segunda-feira, 26 de julho de 2010

A Graça da Vida e Outras Estórias 1




Estava eu lendo no jornal de ontem, a entrevista de Pilar Del Rio, companheira de Saramago que estará sendo homenageado na próxima Flip. Li também sobre o documentário que foi feito sobre os últimos anos da vida dele. E, ao ler sobre o livro A Viagem do Elefante, fiquei pasma ao ver como pensamos igual acerca da vida e da morte. E, principalmente sobre a morte.
A cada dia que passa, me conscientizo mais de que tudo será esquecido, de que nós não passaremos de fumaça, de uma névoa perdida no tempo, até que sejamos totalmente esquecidos. Totalmente.
E a cada dia fico mais assombrada com os conceitos e modos de encarar a vida dos seres humanos. Perdendo tempo precioso com coisas sem nenhum valor, com coisas sem nenhuma importância, nomes, sobrenomes, corrida atrás de dinheiro, enfim, coisas que vejo, a cada dia, valendo menos aos meus olhos.
Sinto às vezes, como se eu estivesse sozinha no mundo. Como se eu visse o que a maioria das pessoas não vê.
A inutilidade de tudo o que fazemos. E tal como o elefante de Saramago, no final, nossas patas servirão apenas como depósito de guarda chuvas, se tanto.
Então para que tudo isso? Qual o sentido da vida, senão ela mesma?
Não pensem que estou deprimida ou triste. Muito pelo contrário.
Se há tristeza em mim é pelo que o homem não vê. Pelo total descaso das pessoas pela urgência de viver.
Não adianta arrependimentos, voltas ao passado, ressentimentos.
O que adianta é viver.
Vivamos pois, da melhor forma, sem nos preocuparmos com o que outros pensam ou deixam de pensar.
Sem dar importância ao que não tem importância.
Sigamos como o elefante, ao fim inexorável, mas, usufruindo a paisagem.

23 comentários:

Socorro Melo disse...

Olá, Glorinha!

Concordo que a vida tem que ser vivida de forma intensa, e que as pessoas se perdem, e perdem tempo precioso com futilidades, inutilidades, etc., porém, acredito que a vida continua, que seria muito pouco só isso que vivemos aqui. Cada um com a sua crença, não é?

Beijos
Socorro Melo

Beth/Lilás disse...

O pior é que muitas vezes a pessoa está mergulhada num mundo, com péssima qualidade de vida, adoecendo, preocupando outros, mas não enxerga, ainda fica curtindo uma que tá numa boa, que tem amigos maravilhosos, que conhece este ou aquele, ou seja, gozando com o que é dos outros, mas para si mesmo, não traz o melhor da vida, não vive de verdade, não se cuida e quando vê, a morte está batendo à sua porta e entristecendo aqueles ao seu redor. Tenho casos assim bem pertinho na família e só entristece mesmo.
beijos cariocas

Manuela Freitas disse...

Querida Amiga,
Estou contigo e com o Saramago, estou nessa, tanta coisa, tanta chatice, tanta complicação e a nossa vida é tão efémera! Realmente enquanto cá estamos a vida devia ser vivida na plenitude do nosso ser e não do nosso ter.
VIVER E DEIXAR VIVER, é para mim um bom lema!
Beijinhos,
Manú

Cris França disse...

Concordo plenamente querida minha, veja eu me formei em Teologia em 1998, sempre que comento isso com alguém ou em algum lugar, surgem logo discussões profundas sobre a vida e a morte que faço questão de encerrar numa unica frase:
"Tenho apenas uma opinião é que não dá para perder a vida, de tanto ficar pensando sobre a morte"
e vou logo mundando de assunto, afinal como disse alguem algum dia, a maior sabedoria do sábio é saber que ele nada sabe.


beijos no coração

Nilce disse...

Inteligentes palavras, como sempre, Glorinha.
"O que adianta é viver".
Por vezes, perdemos um pouco o rumo, mas temos que ter a vontade de continuar e viver o presente, o agora e ser feliz sempre. É isso que vale a pena.

Bjs no coração!

Nilce

Bombom disse...

Eu acredito que somos feitos de energia e a ciência já o comprovou. Nosso espírito é energia. O corpo morre e a nossa energia liberta-se e continua viva, a fazer parte do Cosmos, talvez com uma outra dimensão...Mas quer se acredite ou não nestas teorias (esta é mesmo da minha cabeça,he,he) tens toda a razão e eu assino por baixo. Estamos neste mundo para aprender, para nos aperfeiçoarmos, ou apenas para vivermos e sermos felizes. Temos o dever de evoluir como seres humanos pensantes e de não nos comportarmos pior do que os animais irracionais. Mas para isso, precisamos de uma coisa que estes últimos não têm: Educação.
Esta não é senão a transmissão dos valores de geração em geração.
Uma sociedade sem valores, deixa de SER. E então arranja os subterfúgios que o TER lhe oferece, para não se sentir tão insegura.
Desculpa lá, Glorinha, mas a conversa é como as cerejas...
Bjs. Bombom

Lu disse...

Olá Glorinha! Um desafio se passar no meu blog...bj

Beatriz disse...

Tô dentro!
Engraçado é que ainda vivemos num mundo exageradamente consumista. Fico boba de ver como essa galerinha de hoje gasta, gasta, gasta, sem pensar no seu futuro e no futuro do planeta! Afinal um dia tudo se acaba mesmo...e é preciso fazer algo de bom pela humanidade, pelo nosso habitat, pelo vizinho! O legal é deixar uma boa pegada...até que um dia ela também vai sumir no ar.
Beios,
Bia
www.biaviagemambiental.blogspot.com

Amica Philosophiae disse...

Oi Glorinha,
Graças a essa pequena grande dúvida que permeia a nossa vida e de quase todos os seres - Qual o sentido da vida? - que grandes pensadores e filósofos nos deixaram bons legados e obras para que pudessemos ao menos ter uma ajudinha na nossa descoberta sobre o sentido da vida. Ainda bem, porque nos tira do nosso umbigo e nos leva a olhar além.
Bjo
Cynthia

pensandoemfamilia disse...

Sim a vida é para ser vivida e não desperdiçada com o consumismo e preconceitos.
Viver apreciando o que de melhor podemos realizar em prol da humanidade que está se esvanecendo diante de tanta superficialidades.
bjs.

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Caixão não tem gaveta, espelho, botox, revista Caras nem celular e "olkut".

Eh isso mesmo, quem acredita ou não na em vida após a vida tem por obrigação viver melhor no agora.

Se Deus existe ele quer que vivamos da melhor maneira no agora.
Se não existe, então sonhar com felicidade no pós vida é bobagem.

Esperto quem planta a boa semente e deixa, isso sim é herança pro mundo. O resto volta pra poeira.

Então, eu estudei psicologia. Mas não optei pelos caminhos mais tradicionais. Optei pela Gestalt e Roger, que tem um ar mais leve ao lidar com o ser humano (um olhar mais positivo, com mais sentimento do que a psicanálise de Freud).
Pq meu negócio é velhinho e criança. Adulto louco não quero saber, de louco basta eu.

Mas no curso vi tanta gente louca estudando que fiquei com medo (é sério. Pq eu pensava: meu Deus, como esse maluco poderá clinicar alguém? Vai deixar a pessoa mais louca q ele.

Então meu estudo é mais voltado pra área geriátrica e infantil. Não sirvo pra psicólogo de consultório (pq não tenho paciência e já ia mandar o paciente cair no mar, nadar pelado, tomar sorvete, separar do marido chato, etc... pra não perder mais tempo na vida rs)

bjs

Mari disse...

Glorinha, que bela mensagem. Estamos vivendo num mundo de valores deturpados, e às vezes me sinto como ti, um pouco só...Vou tentando seguir em frente de acordo com os meus ideais, mesmo que isso seja "bobo", "ingênuo" ou "idiota" no olhar dos outros. O que importa é saber viver, aprendendo com tudo que se passa na nossa vida...
Beijo grande

Ana Maria Braga disse...

esse teu texto é para pararmos e refletirmos a vida. A conclusão que tiro disso tudo é que devemos sempre ajudar, cuidar da natureza para os que ficarão... é ser feliz, sem prejudicar o próximo. Deixar aqui bons exemplos, que serão lembrados por algum tempo e depois tudo......cairá no esquecimento. Bjs

ELA disse...

Tudo vira pó. E o sobrenome não fica anotado em lugar algum que também não vire pó depois.

Eu também me identifico com a visão da morte que Saramago tinha. Porque ela é realista que dói. É claro, depois tem o lado espiritual, mas aí já é outro assunto.

O realismo crítico é um bom exercício para fazer com que nos ponhamos no lugar certo, com nossa devida (des)importância. Suas reflexões foram formidáveis.

A Pilar está no RJ? Ou deu a entrevista das Canárias?
Ai, a Flip! Quem me dera dar as caras por lá...

Estamos lendo o mesmo livro, pois! Ando passando por uma fase complicada, de muita tensão. Aí mergulho ali nos passos do Daniel pela Barcelona de outros tempos e é uma alívio (viver a vida do outro e dar uma pausa na ansiedade sobre a minha).

Bjs,
Michelle

Misturação - Ana Karla disse...

Uma análise a ser feita por cada ser humano que perde seu valioso tempo com o vazio.
Sejamos mais racionais e partamos para uma vida mais interessante, útil.
Glorinha, vim matar a saudade!

Xerossss

Glorinha L de Lion disse...

Oi Socorro, claro ! Cada um crê no que lhe convém. Eu não faço proselitismo da minha (Des)crença. Só que percebo a cada dia como os seres humanos são ignorantes acerca dessa vida aqui, do agora. O resto é o resto...e o futuro para mim não existe. Não depois que eu morrer. Bjs.

É Beth, o mundo tá cheio disso e desses que pensam assim. bjs

Oi Manu, é tão óbvio não é? Pq será que a maioria não enxerga isso? bjs.

Pois é Cris querida, o hoje e o agora é que são verdadeiramente importantes. Já pensou se cada ser humano pensasse assim? Não haveria brigas, guerras ou inimigos...o mundo viveria em paz. Bjs.

Nilce, é isso mesmo, tudo vale a pena se a alma não é pequena...já dizia Pessoa...bjs.

Oi Lu, obrigada, mas não pego selinhos nem participo dessas brincadeirinhas, me perdoa. Mas obrigada por lembrar de mim. bjs.

É Beatriz, até nossas pegadas sumirão...dá medo? Eu não tenho mais, pq me conscientizei disso...Aproveitemos o que nos resta, se for possível. bjs.

Oi Cynthia, acho que o sentido da vida como falei no texto é ela mesma. Não há outro além ou aquém dela. Nossa tarefa é viver, da melhor forma, por nós e pelos outros. Bjs.

Oi Norma, concordo com isso tb! Bjs

Oi Alexandre, o difícil é a consciência disso. É ver o que está por trás do espelho e que as pessoas se negam a fazer. Muito legal saber desse seu lado...e vc cuidar de criança e velhinho é um pouco isso que falei. Ser útil e fazer o bem. Ser feliz e fazer outros felizes. Se conseguirmos isso em pelo menos 1/3 de nossas vidas, já tá bom demais! bjs.

É Mari, a gente vê cada coisa...cada um perdendo seu tempo precioso com besteiras...não que eu às vezes tb não perca...longe disso, pois ainda não atingi o nirvana...rsrsrs, mas bem que tenho tentado. bjs.

Bem lembrado Ana, deixar para os que ficarão...porque nós, depois que formos embora é pra sempre e pra nunca mais...então tratemos de deixar esse planeta "morável" parar as próximas gerações. bjs.

Oi Michelle, e para o pó voltarems...rsrsrs atéia citando a bíblia...mas é exatamente isso. Estou fazendo uma pesquisa para um livro e estou lidando diretamente com isso...quando não resta nada de alguém, sabe? Nem o pó...essa é a realidade da vida. A Pilar vem pra Flip que resolveu homenagear o Saramago na última hora...quem me dera tb eu, poder ir...Bjs.

Oi xerosa! Saudades tb! É isso aí...sigamos olhando a paisagem e fazendo algo que preste por nós e pelos outros né? Pq depois, pluft! Acabou! bjs

manuel marques disse...

O pensamento da morte engana-nos, pois faz-nos esquecer de viver .

Beijo.

Cucchiaio pieno disse...

Querida Glorinha
As pessoas ou vivem no passado ou no futuro, o aqui e agora passa sem ser realmente vivido! E assim perdemos o belo e a delicia de cada dia.
Bjo grande
Léia

soninha disse...

Saramago deve ter mudado de ideia após a sua morte...rs.bjs

Glorinha L de Lion disse...

Manuel meu amigo, e no entanto já nascemos sendo descontados dia a dia e caminhando para ela...bjs.

Pois é Léinha querida, esse é o grande segredo da vida: saber viver. beijão!

Astrid Annabelle disse...

Olá Glorinha!
O que importa realmente é viver e viver bem...o resto é resto. Viver no aqui e agora, sem passado e sem futuro!
Se você está bem contamina o mundo ao seu redor e isso basta.
Muito bom como sempre a sua análise.
beijo gostoso
Astrid Annabelle

Glorinha L de Lion disse...

Soninha, me reservo o direito de não responder. bjs ateus...aceitas?

Astrid minha querida Astrid, certíssimo o que vc disse: o aqui e o agora...o resto, ninguém sabe e ninguém viu...bjs.

Isadora disse...

Oi Glorinha o final de todos é apenas um, ricos, pobres, amados, odiados, certos ou errados, por isso concordo que o melhor que temos a fazer é viver nossa vida bem.
Um beijo