segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Bem Vindo, Um Filme Para Refletir

Ontem eu assisti a esse filme: Welcome ( no original ) ou Bem Vindo.
Fiquei tocada com a estória porque justamente na semana passada houve o caso da expulsão dos ciganos pela França.
O filme trata de um menino de 17 anos, iraquiano, que vive na França, ilegalmente, com mais outras dezenas de fugitivos de seus países em guerra.
Seu sonho é ir para a Inglaterra, encontrar a namorada e ser jogador de futebol do Manchester.
Após uma tentativa frustrada de atravessar a fronteira, numa cena perturbadora, ele resolve aprender a nadar para atravessar o Canal da Mancha até a Inglaterra.
O filme trata da xenofobia que varre a Europa. E vemos traços do nazi fascismo crescendo, seja na criminalização de quem ajuda os refugiados, seja na intolerância da população em relação aos imigrantes.
Fiquei pensando que estamos vivendo uma época muito parecida à que antecedeu à Segunda Guerra.
Já imaginaram se nossos avós, bisavós quando chegaram ao Brasil, fossem tratados como criminosos ou leprosos, que tivessem que viver à margem? Ou fossem expulsos e mandados de volta a seus países de origem?
Hoje o Brasil não seria o Brasil. Seria melhor? Não sei.
Mas esse filme me fez olhar com outros olhos para a imigração.
Claro que ninguém quer mendigos, ladrões, gente sem eira nem beira vivendo em acampamentos, pedindo esmolas ou tirando o emprego de quem precisa.
Mas, ao mesmo tempo são seres humanos, que em seu desespero por uma vida melhor, buscam em outros países uma saída para a miséria, a guerra, a fome. Igualzinho aos nossos antepassados.
A globalização propiciou coisas boas e coisas péssimas.
Claro que hoje, a conjuntura econômica e política é outra. O mundo praticamente extinguiu as fronteiras.
Mas ao mesmo tempo, o preconceito continua fortíssimo.
Vocês me conhecem e eu não seria hipócrita de dizer que acho que imigrantes ilegais, mendigos e desordeiros que não seguem as leis do país para onde imigraram deveriam ficar e ser tolerados. Mas fiquei pensando muito nisso, desde a expulsão dos ciganos.
Não sei qual seria a solução para o que a Europa vem enfrentando, mas também não acho que esse nacionalismo exacerbado, com ares de fascismo e xenofobia devam ser tolerados também.
O filme mostra claramente que esses sentimentos estão se tornando sinônimos de intolerância e falta de compaixão por nossos irmãos em humanidade.
Sinceramente, não sei  qual seria a solução. Mas acho que a sociedade civil, sociólogos, psicólogos, antropólogos deveriam formar um fórum para discutir essas questões.
O que não pode continuar é fecharmos os olhos e fingir que nada disso está acontecendo.
Ou correremos o risco de mais uma vez desenterrarmos um capítulo de horror da história da humanidade.
O filme é belíssimo. Assistam e reflitam.

18 comentários:

Manuela Freitas disse...

Olá querida Amiga,
Eu vi esse filme, é realmente belíssimo e deixa-nos a pensar em muitas coisas, como tu própria dizes.
A emigração é de facto um problema complexo e um problema na ordem do dia na Europa. Há o aspecto económico e político e penso que o que mais se teme é o terrorismo, esse é um estigma muito marcante, pelos acontecimentos que o mesmo já gerou.
Beijinhos,
Manú

Beth/Lilás disse...

Amiga,
Vou já ver se tem este filme aqui na minha locadora, adorei o tema e acho muito propício neste momento de imigração em massa para a Europa e da aceitação de tantos povos e culturas diferentes que essa sua idéia fosse realmente levada à formação de Fóruns Mundiais para debate e possível conclusão para todo este novo clima que vem se formando por lá.
um beijão carioca

Bombom disse...

Oi, Glorinha, que tema quente!!!
Tão complicado! Vale a pena reflectir e estar alerta...Por um lado é preciso acolher os desenraizados de Pátrias agrestes, por uma questão de humanidade, compaixão, solidariedade. Mas por outro, esses que chegam têm de ter uma atitude aberta que os deixe enquadrarem-se nas leis dos países que os acolhem. É uma questão de bom senso! E na Europa, com a abolição das fronteiras, tem entrado de tudo: desempregados que não sabem falar a língua do país , com ou sem habilitações para o trabalho, sem enquadramento social ou familiar nem económico, muitos oportunistas e outros tantos seguidores de Máfias, etc. E vieram também os romenos de etnia cigana em camionetas e descarregados em França, Alemanha, Espanha e Portugal. Enquanto que a maioria dos cidadãos de Leste procuravam trabalho, estes romenos vivem de pedir esmola, de roubar, de traficar crianças. Não mandam os filhos à Escola e eles são criados na rua, nos expedientes da vida fácil. E é este mal estar que se gera, que vai dar origem à xenofobia. É um tema bem contundente! Eu que acho que sou uma pessoa bem formada e séria, neste momento tenho muitas dúvidas àcerca do que será melhor!...
Bjs. Bombom

Glorinha L de Lion disse...

Pois é Betita, algo tem que ser feito logo. Pois expulsá-los pouco adianta, pois voltam. É uma situação realmente, muito complexa e difícil. Mas não podemos ser simplistas, há que ser debatido. beijos.

GIL disse...

Adoro ler dicas de filmes....vou correr atrás;....bjks....Gil

Glorinha L de Lion disse...

Concordo contigo Bombom. Acho que quem vem de fora tem que integra-se às leis e aos costumes do novo país. Concordo tb que a situação dos ciganos, em sua maioria é constrangedora, para dizer o mínimo. Eu mesma fui abordada em Lisboa por ciganos e é bem desagradável, pois alguns fazem parte da escória de seus povos. Mas não se pode generalizar tb. Realmente se formos pensar por A+B a opção é deportar, mas nada é simples, nada tem só 2 lados. A questão é por demais complexa. E a Europa tem sofrido muito com isso. Em tempos de terrorismo então, há que se ter medo mesmo. Mas tb é um caso para se pensar, se refletir e buscar soluções para os dois lados. espero que os países europeus consigam fazê-lo de maneira nobre e não repetindo o que houve na época da guerra. Beijos querida amiga.

Glorinha L de Lion disse...

Manu, minha querida, minha resposta para vc sumiu! Erro 503...esse blog está uma piada! Mas acho que disse mais ou menos o que disse à querida Bombom. É difícil, é complexo e o terrorismo é uma ameaça sim.
Mas não podemos perder de vista a compaixão e a dignidade dos seres humanos, mesmo em situações adversas.
Acho que o mundo deveria se unir e pensar numa solução conjunta para ajudar esses fugidos das guerras ou da fome. Gasta-se tanto com bobagens, pq não gastar com isso? Beijitos amiga querida!

Giardia disse...

Mas levando pra nossas vidas, as vezes realmente faz bem revirar as gavetas interiores e jogar fora toda tranqueira...

bjusssss

Blog do Beagle disse...

Obrigada pela indicação. Bjs. Elza

pensandoemfamilia disse...

Oi Glorinha

Interessante o tema que trouxe, alguns sociólogos,entre eles Zygmunt Bauman e Giddens tratam de forma muito própria este nacionalismo exacerbado e preconceiros.
Vou procurar assistí-lo.
bjs

Glorinha L de Lion disse...

Giardia, tico e teco não compreenderam o que o furingo tem a ver com as calças, but, vai ver vc comentou no post errado.bjs.

Glorinha L de Lion disse...

Oi Elza, foi um prazer. bjs.

Glorinha L de Lion disse...

Oi Norma, achei bem interessante mesmo. Recomendo. bjs.

Kelly disse...

Adorei sua dica, mais um para minha lista. Agora ando tão sem tempo, que estou fazendo uma lista de filmes e livros para as férias rsrs beijos

www.comtextosdavida.com disse...

Gostei da sugestão, vou assistí-lo.
Bjs Lais

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Esse problema eu acompanho de perto. Os brasileiros que aqui chegam, na maioria dos casos, vem com documentação correta, visto especial de trabalho. Muitos acabam pela opção de não mais retornar ao Brasil, etc... E mesmo assim muitos tem dificuldade na adaptação, apesar da origem ser japonesa, não há familiaridade com os costumes e a cultura local.

Mas há um grande grupo de chineses, filipinos, tailandeses, vietnamitas, etc que vieram ilegalmente pra cá e vivem às margens da sociedade. E uma coisa que me deixa triste: sabia que muitos deles são denunciados às autoridades por nós, brasileiros? O pessoal fala "Ah, mas eu tenho o direito de ficar no Japão, ele não". E vão lá e denunciam mesmo para a imigração.

Glorinha. Esse caso de ser mandado para o país de origem na verdade já aconteceu, na era Vargas. Se puder, leia esse post que fiz, que conta a história verdadeira de uma senhora q era amiga de nossa família

http://lostinjapan.portalnippon.com/2010/06/mais-triste-historia-de-uma-familia.html

bjs

Glorinha L de Lion disse...

Oi Kelly, pode ver que é bem interessante, bjs

Glorinha L de Lion disse...

Alê, que triste isso né? Denúncias, gente desempregada tentando a vida fora de seu país...o mundo tá mesmo de cabeça pra baixo né? Ótimo depoimento.
beijos