segunda-feira, 28 de março de 2011

Desplugando...

Há dias em que estou assim, como hoje. Vontade de desligar todos os botões que me ligam à vida fora de mim.
Cansaço. De ter que ficar dando explicações, as mesmas, milhares de vezes. De ter que responder às mesmas coisas e me sentir falando para as paredes. Porque não entra na cabeça das pessoas que existam outros modos de ver e enxergar a vida. Não, só seus mundinhos medíocres, massificados, bovinamente aquiescentes, moralmente aceitáveis de ver a vida é que servem.
Não vou me justificar mais um vez, visto que já falei tantas e tantas vezes sobre o que penso e creio.
Mas às vezes sinto um cansaço....às vezes vem uma sensação frustrante de que falo grego.
Meu mundo é um vulcão em erupção. Não tenho como explicar à maioria das pessoas o que se passa dentro de mim. Sou uma bomba relógio. Penso tanto que chego a doer por dentro. Minha cabeça dá verdadeiros nós de marinheiro, daqueles que não há quem consiga desfazer. Às vezes penso que enlouqueço. Às vezes penso em desistir de tudo. Porque não vale a pena. A solidão acompanhada é a pior das solidões. Não se fazer entender é pior do que ser mudo. Ouvir baboseiras e ter que responder a elas me mata aos poucos. Nesse caso é melhor ser burro, ignorante, cego, surdo.
Não tenho como explicar o que sinto. Não sei fazer isso. Nem eu mesma me entendo na maior parte dos dias.
O desânimo toma conta de mim. Não tenho nem quero ter que ficar dando explicações. Assim como não entro no espaço de ninguém para ficar dissertando sobre meu modo de ver a vida ou as questões de fé. Escrevo aqui o que penso, o que quero. E exijo que me respeitem. Mas vejo que é pura ignorância essa falta de respeito ao pensar do outro. Sei que a intenção não é má, embora desrespeitosa.
E não é só no que tange às religiões. Também no campo das ideias sinto que não atinjo meus objetivos, muitas e muitas vezes. Ser compreendida, me fazer compreender é uma batalha diária, pois a maioria, vê apenas o raso, o que está à tona de mim.
Sou exigente. Sou uma pessoa que exige demais do outro, eu sei.
Mas ando cansada, até disso. Desta constante exigência que não leva a lugar algum.
Hoje, queria me desplugar e ficar uns dias fora do ar. Pode ser que amanhã eu mude de ideia, mas hoje quero ficar só em minha turbulenta companhia.

PS- Segunda é Dia de Poesia está no meu outro blog.

20 comentários:

Calu disse...

Foi um desabafo necessário. Se vc voltar a fita de tuas experiências vai lembrar-se que já viu este filme outras vezes, em diferentes cenários e atores.
Ao meu ver, uma atitude precisa na heterogeneidade é a de respeitar os diferentes pontos de vista, a cultura particular e social de cada um. Objetivo que ainda levarão séculos para serem alcançados.
O constante movimento das ondas nas pedras ocasiona desenhos, fissuras, rompimentos e cansaço.Mas o processo educacional tem essas características reconhecidamente cansativas.
Como vc, Galileu, Giordano Bruno e outros expoentes da mudança de visão homogênea, sofreram com a incompreensão de suas prerrogativas.
Fica triste não.A constância é trabalhosa, mas tbém dá bons frutos.
Uma linda semana e até 4ª feira.
Bjinhos,
Calu

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Glorinha... a situação é complicada.

Pq muitas vezes até pra gente se entender é difícil, o que dirá o outro nos entender...

quase sempre qdo escrevo eu sinto o que vc falou, de que falei "a", mas leram "b". Infelizmente a compreensão passa muito mais pela experiência de cada um do que o que se é transmitido.

E com certeza eu tb leio muitas vezes "b" quando escreveram "a"...

complica tb que muitas vezes esquecem ou nos esquecemos de que um blog nada mais é que um registro da opinião de quem escreve, a gente quer porque quer enfiar na goela alheia o nosso jeito de pensar. ai o conflito e o desgaste se arma, dá cansaço mesmo.

Qdo vem esse cansaço, se dê um descanso... mesmo que breve. despluga, descansa um pouco a mente...faça uma coisa diferente, saia para caminhar, leia... não sei...mas despluga sim.
bjs

Nane Cabral disse...

É sempre bom desabafar e extravasar certos sentimentos. Beijos e uma boa semana! Nane www.vovoqueensinou.blogspot.com

Macá disse...

Glorinha
Ia escrever mais ou menos isso que o Alexandre escreveu.
Mas sabe porque essas coisas acontecem? Pra você nos premiar com um texto tão bonito como esse. Triste? sim, mas bonito e profundo.
E desplugar de vez em quando, é bom sim.
Quando você sentir essa necessidade, desligue o ON. Fique em OFF o tempo que achar necessário e volte com a pilha toda para nós, seus fiéis leitores.
um beijo

Ana disse...

Desabafar é bom...

Diria pra vc acrescentar um pouco de bom humor nas suas elocubrações. Ou senso de humor. Não levar tudo tão à sério.

A vida pode ser leve. Depende das nossas escolhas.

Mesmo na pior crise, sempre é possível manter o otimismo e a fé.

Beijo!

Beta disse...

Realmente... às vezes bate uma canseira sem começo nem fim...
Só resta esperar passar né?

bj

claudete disse...

Glorinha só posso te dizer o óbvio : não desista de você! Nós somos o que queremos ser e ninguém pode nos impor nada é só não deixarmos permissão para isso , opinião se dá quando se pede é diferente.Desplugar é bom ,comprometer-se sim, sentir-se pressionada para isto Não! Bravos pela sua coragem de desabafar.

Cucchiaio pieno disse...

Amiga
Espere que esse sentimento passe, pois tantas vezes você passou por isso aqui no blog, nao é mesmo! Achei até teu desabafo mais ameno que os primeiros, lembra? Hehehe.
Gosto d+ do teu jeito.
Bjos de quem te ama
Léia

Gilmar Morais disse...

Eu compreendo perfeitamente, Glorinha, seu grito e concordo com Calu (o primeiro comentário acima).

Eu optei por tentar compreender a fala do outro como uma possibilidade de diálogo, posto que, quem lê tende a apossar-se do texto lido. Assim, deixei registrado no meu blog: "Os comentários têm a função precípua de precipitar a maturação da reflexão, do texto “apossado”. É um ponto de partida, sem o ponto de chegada. É o exercício da empatia no rompimento do isolacionismo, posto que, tudo está conectado. É a sua fala complementando a minha. Por isso mesmo não haverá réplicas aqui. Prefiro visitar o seu espaço, saber sua fala e lá comentar: concordar, discordar, acordar..."

Enfim, ainda assim, por vezes há uma teimosa vontade de também "desplugar-me"...

Meu carinho, Glorinha!

Beth/Lilás disse...

Ô maninha, a gente te entende, quer dizer, mais ou menos, pois cabeça de escritor é assim mesmo, complicaaaaaaada!

"MaIs, o pobRema é que os analfabetos funcionais vão aparecer sempre e aí só mesmo coelhadas daquelas numa hora dessas." Fala sério, menina, como tu atrai malucos! kkkkkk

um beijinho

Nilce disse...

Oi querida

Despluga mesmo.
Há momentos que dá vontade de mandar tudo à m.
E continuam insistindo em nos enfiar o que não queremos. Somos livres para pensar e adotar o que quisermos, mas como fazer-nos entender? Cansa mesmo. É muita insistência. Ui, como cansa.
Dê esse tempo hoje para não explodir, e amanhã ou depois você volta com tudo.
Fique bem amiga.

Bjs no coração!

Nilce

lolipop disse...

Querida Glorinha
Por vezes, tentar que os outros nos entendam, é tão complicado como acreditar que podem nascer flores...em cima dum vulcão...

Beijos e ternurasssssssssss

Isadora disse...

Oi Glorinha entendo o que você escreveu e justamente por ser exigente com você mesma e com os outros, é que muitas vezes é preciso se explicar. Como se fosse uma forma de fazer o outro apenas entender o seu ponto de vista, e, infelizmente, muitas vezes chovemos no molhado, pois as pessoas só querem entender aquilo que as interessa. Para muitos é difícil sair da zona de conforto e questionar.
Não fique triste! Eu detesto ter que me explicar, e na maioria das vezes não o faço, simplesmente.
Um beijinho

ju rigoni disse...

Glorinha, a situação por aqui está tão difícil que nem sozinha, "em minha turbulenta companhia", consigo mais ficar. Ando enfrentando sérios problemas por conta da saúde de mamãe, e preciso fazer um esforço enorme para desplugar-me, conseguir um tempinho só para mim. Sabe quando a gente tem aquela sensação de um dia que nunca mais terminou? É por aí...

Bjs, querida. E inté!

William Garibaldi disse...

Estás tão a frente de seu tempo! Glorinha! Gênio é assim! Est'
a a frente e atrás ao mesmo tempo! A Humanidade está atrás e ele na frente o que é pior! Quase confundo-me com isto!

Solidão é ser sábio...!

O ignorante é mais feliz... quem não vê seu coração não sente, não é mesmo!...
E nós somos dois teimosos... continuamos a jogar rios de pérolas aos porcos!...
Que beleza de texto... é impossível nào ver como você escreve belamente...

"massificados, bovinamente aquiescentes" eles não te compreendem minha cara...

Mas sabes bem que tens amigos, e outros pretensos feito eu... ^.^ que ouvem de verdade a sua alma!
Confia!

Mas se precisar... desplugue um pouco.. faz bem!

Beijos de Luz Amiga!

...............................

Agradeço seus elogios...
eu aprendi bastante do Blogar... com vc ! Sabe disso né! *.*

Regina disse...

Glorinha!
Te entendo também como muitos outros.
Mas, gostaria de te dizer que seus posts são sempre muito importantes para mim. São sempre muito sinceros e lindos! Não sei se isso altera seu sentimento de desplugando!
abraços
se dê o tempo que te fizer melhor!
beijos

Malu Machado disse...

Glorinha com G !

Quando ninguém nos compreende, é melhor mesmo dar um tempo. Ou dar um grito. Quem sabe a pessoa acorda?

Bjs,

orvalho do ceu disse...

Olá, querida
Despluguei 7 dias... amanhã vou postar sobre... com fotos...
Valeu a pena... pois alivia a loucura que é viver bem vivida a vida!!!
Bjs do campo pra vc e excelente semana.

Lívia Azzi disse...

Ah, Glorinha!

Nisso eu também te entendo!

Quantas pessoas escutam mas não sabem ouvir, vêem mas não sabem enxergar!! Olham para uma pedra e vêem apenas uma pedra, "a pedra que Drummond olhou virou poema", diria Rubem Alves.

Quantas não sabem ler, tomam um caminho, um atalho desacertado que não dá em lugar algum. Quem leu e não entendeu é porque não sabe acompanhar a direção que as palavras apontam, não sabem abrir a janela da alma para as palavras entrarem e voar junto com elas em pensamento. O vôo, para valer, tem que ser alto! Infelizmente, tenho que concordar com aquele o dito popular "não dá para voar como águia em terreiro de peru", sinto que seu desejo de desligar esteja relacionado à vôos mais altos...

Outras vezes, ocorre das palavras se chocam com os limites da linguagem...

"O que se quer dizer está sempre lá fora, além das palavras" (Luiz Fernando Veríssimo)

Beijos e carinhos de quem gosta de voar bem alto com seus escritos...

Glorinha L de Lion disse...

Obrigada a todos os queridos que passaram por aqui me dando apoio, me compreendendo como podem. Concordo com muito do que foi dito, mas cada um sabe "a dor e a delícia de ser o que é", já diz a velha canção. Difícil explicar para o outro o que nos vai na alma, quem somos de verdade, falar do sofrimento indizível pelo qual passamos e que não há bom humor que dê jeito. Viver, há que se viver, essa é a única saída possível, beijos a todos e minha gratidão,