quinta-feira, 21 de julho de 2011

O Homem Que Esqueceu Como Sonhar.

Chegou exausto de mais um dia de trabalho. Abraçou a mulher, demoradamente, para espanto dela. Estava especialmente carinhoso naquela noite.
Enquanto a abraçava, pediu perdão pela vida que vinham levando, pediu seu perdão com os olhos marejados.
Ela olhou e viu:
Aquele já não era mais o jovem por quem se apaixonara um dia. Era um homem de meia idade, cansado, exaurido, sem perspectivas. E ela sabia porque:
Ele deixara de sonhar. Seus sonhos foram ficando para trás, um a um, foram deixando de existir, como quem vai tirando uma peça de roupa, todos os dias e, um dia, se está nu. E percebe que não sobrou nada além de si mesmo, de seu corpo gasto e de um olhar vazio e sem esperança.
Ela o abraça, por piedade. Não diz nada, pois sabe que ele tem razão. Talvez ele desejasse ouvir uma palavra de consolo, uma negativa, mas não. Ela não tem o que dizer.
O que dizer a alguém que abriu mão de seus sonhos? Que deixou que os levassem, os tirassem dele?
O carro sonhado foi-se, os planos de conhecer o mundo foram-se, as coisas comezinhas, para manter a chama acesa, como um jantar fora, só os dois ou um fim de semana na praia, sozinhos, tudo foi-se. Não havia mais sonhos para aquele homem sonhar. E não havia nada que aquela mulher solitária pudesse fazer para trazê-los de volta para ele.
Duas solidões vivendo juntas. Cada um no seu mundo. Ele, num mundo técnico, de números, trenas, cimento e tijolos. Ela, no mundo da casa, da família, dos filhos, procurando manter, aos trancos e barrancos o lar que haviam construído um dia.
Mas ela tinha seus sonhos, jamais abrira mão deles. Eles a mantinham de pé, embora, por vezes, a vida teimasse em dissolvê-los, frágeis que eram, como nuvens, num só sopro. A realidade, muitas vezes se sobrepunha aos sonhos e os dissolvia como poeira e, ainda assim, ela conseguia enxergar na poeira brilhante, as purpurinas indo embora, com o vento. Mas, não se lamentava, pois, depressa, construiria outros, afinal, era mestra em construir sonhos, em sonhar dormindo ou acordada. Precisava deles para respirar e poder seguir. Eles eram seu alicerce e seu tijolo. Eles a faziam levantar-se todas as manhãs. Seus sonhos, só a eles ela possuía de seu, agora.
Mas como ensinar alguém a sonhar? Como fazer com que o marido buscasse dentro de si os sonhos, os desejos  de antes? Tudo o que esquecera e deixara que se fosse?
Fechou os olhos e tentou dormir, com um grande nó na garganta, uma vontade de chorar sem tamanho. Mas pensou que logo dormiria e que sonharia a noite inteira enquanto que o homem triste ao seu lado, roncava um sono de uma vida sem sonhos...
Amanhã, quem sabe?

29 comentários:

manuel marques disse...

O que começa por ser um sonho e felicidade, acaba em amargo destino...

Beijo.

Glorinha L de Lion disse...

Assim é a vida para muitos...castelos desfeitos...beijos,

JasonJr. disse...

Eu sou jovem ainda mas tenho minha noção dessa perspectiva que você traduziu no seu texto ( e eu adorei ele DnªGlorinha, são coisas que conversamos as veses com amigos e torna-se interessante o ponto de vista de cada pessoa) e por incrivel que pareça é uma regra, as pessoas esquecem do "divertimento", nem que seja para passar um dia em casa com os familiares todos juntos assistindo um filme no meio daquela bagunça entre pipoca, pizza e refrigerante(é um exemplo BEM básico mas pode-se notar que é uma coisa dificil hoje em dia) e por incrivel que pareça constituir uma familha é um dos maiores sonhos de uma pessoa (acredito eu), as obrigações tem aquele fator dominante... é a vida seguindo seu ritmo normal por cada pessoa.
Um Super Beijão!

Glorinha L de Lion disse...

OI Jason, legal essa noção que vc tem de família, dos pequenos prazeres, de todos juntos assistindo à um filme...só que os sonhos de que falo no conto, são outros...São os sonhos que nos fazem viver....Quando os perdemos para a vida, nem ela sai ganhando, nem nós, beijos, obrigada,

Manuela Freitas disse...

Olá querida Glorinha,
Este «conto» de facto é bem ilustrativo! Há situações em que os sonhos se tornam ridículos, para as pessoas mais realistas, mas o sonho é bem a maneira de driblar essa realidade que em determinado momento e os momentos podem ser longos desincentiva a qualquer sonho...mas sonhar é um antídoto ao veneno da realidade...para mim a vida sem sonhos não é nada!
Beijinhos,
Manú

Lu Souza Brito disse...

Glorinha,

Muita gente deixa de sonhar e nao percebe. Os fracassos no decorrer da vida, as desilusões, as cobranças, isso vai minguando a força, a coragem, o entusiasmo e com eles, os sonhos.
Quando se vê, vive-se no automatico: acordar, comer, trabalhar, voltar para casa, ler o jornal, falar coisas amenas que nao resulte em reflexão, dormir e assim passam anos e anos.
Conheço muita gente assim.
A verdade é que nos precisamos alimentar nossos sonhos diariamente, para que eles tambpém nos alimente a vida, de cor a ela, nos traga determinaçao e perseverança.
Se eu inumerasse quantos sonhos ja deixei morrer, outros que vem e voltam (sinal de que ainda nao morreram, apesar de estar distantes). Outros que parecem nao ter a menor probabilidade de se tornar real, mas eu teimo, chego lá.

Amanhã, quem sabe, não é?
Beijos

Macá disse...

Glorinha
Que conto lindo (acho que vou sonhar com ele).
Uma pessoa sem sonhos é uma pessoa totalmente vazia.
Eu sonho e sonho muito. Sonho colorido, em preto-e-branco, sonho repetido; vale tudo, desde que eu sonhe e consiga transformar muitos em realidade.
Olha, li a resenha que a Jussara fez do seu livro. Não podia estar melhor. Está excelente, como alguém que ama ler e falar sobre o que foi lido.
um beijo

Glorinha L de Lion disse...

Oi Manu querida, quem não sabe sonhar, com o passar do tempo se vê nu, como o homem do meu conto...tristes destes que desaprenderam a sonhar...beijos amiga querida,

Glorinha L de Lion disse...

É verdade Luzinha...quantos vão se perdendo dos sonhos pelo caminho ou perdendo seus sonhos pela realidade dura e cruel da rotina, da luta pela sobrevivência...Sem sonhos, eu não consigo viver. É difícil para mim compreender que não sonha ou deixou de sonhar...beijos querida,

Glorinha L de Lion disse...

Oi Macá querida, já fui lé, li e agradeci. Ficou lindo mesmo! E fiquei muito prosa por ter sido feito por uma pessoa que tb adora ler!
Eu tb, minha querida, só consigo viver pq sonho...se tirassem meus sonhos de mim, morria na hora! beijos,

JasonJr. disse...

...na verdade foi um exemplo pra não expor coisas que guardamos dentro de nós que a "obrigações destroem) digamos assim...

Glorinha L de Lion disse...

Entendi Jason, obrigada, beijinhos,

Beth/Lilás disse...

Cara amiga, esta pessoa do seu conto que sonha é por que guarda a tal esperança em seu coração, pois o destino de um ser humano depende do tamanho de seus sonhos, todos já lemos isso, mas é a verdade, pois aqueles que adotam posturas derrotistas do tio "É Deus que assim o quer" ou "isso é por que eu tenho que passar por isso para purificação da alma e do espírito", me desculpem os crentes nesta teoria, mas é mesmo pura balela, talvez uma forma de se esconder da realidade com este tipo de 'sonho', dos medrosos e daqueles que não tratam o sonho como um objetivo a alcançar.
beijocas cariocas

Glorinha L de Lion disse...

Tem razão Betita, somos sim, do tamanho dos nossos sonhos...e pobre de quem deixou de sonhar seja pelo motivo que for...Conheci uma vez uma amiga que me disse que não tinha sonhos...hj ela os tem. Não sei se foi mérito meu mostrar-lhe que é preciso sonhar ou se ela era quem tinha e não se tinha dado conta deles...Enfim, como diz a canção: sonhos não envelhecem e graças a eles nos mantemos de pé quando tudo parece cair à nossa volta. Pode ser o sinônimo de esperança. Beijocas,

Beth/Lilás disse...

haha
Foi mérito sim, cara amiga.
Mas, agora ando sonhando tanto, inclusive dormindo, que não escuto nem a faxineira quando chega.
Hoje, a pobre coitada só entrou às 9, disse que tocou a campainha às 7:40 e ninguém a atendeu.
Eu estava sonhaaaaaaaando! hehehe
beijocas cariocas

ManDrag disse...

"Duas solidões vivendo juntas." E há tantos casos por aí... Eu conheço muitos, infelizmente. Este nosso mundo está enfermo de tantos filhos do desalento.

O abandono dos sonhos é a mais vil das mortes. Viver sem sonhos é existir como morto-vivo. É abandonar a essência humana: o intelecto.
Se ainda vivo é porque me agarro frenética e febrilmente aos meus sonhos. Tudo o resto já ficou pelo caminho.

Abraços, amiga

R. R. Barcellos disse...

Para cada sonho realizado, é preciso criar mais dois, para continuarmos a viver. Abraços.

Glorinha L de Lion disse...

Então valeu de alguma coisa falar tanto de sonhos contigo! Ainda bem....rsrs beijos Betita,

Glorinha L de Lion disse...

Então caro amigo Man, estamos iguais...todo o resto já ficou pelo caminho, menos o sonhar...beijos

Glorinha L de Lion disse...

Não sei se dois ou mais, ou apenas um me basta, amigo Rodolfo, desde que sonhado com intensidade e crendo na sua realização...beijos,

Anabela Jardim disse...

Jesus!Conheço bem uma situação assim no mundo real. Parece que estou lendo o vi e ouvi ...

Isadora disse...

Oi Glorinha!!! Como são importantes os sonhos. Eles nos movem e são eles também que fazem com que nossa vida ganhe cor. Sonhar nos faz ir adiante.
Beijos

Celina Dutra disse...

Coloquei-me no lugar dos seus dois personagens... um seco, a outra fantoche sem rumo, pois sonhar sem tentar realizar os sonhos é contemplar e se deixar conduzir... muito tristes os dois!

Girassóis nos seus dias!
Beijos

Glorinha L de Lion disse...

Oi Anabela, há casos assim ao nosso lado. Há casos assim na família, há casos com amigos, enfim, é só olhar pra ver...beijos,

Glorinha L de Lion disse...

Também creio nisso Isadora! E como! Beijos,

Glorinha L de Lion disse...

Engraçado como cada um interpreta de um jeito o que a gente escreve! Quantas visões diferentes esse conto teve, inclusive a sua Celina! Também é válida a sua leitura. Pobres coitados...mas creio que a mulher, bem ou mal, ainda crê e tenta realizar os seus...beijos,

Socorro Melo disse...

Olá, Glorinha!

Que conto mais lindo! Achei tão interessante esse tema que você abordou. Nossa, não consigo imaginar uma vida sem sonhos, deve ser muito pesada mesmo, né? Espero, que a cada amanhecer, possamos cultivar nossos sonhos, e os que forem roubados, que nós possamos colocar outros novos no lugar, como a obstinada mulher do personagem. Excelente, amiga! Quero muito o seu livro, estou apenas deixando passar uma fase financeiramente apertada, kkk viu?
Por esse conto, fico imaginando o conteúdo do livro.

Beijos e bfs
Socorro Melo

Glorinha L de Lion disse...

Obrigada Socorro, é difícil mesmo imaginar uma vida assim, mas às vezes há gente ao nosso lado que vive, ou sobrevive assim...Te entendo amiga, fica à vontade, quando puder vc compra, beijos, bfs tb!

CV Love disse...

Descobri o sue blog por acaso, o melhor um Felix acaso, Sao muito bonitos os sues post.