quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Nosso Monstro Interior

Gosto muito do programa Saia Justa, na Tv a cabo, canal GNT. Acho que algumas questões levantadas no programa me fazem pensar em muitas atitudes que tomo e me ajudam a me analisar...e como gosto muito de pensar, os debates do programa servem para que eu reflita bastante e, muitas vezes, tenho me surpreendido com as conclusões a que chego.
Ontem, um dos temas foi sobre o filme Onde Moram os Monstros, que eu ainda não vi, mas cuja menção, não foi o principal para o debate e reflexão, mas sim a questão: Em que lugar mora o monstro que todos temos dentro de nós e que, nas horas mais impróprias ou quando nem sabemos de sua existência, esse "monstro" sai de nós.
Na mesma hora me lembrei do sonho que tive na noite anterior e do qual me lembrei assim que acordei, tal a profundidade de sua mensagem para mim...
Eu agora nem me lembro mais direito dele, só sei que chegava à conclusão de que eu afasto as pessoas de quem eu gosto...tive tanta consciência de que faço isso, que foi como se tivesse levado um soco no estômago!
Eu realmente afasto de mim quem eu gosto! Seja sendo agressiva, por vezes até grosseira, seja implicando, pois sou implicante...seja procurando mil defeitos, mil coisas que me irritam nelas, me fazendo deixá-las de lado, me descartando delas, como se coisas fossem e não gente, de carne, osso, defeitos e qualidades... Como eu!
Gente, isso é o que se chama um sonho de auto-ajuda!
Como vi claramente o quanto me boicoto! Como vi com uma clareza cegante o que faço comigo mesma! Porque? Não sei...só sei que fiz isso minha vida inteira!
Talvez um psicólogo ou psiquiatra me explique porque eu faço isso. Mas que faço, fiz e continuo fazendo, isso é certo.
Minha irmã diz que o blog para mim funciona como uma terapia e eu, que já sabia disso, cada vez mais me certifico de que isso é a mais pura verdade!
Perdi tantos amigos e amigas ao longo da vida que nem sei mais contar quantos...e às vezes ainda me achava vítima...hoje vejo que algo, talvez na minha infância ou adolescência tenha feito com que eu agisse assim por toda a minha vida adulta. Um trauma ou algo inconsciente não sei...
Esse monstro sorrateiro que vive em mim e que saltava sobre as pessoas que eu amava, me fazendo detestá-las de uma hora para outra, ainda está aqui, em algum lugar dentro de mim...
Muitas vezes falei verdadeiras barbaridades para outras pessoas...gente que eu amava, que não deveria magoar...e, no entanto, falei...
Ou eu me afastava, ou elas se afastavam de mim...esse era o resultado das minhas monstruosidades...
Porque eu fiz isso comigo? E porque sabendo disso, continuo fazendo?
Que espécie de castigo é esse, que meu "monstro" me inflige? Que pena é essa que eu mesma me aplico?
Estou surpreendendo vocês com meu relato sincericida? Até isso, minha sincericidade excessiva é uma forma de me afastar das pessoas...pra que fazer isso? É realmente necessário ser tão sincera assim?
Será que como as crianças são isentas de censura ao falar, eu nasci sem esse censor dentro de mim? Ou adquiri isso por algo que aconteceu e nem me lembro? Que prazer mórbido é esse?
Ou é meu "monstro" assassino que irrompe nas minhas palavras, tirando tudo o que está certo do lugar? De propósito, só pra me maltratar depois, quando caio em mim e vejo o estrago que fiz...
Ser polêmica é uma coisa...gostar de levantar questões perigosas ou das quais ninguém quer falar é saudável, ser libertária e discutir assuntos controversos também é aceitável...o que não é aceitável é o que tenho feito durante a vida, colocar tantos defeitos nas pessoas, achá-las tão irritantes e chatas, dizer tantas "verdades" que acabam se afastando ou eu me afastando...
Pra que? Porque?
Meu monstro não me dá as respostas...não me mostra a saída...
Ao mesmo tempo, tentei me lembrar se algum dia saí de mim, fiquei enlouquecida de ódio, de raiva que nem me lembrasse das palavras que proferi.
E concluí que não...nunca saí de mim...tudo o que disse durante a vida, pode ter sido impulsivo, mas não descerebrado...sabia muito bem o que estava falando...não calculadamente, pois sou muito impulsiva, mas tampouco tinha amnésia depois de falar.
E sempre soube que minhas palavras marcavam a ferro algumas pessoas...e mesmo assim, continuei cuspindo marimbondos pela vida afora.
Que espécie de amor próprio é esse?
Como querer ser amada assim?
Isso é o contrário de "me ame"...isso é pedir para ser detestada!

Como eu odeio esse meu monstro interno e oculto!
Morra monstro das profundezas da minha alma!
Morra, antes que eu morra sozinha e sem ninguém...
Será que um dia conseguirei matá-lo? O Monstro das Profundezas de Minh'Alma...o Monstro do Lago Ness de Mim Mesma...

E vocês, será que alguém admite para si mesmo que há um monstro adormecido em cada um ?
Qual é o seu monstro?
E, quando é que ele sai?
Alguém aí, do outro lado, tem coragem para confessá-lo?




P.S. Não estou falando de coisas adormecidas e que nos incomodam, nem do lado bonzinho de todo mundo...falo do monstro monstruoso...o que ninguém quer ver, que mora submerso em várias e várias camadas de água, dor, ressentimentos e fúria...será que ninguém tem essa monstruosidade dentro de si?


21 comentários:

Violeta Nascimento disse...

Que coisa Glorinha, te sigo a pouco tempo, mais nesse pouco tempo nunca consegui ver esse seu monstro...por que será? será que só você o vê?
quanto ao meu monstro...ah..eu tenho um que me incomoda demasiadamente..e meu monstro chama-se permissividade.
Ele é também super louco e quando menos percebo ele já tomou conta da situação de um jeito que não tenho mais com voltar atrás.
Ele me faz ir permitindo as coisas, as pessoas, as situações...e quando eu presto atenção já estou totalmente comprometida com tudo...já me comprometi a fazer inúmeros favores, já dei todo o meu tempo para as outras pessoas, já fiz o que as outras pessoas deixaram de fazer..e por ai vai?
Esse é meu monstro louco, mais como agora o conheço estou diariamente batalhando contra ele e tenho ganho algumas batalhas...
beijos
vi

Glorinha disse...

Violeta, não é desse monstro que falo...mas do lado feio, do lado escuro que mora em nossa alma...ser condescendente demais pode ser até um defeito sim, mas não é sobre isso que a questão trata...é sobre algo mais duro e dolorido,o que fazemos de ruim aos outros e, consequentemente, não queremos ver...
Beijos.

manuel marques disse...

Nunca deveria ter-se vergonha de confessar que se errou, pois na verdade é como dizer, por outras palavras, que hoje se é mais sábio do que se foi ontem .

Beijos.

Cucchiaio pieno disse...

Oi amiga
Fiquei muito feliz em saber que estas melhor!

Querida, lembrei-me do meu sonho (acordada), lembra?! Isto sao oportunidades que a vida nos da', sao chances para nos ajudar a sermos mais felizes com o que (e quem) temos.

Também concordo que o blog é uma terapia, pois aqui voce se "despiu" muitas vezes e isso so' nos faz bem!

Ter consciencia deste defeito é o primeiro passo para matar este "mosntro", mas para mata'-lo deve-se usar a arma mais poderosa: o amor! Amor com voce mesma, se abraçar, se aceitar.

Penso que ser muito sincera muitas vezes atrapalha a nossa vida, mas a verdade deve ser usada apenas para o bem. Se em falar a verdade sera' um bem maior que a omissao, entao diga.

Na psicologia dizem que aquilo que mais odiamos nos outros sao, na verdade, um reflexo dos nossos maiores defeitos. Penso sempre nisso amiga e sempre confirmo que este ou aquele defeito de alguém que me irrita, é um defeito meu sim! Isto é a dura e tortuosa estrada para chegarmos ao auto conhecimento.

So' podemos receber aquilo que temos capacidade de dar. Por exemplo: eu (Léia) te dou a minha amizade sincera, pois, com certeza, voce me da', também, amizade sincera.

Nao sou muito boa de briga, mas se precisar de ajuda para matar este monstro, pode contar comigo.

Um abraço bem apertado
Léia

Renata disse...

Não vou dizer que sou diferente de ninguém, tbm eu tenho meus mosntros adormecidos, mas faço força pra deixá-los bem no fundo do "meu lago Ness"...nem sempre é fácil, mas muito mais difícil é tentar consertar palavras que foram ditas num momento de fúria e que nem sempre terão perdão!
Mudando de assunto, agradeço pela dica de colocar uma janela pra impressão lá no blog, sou péssima em informática, mas vou perguntar aos universitários...quem sabe alguem me ajuda né?
Um abraço,

AFRICA EM POESIA disse...

SORRISO LINDO


Sorriso lindo...
Sorriso belo...
É alegria dos grandes...
É o sorriso dos meninos...
Que são netos...
É o sorriso...
Dos que seguem...
O seu caminho...
E têm o sorriso...
Mais lindo...
Do mundo!...

LILI LARANJO

cantinho she disse...

Glorinhaaaaaaaaa sensacional o seu post! É assim mesmo, minha querida, todos nós temos monstros que nos incomodam, digamos que faz parte dessa complicada arte de sermos humanos. (rs)
Eu também tenho os meus e vou relatar o que mais me incomoda, eu afasto os homens de mim, não sei como, mas sei que afasto e como se não bastasse somente afastá-los quando estão comigo não querem nada sério, mas assim que acabam o relacionamento comigo eles namoram, noivam e casam...algo acontece, até tenho pistas, e já tô tratando, mas o que posso te falar é que tudo tem um porquê....tudo, exatamente tudo!
Beijooooo

welze disse...

até bem pouco tempo, tinha meu monstro embaixo de uma pá da cal. Não deixava que ele saísse nem a pau. Depois de acontecer certas coisas, dizia para mim mesma o que gostaria e deveria ter dito para quem me havia atingido, ficava remoendo. Agora, até que meu monstro está botando as unhas de fora, como o da sua foto. Mas ele é menor que eu.Eu posso mais. Minha garganta é enorme e ainda engulo muuitos sapos, acho que não dá para ser diferente, vivendo em sociedde. Temos que engolir muitos sapos pela vida toda. Uns mais avantajados, que não conseguimos engolir, esses botamos pra fora, e entra em ação o NOSSO MONSTRO. Mas eu penso o seguinte, uma vez que vc conheça o seu monstro, fale dele com tamanha intimidade, é porque vc é maior e mais poderosa que ele. Mesmo sem pensar ou se dar conta, o tem sob controle. Ele só se manifesta, se for muito cutucado. Eu , por mim, acho que vc deveria dar mais crédito à ele, as escolhas e revoltas dele. Vai que ele não seja um monstro mas um amigo do peito, que está alí, para qualquer eventualidade. Para quando vc se sentir, meio que perdida ante uma situação, ele venha em seu socorro e solte o verbo, rode a baiana em seu favor, no seu lugar. Trate ou continue tratando bem esse monstro , parece que ele é do bem.

Lucia Cintra disse...

Olha, eu acho que a coisa mais importante eh vc conseguir enxergar isso pra comecar a 'trabalhar' a mudar o que te incomoda.

Uma coisa que me orgulho de mim mesma eh ter a capacidade de sentar, analizar e entender meu comportamento, o que faco e nao faco, e isso me fez crescer, mudar o que tem que ser mudado e ser uma pessoa melhor.

Mas essa 'claridade' nao aconteceu ate somente ha uns anos atras e como sou grata por poder enxergar as coisas. E digo tb que qto mais vc praticar esse habito, mais facil fica identificar e apredender a lidar com tudo. Bjos

Cibele disse...

Ai Glorinha, amiga linda... as vezes tbm tenho meu lado monstro, ai credo né, falando assim, parece que eu sou mal rsrsrs
Obrigada pelo seu voto, fiquei muito feliz!
E não posso deixar de falar sua filha esta lindona ai ao lado, só está faltando o filho ????

beijinhos

Yoyo Pizy disse...

Oi Glorinha,
Encontrei vc no blog dos "Vagamundo" e por curiosidade entrei no seu perfil.Menina, adorei o seu jeito de escrever e amei o seu blog!
Agora acho que terei de voltar aqui todas as tardes, pra tomar um café com bolo.
Bjo

Silvana disse...

Oi Glorinha!

Fiquei trite em saber que ainda padece de dores na coluna, mal que nos impossibilita de quase tudo. Eu já tive problemas no nervo ciático e quase morri de dor, fiquei aleijada numa cama tomando tantas injeções que achei que nunca mais seria normal. Depois que passei a me policiar e não carregar mais peso, as dores sumiram.

Qto ao seu monstro interior, me atrevo a dar um palpite: qdo jovem vc teve muitas perdas severas em tua vida (pai e mãe) e isso reflete em um pouco hoje.

Acho que qdo vc magoa, pelo que percebo, é uma forma de se distanciar antes de amar ainda mais. Pode ser uma defesa, antecipando uma possível perda.

"Para que me entregar e amar mais se perderei essa pessoa?"

Talvez esteja aí um ponto para análise. Bom, sou uma palpiteira nata, então releve se não lhe alcançar...rs

Mas todos nós temos nossos monstros que se libertam de vez em qdo. Eu tenho os meus e sei a quem são relacionados. Sou imperfeita demais, porém lutando horrores para melhorar. Melhorar nos causa muita dor, enche as paciências, nos esgota.... Passo por isso muitas vezes, tentando ser a boazinha e sofro demais.

Depois os monstros surgem e tudo volta à tona, num lampejo indisfarçável de loucura...

Faço análise há alguns anos e mesmo assim meus monstros permanecem intactos: apenas adormecem. A análise serve para que eu tenha força de domá-los qdo surgirem.

Mas é difícil demais, muitas vezes minha vontade é a de desistir... Seria bem mais facil deixá-los vrem à tona e flutuarem ao meu redor...

Beijoooo

Luci Cardinelli disse...

Que ótimo post!!! Sou como vc, não tenho medo de me expor e falar de mim, das minhas emoções. Isso me faz bem. Sempre fui assim.
Reconhecer as coisas em nós é o preimeiro passo para mudar. Espero que vc consiga destruir esse monstro.

Sabe que qu tb não gosto do Chico político nem do escritor? Fora isso sou apaixonada. De fato ninguém conhece a alama feminina como ele.

beijão e bom final de semana :)

Beth/Lilás disse...

Web-mana querida!
Olha, não foi por acaso que fiquei louca para te conhecer pessoalmente, fazer um contato mais direto, de primeiro grau. E isso aconteceu, porque, na verdade, você é transparente, você se despe do orgulho e das caras e bocas que a maioria faz, seja na vida real quanto na virtual, você é mesmo bem verdadeira. Gosto tanto disso em você que não consigo imaginá-la me afastando, pelo contrário, sinto que seremos amigas para sempre, pois é assim que gosto das pessoas, são pessoas assim que me atraem e prefiro, sinceramente, que sejam sincericidas do que fugidias ou inventosas.
Quanto ao meu monstro, talvez, seja o mesmo que o seu, afinal somos humanos e é muito comum que magoemos alguém pelo menos uma vez na vida.
Só espero que vc não me afaste do seu coração, senão eu ... choro. buáááááááááá

Legal, teu post Glorinha! Você é uma pimentinha danada!
beijos da serra friazinha agora

Manuela Freitas disse...

Olá querida,
Tu não tiveste um sonho, tiveste foi um pesadelo e estás a exarcebar tudo isso!...Não é que não tenhamos um mostro dentro de nós, eu diria que temos duas forças, uma que nos leva para o bem e outra para o mal e andam sempre numa luta. Há certas formas de convívio que temos com os outros, que têm que ser mais moderadas, por exemplo a extrema sinceridade nunca é muito bem aceite e pode ser até agressiva. Eu também tenho algo em mim, que as pessoas não gostam nada, sou um bocado provocadora/sarcástica, é uma forma de eu brincar, mas há pessoas que não gostam nada, levam muito a sério. Um deles até é o meu marido, que leva sempre tudo muito a sério. Já aprendi, com as consequências, a ser mais moderada.
Foste muito corajosa em abrir assim a tua alma. Não leves muito a sério, com certeza é uma fase que estás a passar de falta de auto-estima, todos passamos por isso.
Muitos beijinhos para ti com muita ternura,
Manu

Glorinha disse...

Queridos Manuel e Léia: reconhecer que o monstro existe pode me ajudar a domá-lo, mas não a matá-lo...para matá-lo é necessário ir ao seu nascedouro, saber porque conseguiu sobreviver...vcs tem me ajudado a fazer essas descobertas...Obrigada do fundo do coração.
Beijos.

Renata, minha querida e chiquerésima amiga: meu lado escuro é bem difícil de domar...e acredito, que mesmo quem não tenha consciência disso, o tem...todos temos...alguns através das palavras, outros por pouco caso e indiferença, outros ainda por gestos...mas todos nós temos um monstrinho...em menor ou maior grau, ele sempre emerge das profundezas...num momento de ódio ou raiva, ou num momento de dor, quando a única arma que temos é ele quem empunha...Perceber isso, é difícil, e é um exercício que todos deveriam fazer...espero um dia domar o meu e só deixá-lo sair quando eu quiser...ser dona dele e não o contrário.
Beijinhos.



Welze, minha sábia e generosa amiga...vc sempre dá um jeitinho de me defender...até do meu monstro!
Saber se defender e não engolir sapos é uma coisa, mas agredir verbalmente alguém que não te fez algo grave é bem diferente...tentar afastar quem gosta da gente, tb...é cruel com a gente mesma...não gosto de ser assim...mas com a ajuda de vcs, estou mudando, aos poucos, mas estou...obrigada minha amiga...vc é uma mãezona!
Beijos.

Lúcia e Cibele, nos analisar e ter consciência de que o monstro existe já é um grande passo...acho que a partir disso, podemos combatê-lo cada vez que ele emergir.Beijinhos.Ah, Cibele, o retrato do meu filho está comigo ao lado lá em cima...não esqueci dele não!


Silvana, vc acertou na mosca! É tão engraçado como certas pessoas tem uma visão de nós, que nós mesmos não temos! E essa visão é real! perdi minha melhor amiga na adolescência por causa de minha mãe...e logo depois, meu pai morreu...acho que a origem de tudo está aí...jogo fora, me desfaço, antes que perca novamente...é isso mesmo! Vc matou a charada...tomara que tenha dado um tiro no monstro...pelo menos, agora, sei pq ele nasceu!
Está vendo quando eu digo que o blog é uma grande terapia?
Vcs são meus terapeutas de plantão 24 hs, de todas as cidades e países...isso é um luxo, não é?
Agradeço imensamente ter me aberto os olhos e me fazer "descobrir" a razão de meu monstro existir.
Beijão.

Luci, todos temos não é? acho que a medida que vamos amadurecendo e nos conhecendo melhor, aprendemos como lidar com ele...entaõ somos Mulheres de Chico...tb amo as letras dele...
beijinhos

Beth, minha irmã...claro que nunca vou te afastar de mim...já sei os mecanismos pra me defender "dele"...além do mais, não se descobre uma web mana assim, à toa...vc encheu minha vida de alegria com sua amizade tão disponível e verdadeira!
Não abro mão de vc de jeito e maneira alguma!
te adoro, amiga do coração!
aqui tb deu uma esfriadinha...tá gostoso...e as plantas estão felizes molhadinhas...
Beijos mil procê!!!!

Manu, outra querida d'além mar...vc é muito especial pra mim, pois tens uma visão sem preconceitos...eu sou assim mesmo, e nem acho que sou corajosa não...é simplesmente meu jeito de ser...e te confesso que enquanto muitos sentem vergonha de serem transparentes, eu não me incomodo, é o que digo sempre...quem me comprar, já sabe o que está levando...não será enganado com imagens falsas ou, como diz minha amiga-mãe Welze, "caras e bocas"...sou do jeito que me mostro...às vezes me dou mal, mas, agora, nessa altura da vida, podemos melhorar um pouco, mas mudar totalmente, acho difícil...vc tb é uma pessoa que me passa muita verdade...e é assim que gosto! Por isso gosto tanto de ti!
beijos minha querida.

Glorinha disse...

Yozo Pizy, obrigada pela visita e pelos elogios...vou já no seu blog te visitar tb!
Beijinho.

She, minha linda...tenho certeza que com ajuda, vc combaterá esse monstro e encontrará alguém que te mereça!
Torço por vc!
beijos.

Africa em Poesia...esse sorriso de que falas é o meu? Ou estou sendo presunçosa? Se é, te agradeço muito a delicadeza, se não é, te agradeço mesmo assim pela lindeza de poema.Beijos.

Izabelle Nossa disse...

Oi, Glorinha,
Tudo bem?
Obrigada pelo comentário. Fiquei feliz em saber que já conhecia meu blog! Eu fiquei conhecendo Thaís através de um post das meninas da Benta. Adorei as criações dela, e acho que ela transmite muita "fofura"! ;)
Bom, em relação ao vestido, ele é daqui, ó: http://shop.adorevintage.com/index.php?main_page=product_info&cPath=42&products_id=2271
Também achei lindo!
Estou desenvolvendo alguns vestidos. Devo lançar em março/abril. Tomara que dê certo!
Um beijo,
Izabelle.

Beth/Lilás disse...

Brigada, mermã, te gostcho muitcho também.
beijocas

Luciana disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Rejane de Fátima Pedrosa Ramos disse...

Muito legal , visceral,verdadeiro e humano seu depoimento.
Te convido a visitar meu humano Blog -Estou a te seguir.
Um abraço!!
Rejane