segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Um Brinde À Vida!

Foto Françoise Weeks
Confesso que estou cansada dessas datas, na maioria das vezes, puramente comerciais, outras vezes religiosas, mas sempre, idealizadas e criadas pelo homem...
Por que tem que ter um dia dos mortos?
Por que as pessoas não se lembram deles nos outros dias?
Claro que não...quem já perdeu um ente querido, um amigo, um pai ou uma mãe, certamente, pensa neles quase todo dia...
Esse culto à morte me incomoda...as religiões, em geral, cultuam essa morbidez. Basta ir visitar as grandes catedrais da Europa que sempre tem as tais "relíquias", que são supostos pedaços de ossos de algum santo, um dedo embalsamado de uma santa, uma cabeça de outra...Mórbido e bizarro...
Desde pequena, sempre achava, que se o corpo se deteriorava e virava pó, então é porque nada restava do corpo que um dia amamos...então pra que levar flores, ir à cemitérios etc, etc ?
Não estou, de jeito nenhum, dizendo o que as pessoas devam fazer ou não...que façam o que lhes dá vontade, o que lhes consola de alguma forma, mas objetivamente, as pessoas realmente acreditam que adianta alguma coisa ir a um cemitério, colocar flores num lugar que não tem mais nada?
Bem, espero que ninguém se sinta ofendido por esse meu desabafo, mas não seria muito mais bonito, lógico e alto astral celebrar a Vida e não a morte?
Lembrar da vida que todos os que já se foram viveram? Lembrar do seu sorriso, lembrar da sua voz?
Não seria muito mais saudável, muito mais prazeroso, se a homenagem aos mortos, para quem sente necessidade disso, fosse brindar à Vida?




7 comentários:

Silvana disse...

Oi querida...

Eu não sei, mas como desde criança ia ao cemitério com a minha avó Maria Eugênia, passei a gostar dessas datas.

Ela ia e nos levava, eu ficava um tempão lendo as placas, vendo as fotos e observando o cuidado da minha avó com o túmulo da minha irmã: limpava com esmero, varria, conversava, orava,acendia velas (ela era católica fervorosa).

Assim como o homem necessita da igreja para a a comunhão com Deus, eu necessito ir lá para ter um momento meu de saudade, de estar "próximo do coração do meu pai".

São fatores psicológicos, claro (assim como a eucaristia, a benção da água, ou o que for).

Mas eu adoro a definição de um escritor maravilhoso, que escreveu um livro incrível: O Poder do Mito. Seu nome era Joseph Campbell e foi consultor de George Lukas para filmes como Guerra nas Estrelas.

Ele dizia o seguinte: a igreja e os túmulos tem a função de nos centralizar, de nos colocar no eixo do que é considerado "normal".

Orar e matar saudades de um ente é uma tentativa, que pode se concretizar ao não, de vc fazer ajustes em sua vida, de se perdoar, de se dar uma segunda chance, de se focar adiante, de se lembrar e de dar uma pausa em sua vida corrida. Essa pausa de comunhão é revigorante para o homem.

Eu não tenho religião formal, mas acredito piamente que essa função se cumpra, do contrário não haveriam tantas igrejas.

E eu percebo isso em mim qdo vou ao cemitério: posso até voltar triste e saudosa, mas saio de lá fortalecida de alguma forma, com uma sensação boa de ter feito a coisa certa, de ter ido lá desabafar...

Vale a pena vc ler esse livro. Tb tem o documentário, que é excelente... Ele desvenda e põe abaixo religiões e credos..

Beijoooo e grata pelo imenso carinho! :O)

Maria Lúcia disse...

Oi Glorinha! Que blog lindo! Amei tudo...o cair da tarde, o bolo quentinho saindo do forno, o bate papo...enfim a celebração da vida!
Vou seguir seu blog e colocá-lo em minha lista de preferidos.
Cheguei aqui através do blog Interior Adentro; vi o seu comentário sobre a morte e me identifiquei com suas idéias,pois acredito na ressurreição dos mortos, assim como Jesus ressuscitou; portanto, temos que celebrar a vida!
Quando chego aqui me deparo com este post está maravilhoso!
Depois vá me fazer uma visita; podemos tomar café com pão de queijo, porque eu sou mineira uai...rsrsrs.
Beijos.

Gina disse...

Faz apenas 2 meses que meu pai faleceu e hoje minha mãe foi lá levar flores. Para ela, isso é importante. Mas ela mesma disse que no final do dia alguém da prefeitura vai lá e tira tudo de vasos, por causa da dengue... Pelo menos lá no interior do ES.
Simplesmente não cultuo esses rituais, mas acredito da vida pós-morte. Dessa forma, acho mais saudável fazer uma oração pelos nossos queridos que se foram, mas também não precisa de data para isso...
Bjs.

Vivi disse...

Oi Querida
É isso mesmo q vc postou.. não gosto de ir no cemitério nessas datas..meu pai foi enterrado em Campinas e chegar ao cemitério acho até perigoso..pois nessas datas ficamos sabemos de assaltos e outras coisas...!!!!
Quando sinto vontade de me retirar um pouco até penso em ir até lá...mas me pergunto para quê?... dói muito a lembrança e fica parecendo q estou acabando de enterrálo...então prefiro me retirar mesmo em minha casa...onde peço a Deus o q tenha em bom lugar e procuro lembrar passagens dele me apoiando...e sorrindo e como sempre !!!!
e a vida segue em frente não é mesmo!!!!
bjs

Silvana disse...

Oi Glorinha! :O)

Nós somos almas gêmeas, pode cre nisso!...hahaha.

E hoje as pessoas são esclarecidas e sabem separar diferenças de amizade. Tudo pode permanecer o mesmo se respeitarmos as diferenças.

Mas estou aqui para lhe postar um desafio.

Consegui achar um link sobre o livro que comentei, onde há uma entrevista com Joseph :Cambell.

O desafio é o seguinte: leia o que tem no link e tente não se identificar com ele!

Depois vc me escreve e diz o que pensa...rs

Beijooooooooo

http://www.culturabrasil.pro.br/campbell.htm

Açuti disse...

Oiiii
Nossa vc disse tudooo que sempre pensei!!!
Também acho muito mórbido e triste esse "papo" de relíquia...como dedos, pedaço de ossos e afins que existem nas igrejas pelo mundo afora...
Acho muito triste lembrar da morte, do fim de quem amamos ontem, hoje e sempre.

P.S.: respondendo sua pergunta de outro dia (sobre o plano de saúde), continuo na briga, teremos mesmo que entrar com uma liminar pra que eu possa ter a bb no hospital do plano. E pra piorar a situação estou com diabetes gestacional....o que fez a bb ser mto grande e que provavelmente teremos que fazer o parto antes do tempo....sniffff...bom, mas Deus sabe o que faz, né!!!!

bjkssssss

Dricca Kastrup disse...

Glorinha, essa é uma questão cultural e religiosa, não é mesmo ? Eu, pessoalmente, penso que devo respeitar a fé de cada um, até mesmo porque, no fundo, fé é individual, até entre seguidores de um mesmo credo.

Na minha família esse dia de finados sempre foi de festa, porque era aniversário do meu avô, então pra mim é um dia bom, até hoje !

E, como acredito na sobrevivência da alma depois da morte do corpo, também não tenho esse sentimento tão grande de perda dos meus queridos que já foram pro outro lado da vida :-)

Enfim, esse "testamento" é pra dizer que concordo com você ! rsrs

Bjssssss