terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Apartidária, Mas Democrata E Brasileira!

Foto daqui

Eu sou uma pessoa apartidária, não tenho canditado a presidente, mas sou, antes de qualquer coisa anti petista. E, antes de anti petista, alguém que quer o melhor para nosso país.
Sou a favor de quem quer um Brasil livre, democrata e igualitário. Sou contra o pt porque, um partido que sempre alardeou ser o mais correto, o mais honesto e que sempre procurou atrapalhar e obstruir projetos ( que, hoje, cinicamente, chama de seus ) quando era oposição, em detrimento do que era melhor para o Brasil, se revelou uma corja, um antro de prostituição e mensalões, mentiras e arrogância.
Como mostra esse quadro acima, a cada dia, 60 novos servidores são contratados!
E quem paga?
Eu, você, todos nós, contribuintes...
E a quem interessa essa máquina estatal cada vez mais inchada?
Aos petistas, lulistas e essa camarilha que loteia o Brasil, distribuindo cargos, altos salários e poder a um grupo político oriundo da ex militância de esquerda, sindicalistas e metalúrgicos, como se o país lhes pertencesse, tentando fazer um retrocesso nos direitos adquiridos após anos de ditadura, controlando e infestando, com um viés autoritário todas as camadas do poder.

Conchavos, mentiras, dinheiro na cueca, na mala...onde estão os culpados?
Alguém foi preso?
Todos estão aí...continuam mostrando suas caras, e, por debaixo dos panos, vão anunciando sua volta, com a arrogância que a impunidade lhes assegurou.

Por isso, peço a todos que leiam, se informem. Procurem blogs, leiam jornais.
O que estão tentando impor ao nosso povo é uma nova forma de autoritarismo, um pacote de medidas que visam, tão somente, acabar com a verdadeira democracia. Censurar a liberdade de expressão, calar a boca da imprensa.
Estado forte, como fala a candidata petista, significa, máquina estatal cada vez mais inchada, controle dos meios de comunicação, invasões de quadrilhas terroristas, como as dos sem terra, permitidas e práticas anti democráticas dos tempos de ditadura.
Enfim, querem rasgar nossa Constituição, conquistada a duras penas, após os anos de chumbo.

Em vez de ficar andando para lá e para cá com a pretensa candidata, fingindo que inaugura obras, fazendo campanha ilegal, o presidente, deveria honrar o cargo e sua tão festejada popularidade para investir em educação ( o que falou, mas não fez), saneamento ( do qual tanto fez discursos de baixo nível, mas não fez), água tratada à populações de baixa renda ( que também falou muito e, nada...), enfim, governar e parar de se deslumbrar com os afagos internacionais, cujo interesse é no país promissor e não nele, como o presidente narcisista imagina.
Com ainda um ano de governo pela frente, o presidente alardeia que irá viajar muito para fazer campanha pela sua candidata...
Seria bem melhor, se em vez de fazer campanha política, ele administrasse o país e cumprisse suas promessas.



Vou deixar aqui, para quem quiser, alguns blogs interessantes e que mostram a verdade e a podridão que não podemos deixar que continue contaminando o país.

http://www.antiforodesaopaulo.blogspot.com/

http://www.blogspelademocracia.blogspot.com/

http://www.grandeprojetobrasil.blogspot.com/



9 comentários:

Cris França disse...

sou apartidária e descrente nos dias de eleição uso meu nariz de palhaço que combina bem com a tal obrigação. bjs Glorinha!

welze disse...

olá querida. tudo bem que ele deveria viajar menos, mas penso mais em economia, pois já percebi que ele é como aqueles casamentos, onde a esposa sofre, apanha, mas não se separa, pois se está ruim com ele(marido), fica pior sem ele.Parece que quando ele( o senhor ilustre) viaja, os ratos sobem mais na mesa e fazem mais m... ainda que na presença dele. acho assim, com ele ou sem ele, da no mesmo, pois ele nunca sabe de nada.

Glorinha disse...

Uma pessoa que fez um comentário como Luciana, sem sobrenome, não tem blog e não me dá o direito de resposta, entrou no meu blog e me agrediu...e, deve ser analfabeta, pois fez o comentário no post errado.
Só direi isso a você: compre um óculos, um aparelho de audição ou então leia os jornais certos...ou será que vc ganha alguma bolsa esmola pra falar bem do governo?

Beth/Lilás disse...

Eu também sou apartidária, web-mana, mas não deixo de observar quem é quem e a qual partido pertence.
O detalhe é que sempre votei naquele que perdeu, nunca votei no que ganhou uma eleição, será que eu tô errada!?
Com relação ao PT sinto o mesmo que você, uma revolta por ver um partido que enriqueceu tanto e age na contra mão daquilo que apregoou há tempos atrás e esta semana quase cai dura quando vi o Zé Dirceu, todo sorridente, dando entrevista e já se preparando para uma volta, quem sabe como um grande senador desta república bananeira.
Eu tenho mesmo é nojo de tudo isso!
bjs cariocas

ROSANA VENTURA disse...

Absolutamente apartidaria.
Infelizmente também vejo-me totalmente descrente da politica de nosso país...isto é triste.

manuel marques disse...

É necessário que os princípios de uma política sejam justos e verdadeiros .

Beijos.

cantinho she disse...

Glorinhaaaaaaa! Tô com uma vontade de comer bolo....rs e essa fotinho aqui do lado só fez a vontade aumentar... :(
Minha querida, infelizmente sou obrigada a concordar com o seu post e o pior é que até o Lula conseguir, enfim, ser Presidente eu era petista/lulista "doente", mas aí caí do cavalo, né? ;)
Bjooooooo, amo as suas colocações!

Cucchiaio pieno disse...

Querida Glorinha
Também sou anti petista e aqui sou anti Berlusconiana!
Que triste amiga.
Bjos
Léia

Manuela Freitas disse...

Olá querida,
Já ontem estive aqui a ler o que escreveste, mas uma dor de cabeçapersistente impediu-me de escrever. Como sabes de política aí no Brasil, pouco sei. Sobre política por cá, fiz um post especial para ti. Eu sou apartidária, sempre o fui, mas isso não quer dizer que não tenha as minhas ideias. Aqui em Portugal só temos dois partidos com chances de governar o Partido Socialista e o Partido Social Democrático, que acabam por ser quase a mesma coisa em corrupção. Dos dois, as pessoas estão cheias, mas não tem havido alternativa, às vezes por uma questão de represália vota-se num partido de extrema esquerda, mas de antemão sabe-se que não tem hipóteses de formar governo. Desde o fim do fascismo, que não há exemplos de governos radicais, de esquerda ou direita. Como parece, que já te disse eu sempre tive uma tendência de esquerda, mas que nada tem a ver com os exemplos acabados ou ainda em vigor noutros países.
Beijinhos querida e espero «melhorzinhas» por aí.
Manú