemorativo...=)
Passe quando quiser e puder para pegar o que já é seu...<3
Mesmo que não colecione passe lá para vê-lo
Bjs e boa semana

Glorinha L de Lion disse...

Nossa, pra mim, She, são o melhor presente! beijos,

Glorinha L de Lion disse...

Parabéns Paula, no início a gente se empolga mesmo com essas coisas...é legal saber, depois vc vai ver que isso não quer dizer nada, pois alguns só colocam a carinha lá por gentileza ou para serem seguidos tb! mas é empolgante no início da vida blogueira, beijos,

Lu Souza Brito disse...

Oi Glorinha,

Ela fala da sedução com a música, mas sim, poderia bem ser com as palavras. Porque livros e escritores realmente nos seduzem (ou repelem) com suas palavras.

E quanto a vaidade, ahhh e quem não a tem? Eu sou vaidosa, você Não? Eu gosto de receber elogios, você não?
Mas confesso que são as críticas que me faz rever opiniões, me leva a auto analise.
E discordo quando diz que queremos fingido afeto. Eu quero afeto verdadeiro, ou nada.
Fingido afeto eu dispenso, de verdade.
Claro que muitas vezes percebemos quando alguém se faz de afetuoso conosco sem o ser de fato, mas este acaba se tornando insignificante, indiferente.
O contrario acontece quando vem de alguém que mesmo que você conheça apenas virtualmente, voce SENTE que aquelas palavras, aquele carinho, aquele elogio sao verdadeiros.
E a gente sente, não é???
Um beijo.
Lu

Glorinha L de Lion disse...

Eu sou Luzinha, tudo isso e muito mais! Nunca neguei nada do que sou...tb prefiro nada do que a falsidade. Prefiro a verdade sincera ainda que doa, do que a mentira falsa, escorregadia, pegajosa dos falsos amigos...Tô com vc Luzinha e não abro! beijão querida, de verdade...rsrs