sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Blogagem Coletiva - Orgulho Update



Há muito tempo eu queria falar sobre essa estátua. Chegou o dia.
Quem já teve o privilégio de ir ao Louvre, deve tê-la visto no alto de uma escadaria: É a Vitória de Niké, ou Vitória de Samotrácia ou ainda, a Vitória Alada.
É a escultura da deusa Atena Niké, a deusa Atena que traz a vitória.
A estória dessa escultura remonta ao ano aproximado de 220 - 190 AC, cujo autor provável era oriundo da ilha de Rhodes na Grécia e cuja execução, também provável, tenha sido para  comemorar uma vitória naval da ilha de Rhodes.
Foi descoberta em 1863 pelo arqueólogo e cônsul Charles Champoiseau, que a enviou para Paris sem as mãos.
A estátua foi achada em pedaços nas ruínas do santuário dos grandes deuses da Samotrácia, na ilha de mesmo nome, no Mar Egeu.
Ela fazia parte de uma fonte ou talvez um lago e foi esculpida em pedra calcária em cima de um granito no formato de proa de uma embarcação.
As mãos só foram encontradas em 1948 e permanecem numa caixa de vidro ao lado da estátua.
Ela é para mim, uma das mais lindas esculturas do mundo, por tudo o que representa, pela beleza de seu movimento, parecendo prestes a alçar vôo e à delicadeza de seus detalhes. Reparem no tecido parecendo molhado e colado à pele, numa mistura de pureza e sensualidade. E além do mais, eu sempre fui louca por cultura greco romana.
Bem, contei tudo isso, para falar de orgulho.
Ela foi esculpida em nome do orgulho de um povo, por um feito naval. Provavelmente pela vitória de um povo sobre outro, numa batalha.
Quantos povos não sobrevivem por seu orgulho como nação e por terem vencido guerras, batalhas ou por ter escravizado outros povos?
Orgulho pela conquista.
Essa deusa alada, pronta para alçar vôo, representa bem sobre o que quero falar hoje.
Sobre o orgulho de ser quem sou.
Outro dia, uma amiga me disse que me achava orgulhosa. Na hora, tomei um choque, porque estamos acostumados a associar o orgulho à arrogância, e sempre olhamos para essa palavra e para esse sentimento, como motivo de vergonha ou de negação, como também o fazemos com a inveja.
Associamos o orgulho a uma coisa ruim e pejorativa. Comecei a pensar se eu era ou não orgulhosa. O que minha amiga me disse e na mesma hora eu rejeitei, faz parte sim, da minha personalidade e penso, que também faz parte da personalidade de todos os seres humanos.
Quem não tem orgulho de um filho que se gradua numa universidade?
Quem não tem orgulho ao conseguir formar uma família feliz?
Quem não sente orgulho ao ver que perdeu aqueles quilos a mais, cujo sacrifício, exigiu demais de nós mesmos?
E o orgulho de saber?
O orgulho de ter adquirido conhecimento e cultura por mérito próprio?
Orgulho de ter corrido atrás dos desejos e realizá-los?
Orgulho por ter sido amigo na hora em que precisaram de nós?
São tantos e diários os orgulhos que temos, pois são fruto, muitas vezes, de trabalho árduo, de conquistas pessoais, de sacrifícios, dor, lágrimas.
Eu, sinto orgulho de ser como sou. E, sinceramente, não me envergonho mais disso.
Não tenho a falsa modéstia de fingir de que não gosto de ser elogiada, aplaudida, acarinhada e amada.
Não finjo ser quem não sou. Nunca fingi, não sei fazê-lo e mesmo que quisesse, não conseguiria.
Sinto um orgulho enorme de ter proporcionado, com meu jeito aberto e desaforado de ser, a oportunidade de outras pessoas se abrirem, refletirem, mostrarem as feridas e suas cicatrizes. Como eu.
Nessa imensa, gigante catarse coletiva que tem feito tanta gente tirar pesos enormes de si mesmas.
Sinto orgulho de mesmo tendo passado tanta coisa na minha vida não guardar ressentimentos, nem ódios, nem perfídias. E se, por acaso meu orgulho feriu alguém ou magoou outros, peço perdão por isso.

Às vezes posso parecer arrogante, confiante demais, ter uma autoestima lá no Himalaia, mas ao vivo sou diferente. O que me dá essa aparente confiança é meu orgulho de escrever bem, é minha intimidade com a escrita e com as palavras.
Nasci com esse dom, bem sei. Não foi uma coisa que adquiri por mérito próprio. Mas me orgulho da sua reconquista, pois era algo que estava adormecido e renasceu com toda a força que sempre houve em mim. E que nem eu sabia que tinha tanta.
Escrevendo diariamente no blog, pude exercitar, trazer de volta tantas reflexões, tanta coisa escondida de mim mesma, que hoje me conheço e sei da minha força. E me orgulho dela.
Mas hoje, meu maior orgulho, além da minha escrita, são os amigos que fiz aqui.
Me orgulho de tantos deles, que nem teria espaço para falar sobre todos. Mas mesmo frequentando pouco os blogs amigos atualmente, tenho lido cada coisa, tenho visto tanta dignidade, tanto caráter, tanta gente genuinamente boa, gente da mais alta estirpe do ser, que às vezes fico com lágrimas nos olhos ao escrever comentários por ter tanto a dizer que não cabe em palavras.
Tenho um orgulho imenso da minha filha Thaís, que enfrentando as adversidades que tem enfrentado, vem demonstrando ser uma mulher de fibra. Tem sido uma filha que muito me honra em ser sua mãe. E tem demonstrado que é bem minha filha e de seu pai.
Enfim, tenho muito orgulho de meus filhos, por estarem passando comigo por momentos muito difíceis e nunca terem tirado o sorriso do rosto ou terem se entregado ao desalento. E também eles tem passado por momentos difíceis em suas vidas pessoais. Mas nunca desistiram ou foram amargos por isso.
Tenho orgulho por estarem sempre ao meu lado, me dando força e coragem, força que também tiro de minhas entranhas.

O que posso mais falar sobre o orgulho, esse sentimento que todos temos, tivemos ou teremos um dia?
Só que sou orgulhosa sim e não tenho mais nenhum pejo em dizer isso. Nunca pisei ou humilhei ninguém, pelo menos, não por querer.
Não tenho pudor em me expor, em falar de minhas falhas, de pedir perdão.
Sou orgulhosa, mas o meu orgulho não prejudica ninguém.
Talvez assuste pelo meu modo de ser sincera até ao falar de minhas qualidades.
Pois acho que já que me mostro tanto e exponho tanto meus defeitos, nada mais justo que exponha também coisas nas quais acho que sou boa. Sem falsas modéstias ou pose de humildezinha.
Tenho certeza que um dia, em breve, vou estar frente a frente com a escultura da Vitória Alada e direi para ela:
Sou eu, a Glorinha, estou aqui extasiada diante de ti, também eu, uma vitoriosa.
Como tantas outras mulheres, guerreiras, aladas, em busca de seus sonhos, mas orgulhosa por ser quem sou.
E, já que estou aqui, diante de ti, deusa guerreira, saiba que Eu Consegui!

Update: Meus queridos e queridas, hj é dia do meu clube de leitura, por isso, só consegui comentar em alguns blogs. Prometo hj à noite comentar em todos, ok?
Beijos.

45 comentários:

Cantinho da Cê disse...

Glorinha, boa noite.

Mesmo sem sua autorização eu pela primeira vez, pois comecei recentemente meu blog, postei sobre o orgulho. E qual não foi minha surpresa ao ver esse seu post maravilhoso, que me deixou comovida. Adorei, de verdade. Estou orgulhosa de estar participando desta blogagem.

Mônica - Sacerdotisa da Deusa disse...

Olá minha linda flor!
Primeiramente peço-te perdão, pois estou um pouco ausente por conta do trabalho e só agora fiquei sabendo do seu irmão! Saiba que estou sim nesta corrente de vibrações viu, sem dúvida, conte comigo. Pelo que li sobre o comportamento dele, acabei lembrando do meu pai, ele era assim, arisco rs, não se deixava acarinhar, era bem engraçado pois eu sentia ele assim duro, meio estátua entende, toda vez que ia abraçá-lo ou beijá-lo. Eu falava que o amava, mais ele nunca respondia rs. O perigo é que esse tipo de pessoa sufoca muito, guarda tudo, não demonstra sentimentos e daí qdo menos se espera puf...no caso do meu pai foi uma parada cardiorespiratória e tal. Esses meninos viu? rs Dão trabalho rs. Querida, desejo de coração que seu irmãozinho melhore, nada é por acaso, tudo é aprendizado.
Qto ao post, simplesmente vc é maravilhosa né flor, guerreira mesmo, e olha que é bem capaz da Deusa te responder: Oi Glorinha, vc conseguiu mesmo, parabéns!
Grande beijo flor linda do meu ♥.

Flores e Luz.

Beth/Lilás disse...

Adorei o post, maninha!
E de quebra fiquei sabendo da história da estátua que não conhecia.
No mais, só posso dizer que tenho orgulho em tê-la como minha amiga querida.
um beijão carioca e inté!

Taia Assunção disse...

Acho que o sentimento mais exacerbado que tenho é o orgulho, já passei por poucas e boas nessa vida e sai com algumas cicatrizes, mas de um modo geral inteira de todas elas. Contudo, acredito que a linha que separa orgulho da arrogância seja um tanto quanto tênue e temos que nos cuidar para não passar uma impressão errada. Porque orgulho alheio pelas conquistas no decorrer de nossas vidas pode soar como agressão ao outro, assim como a felicidade. Como falar de filhos maravilhosos para uma pessoa que não pode tê-los, ou ainda para uma pessoa que tenha dificuldade em administrar a maternidade? Como falar de um matrimônio harmonioso para uma pessoa que não teve sorte em seus relacionamentos? Ou é melhor não nos incomodar com os outros e pensarmos apenas em nós e em nossas conquistas? Difícil não? Beijocas e melhoras para o seu mano.

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Isso eu estava conversando com uma amiga...pq na nossa cultura é tão bacana a gente falar que é "bostinha" (desculpe o palavrão), humildinho, simplorinho, mas é tão feio qdo a gente fala uma coisa bacana que a gente faz ou fez.
E não é falar com pose, para esnobar ou dar uma de metido. É só para reconhecer algo que fizemos com amor e que deu um bom resultado.

Vc vai ainda falar um monte de coisa boa pra essa escultura!
Adorei o post.
Bjs e bom dia

Thaís leão disse...

Mãe!Eu tenho orgulho de ter vc como mãe!E quando vc for lá bater um papinho com a Vitória Alada quero estar do seu lado.A gente fala isso pra ela e pra Gioconda tb! Tenho certeza de que seus sonhos vão se realizar, um por um, do jeito que vc quer.E um deles foi ter conquistado tantos amigos e amigas, coisa que há um tempo atrás(antes do blog) vc achava que não tinha. Esse blog mudou sua vida, seu ânimo e sua história.Tem mais é que ter orgulho mesmo!
Te amo, sua bigorrrna!
bjs

Tati Pastorello disse...

Glorinha querida, hoje sou eu que te chamo de alma gêmea!! hehehe
Onde assino NOSSO texto? kkkkk
Gente, eu ía lendo e achando que era de mim que você falava... Como assim? Hoje minha inspiração não estava em alta, mas falei algumas coisas parecidas (não tão bem faladas, hoje não saiu...). Adorei cada linha. Quero muito ver seu livro nas prateleiras, por que é muito bom ler você! Orgulhe-se mesmo! É fundamental.
Beijos.

Liza Souza disse...

Lindo post, GLorinha! Voce é uma guerreira, uma vencedora e tem mais é que se orgulhar disso, se orgulhar das suas conquistas e do seu jeito tao especial de ser. Tenho certeza que voce vai ter a oportunidade de ao lado dessa bela estátua, suspirar bem fundo e dizer em alto e bom tom que voce conseguiu infinitamente mais do que tudo que desejou. Deus sempre abencoa as pessoas bondosas e voce certamente é uma delas.
Beijos

Astrid Annabelle disse...

Bom dia Glorinha!
Suspeitei que fizesse um post assim!rss
Esse é o lado do orgulho que eu entendo por auto estima. As divergências ocorrem pelo fato de ser usada somente uma palavra para muitos sentidos.
Olha você me fez voltar no tempo e lembrar quando estive no Louvre! Foi um tempo intenso...
Linda escultura..lindíssima!!!
Representa muito bem mesmo o sentido de missão cumprida!!!
Bom, vou escrever mais uma vez a mesma coisa...adorei seu post!
Parabéns!Parabéns Glorinha de Lion!!!
Beijo grande de quem sente orgulho em ser sua amiga!
Astrid Annabelle

Camille disse...

Oi Glorinha,
Voce escolheu muito bem, essa estátua é linda demais e tem muito a ver com o tema. O orgulho como voce disse tem dois lados. Tudo tem dois lados, só Deus é uni-verso, ja diria o povo( quem olha assim parece ate que sou crente...)E utilizar o que cada sentimento tem de bom é uma arte.
Acho que fui orgulhosa demais, e desvirtuei um pouco a parada, meu texto acabou sendo sobre o sentimento da esperança. Pensei no seu irmão sabia? Tb no meu primo que esta vindo pra ca semana que vem, recuperadissimo de um AVC. As pessoas estao levando menos tempo para se recuperarem. É o lado bom do tempo estar passando rapido, como dizem os Fisicos.
Bjos,
Cam

Chica disse...

Que legal,Glorinmha!

Passaste do orgulho da história pra vida comum, essa que nos permite tantos orgulhos.

Temos vários em comum. Adorei ler!beijos,chica e lindo fds!

Deia disse...

Oi Glorinha! Realmente essa estátua é um assombro. Lembro de ter chegado no topo da escada do outro lado (como na última foto acima) e ter pensado: Meu Deus, eu consegui! Vim até aqui pelas minhas pernas, graças ao meu esforço! (As fotos não são digitalizadas, senão enviaria a você.)E admirei, com lágrimas nos olhos de emoção, essa belíssima estátua. Ao vivo. Orgulho da minha determinação!
Segui a mesma linha que você hoje. Não consegui pensar em orgulho de forma pejorativa, e sim como uma conquista: por algo que batalhamos, por algo que vencemos, por algo que conseguimos dar a volta por cima.
Acho que essa blogagem tem sido muito especial, pois ao falarmos desses sentimentos vamos revelando um pouquinho de cada um de nós - para quem nos lê e para nós mesmos.
Orgulho de ter chegado até você! Um beijo, Deia.

Leci Irene disse...

Bom dia, Glorinha!!!! teu orgulho é coisa boa, aquele que só faz bem!
beijos

Macá disse...

Glorinha
Conseguiu mesmo e vai conseguir muito mais.
Eu, assim como você, tenho muito orgulho de estar fazendo parte das pessoas que participam dessa Blogagem Coletiva, proposta sua, que tanto bem tem feito às pessoas.
Você pode e deve se orgulhar muito sim. Tem todo direito.
um beijo

Nilce disse...

Oi, nós aí outra vez!

Minha querida Glorinha. Acho que estamos antenadas nesta Blogagem.

Não escrevo bonito como você e depois de ter lido o texto da Bety, acabei me sentindo egoísta.
Chego aqui e lendo tanta coisa gostosa, tudo que tenho acompanhado de você e tendo certeza das verdades que você falou, voltei a achar que era bem aquilo que queria e tive forças para falar, eximindo-me de culpa.
Você é muito guerreira. Tenho muito orgulho de você. Orgulho de ter te conhecido, orgulho de poder lê-la e de logo poder compartilhar de uma das tuas maiores vitórias. A publicação do teu livro.

Amei! Somos mesmo orgulhosas!
Da vida e de nossas conquistas.

Bjs no coração!

Nilce

Manuela Freitas disse...

Olá amiguxa,
Com toda a sua frontalidade e autenticidade, o seu post saiu óptimo, abordando o tema do orgulho. Gosto de ti, porque tu és o que és e nada é simulado. Gostei também muito da sua referência especial sobre essa bela estátua.
Que mais posso dizer?
Vc é o máximo minha querida.
Tenho que te pedir desculpa, de andar afastada e só agora ter lido o problema que teve o teu irmão, desejo-lhe rápidas melhoras.
Beijocas,
Manú

Cris França disse...

Glorinha a transparencia é sua melhor qualidade, eu tinha quase certeza que teu post seria assim, só que o lance da Deusa, deu charme especial, ficou fabuloso. bjs

Isadora disse...

Glorinha, belíssimo texto como sempre.
Os orgulhos que você citou, também, os sinto. São decorrente de vitórias, conquistas e que carregam nossa mão, algo de nós.
É normal e natural sentirmos orgulho de nossos bons atos e atitudes, mas infelizmente, algumas pessoas extrapolam esse bom orgulho. É sobre isso que falo em meu post de hoje. Pessoas que sim, se acham mais merecedores, melhores que outros e isso para mim é o fim. Todos nós merecemos tudo de bom, todas as alegrias, os amores, os reconhecimentos, as conquistas, as cores e aí vem lá um sujeito se achando mais que outros. Por quê? Por que não consegue olhar além do umbigo. Afinal nem poderia. Existe outros umbigos - rs.
Um grande beijo e espero que seu irmão tenha um dia melhor, hoje e dia após dia

Zélia disse...

Glorinha,

Venho lá do blog da minha amiga Deia. Legal o teu texto. Tomara que ele consiga remexer com o orgulho daqueles que passam por aqui. O orgulho é uma das forças que podem nos levar mais longe.

Olha, não é tarde. É ainda manhã. Acabei de tomar um café com bolo... hummmmm! Momento mais ideal para vir aqui...

Saudações!
Zélia

António Rosa disse...

Glorinha,

Você me fez recuar até à uns anos, quando vi essa estátua ao vivo. Fiquei parado, ali, a olhar.

Quanto ao resto do post sobre o 'orgulho', creio que é uma questão semântica. A nossa língua comum tem destas armadilhas e depois, o povo faz o resto, não é?

Não creio que não seja a palavra adequada para tudo isso que mencionou.

Gosto imenso de a saber com excelente auto-estima. Admiro-a por isso e pela forma desassombrada como coloca as questões.

Beijo

António

disse...

O impacto dessa estátua é imenso mesmo. Você como sempre toca em pontos incisivos nos temas que escreve Glorinha. O orgulho é um desafio e você retratou suas infinitas possibilidades. Muito bom! Bjosss

welze disse...

que bom saber que seu irmão está bem. De meu lado, minha crença, mandei bençãos .É o que faço nessas horas. Quanto à vc, meu orgulho. Minha deusa alada ou não, cada vez mais linda, mais orgulhosa, mais importante para mais gente. Absoluta, te amo. bom final de semana

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Offtopic, rs.
Eu estava aqui matutando...tentando me lembrar aonde eu tinha ouvido falar dessa estátua. Sabia que era uma...música!
Pros padrões de hj é uma música muito brega. Mas foi o maior sucesso de 1979 aqui no Japão.
A música fala do que representa essa estátua, comparando com o sentimento de uma mulher apaixonada, que desvenda mares em nome do amor. E toda vez que a música era cantada, a intérprete usava um vestido que representava as asas da estátua.
bjs

http://www.youtube.com/watch?v=l31KZ2Y9GCI

bjs

Fátima disse...

Glórinha da garra e força do leão, e porque não do orgulho também.
Concordo com a Taia sobre a tênue distância entre orgulho e prepotência mas, como o julgmento é uma predominante do ser humano, não temos como fugir das interpretações errôneas, paciência não é mesmo.
Sua autenticidade e transparência são sem dúvida seu maior tesouro, conserve a sete chaves ( as enferrujadas citadas abaixo) e continue se orgulhando disso.
Mencionar a deusa Alada foi mesmo um must, e sei que vai sim estar frente a frente com ela levando seu livro a tira colo.
O que é seu está guardado, tenha certeza disso e ninguém tasca não.

Desejo melhoras ao seu irmão Renato, que ele se recupere logo.

Beijinho no coração.

Gina disse...

Glorinha,
Superar as adversidades e reconhecer o valor dos filhos realmente dão orgulho. Principalmente, quando não vem acompanhado de arrogância, como você disse. Podemos reconhecer nossos pontos fortes e fracos, por que não?
Bj.

Lúcia Soares disse...

Glorinha, como sempre, arrasou no texto. Saído do fundo da alma.
Tenho orgulho em participar dessa blogagem e ter acesso a tanto texto bem.

Só ontem li sobre o seu querido irmão e estimo que já esteja bem melhor.
Meu abraço a ele e estará em meus pensamentos.

Um beijo grande a você, força, coragem, mais do que já tem.
Orgulhe-se de ser quem é.

Bordados e Retalhos disse...

Glorinha amiga querida, quero muito um dia te conhecer pessoalmente e te dar um abraço apertado. Como vc é importante pra mim. Acho que nem tem consciência disso. Percebo, muitas vezes, através dos seus textos, que somos diferentes, mas mesmo assim gosto tanto de você. Quem disse que os que se amam precisam ser iguais? Tantas palavras lindas e de consolo recebi de você nesse tempo de sofrimento. Como tenho orgulho também em tê-la como amiga. Como grande artista que é, conseguiu lindamente associar a obra de arte com o tema da blogagem. Bjs querida, espero que seu irmão esteja melhor.

Mila Viegas disse...

Guxa,
Falou e disse!!! E vamos falar sério que essa escultura é primorosa!!! Quem sabe a gente não visita ela qualquer dia desses, hein? rsrs.

beijocas

orvalho do ceu disse...

Olá, Glorinha querida
No meio da tarde chego, enfim, ao seu post tão esperado.
Como tenho me deslumbrado com as postagens dos parceiros da sua Blogagem. Muito obrigada, tá?
Ambas falamos do DOM.
Que maraviha atribuirmos ao Mimo... ao Presente Doado... a tudo o que temos e somos.
Um grande abraço fraterno de paz.

Kelly disse...

Um banho de cultura!!!!! Adorei seu post, sobre o orgulho só tenho a dizer que é um sentimento que precisa ser mantido sob controle. beijos

Nika disse...

Lindo post, impossível não se delíciar com os seus texto, linda estátua eu não conhecia essa história, fiquei feliz em poder conhecer não só a belezxa mas a história tbm, esse orgulho que vc fala no post é o que eu chamo de orgulho sadio não só é ótimo sentirmos mas também necessário.
Vc é uma jóia rara Glorinah e deve se orgulhar disso sim..não esqueça de postar noticias do seu irmão.
bjs..

Socorro Melo disse...

Olá, Glorinha!

Amei a história da estátua da deusa, e um dia vou vê-la também,lá no Louvre, kkk
O seu texto está maravilhoso, recheado de muito orgulho bom, de muitas verdades, e muito carinho também.
Você é uma grande mulher.E acho bárbaro quem fala de si mesmo sem rodeios, sem floreios, sem hipocrisias, sendo autêntico e sincero, assim como você.
Adorei participar dessa blogagem, mexeu muito comigo, aprendi muito sobre os sentimentos, está sendo um grande debate. Parabéns pela idéia brilhante.

Beijokas
Socorro Melo

diariodumapsi disse...

Ei
Glorinha!
Esse sim é um orgulho bom de se ter! E pode se orgulhar mesmo pois escreve muito bem, tem de fato o dom da palavra!
Devemos ter orgulho de nossas vitórias!
Gd beijo

Glorinha L de Lion disse...

Renata Boechat e Leci Irene, não consigo entrar no blog de vcs! tem uma tal de abobrinhas na cozinha que está com malware segundo o blogger. Já tentei inúmeras vezes e não consigo! Tentem descobrir o que é, please! Quero ir lá no blog das duas e não há maneira de abrir pra mim! bjs.

Misturação - Ana Karla disse...

Salve!
Saudades de você Gloríssima.
Cheguei a tempo(rs)
Estou um pouco corrida, mas não esqueci do dia de hoje.
Vamos combinar que esse seu post arrasou mais uma vez, né?
Tudo de bom!
Xerosssssssss

Luma Rosa disse...

É questão de honestidade ao nosso amor próprio nos orgulhar de nossos feitos. Tenho alguns e queria lhe contar pelo menos um, mas sem cabeça para elaborar um postezito. Estou insone a semana toda com criança doente e recaída da minha pneumonia. Ah, e o ovi não abre nem a pau juvenal!
Sabe Glorinha, quando vejo você, uma mulher tão valorosa dizer do seu orgulho e ao mesmo tempo apontar as fraquezas que possui, penso nas pessoas contrárias, desonestas com elas mesmas - que usam de artifícios para camuflar sua verdadeira índole - principalmente sendo as quietinhas, santas, educadinhas... hehehehe.
Lembrei da minha mãe que em uma ocasião alguém lhe falou "D. Nair, a senhora é uma santa" e ela não demorou para responder "A última coisa que quero é ser santa, quero viver!"
Viver integralmente, olho no olho, com sinceridade, amor, amizade, carinho por tudo que lhe cerca - Sua casa, suas plantas, seus trabalhos artísticos, manuais ou mentais, seus filhos e filhotes, marido... sim, tem muito que se orgulhar! Construiu uma vida e vive! Bom fim de semana! Beijus,

Camille disse...

Glorinha,
Vim saber como esta seu irmão.
Beijos

GIL disse...

Oi Glorinha, estou indo aos blogs que falam sobre orgulho, essa minha visita ao seu blog é a primeira, adorei o texto de todo mundo, quando fala-se em orgulho, pensa logo em algo pejorativo, mas eu sempre digo de boca cheia, tenho orgulho da minha profissão, do meu trabalho....rsss....amo o que faço....rsss....é demais.......bjks....bom final de semana a vc.....Gil

Glorinha L de Lion disse...

Socorro, teu blog tb não abriu pra mim...snif, fico triste quando não consigo visitar todos. bjs.

Glorinha L de Lion disse...

Eu tenho grande orgulho de ter conhecido todos vcs que vieram aqui hj.
Sinto mesmo, de verdade.
Cada um do seu jeito. Um pensando assim, outro assado, mas mesmo nas diferenças, todos tão iguais em nossa humanidade, em nossas falhas e virtudes. Amei essa blogagem e já estou começando a ficar triste, pois só falta mais uma. Mas preciso voltar a escrever e a me dedicar 100% ao meu livro. Afinal, a Deusa Alada, A Vitória da Samotrácia me espera lá no Louvre e tenho que fazer jus a ela, voando atrás do meu sonho. Obrigada a todos. Meu irmão está um pouco melhor, a cada dia melhorando mais um pouquinho. Ela vai sair dessa e agradeço a todos que torcem por ele. Beijo enorme a todos. Boa noite e bom fim de semana!

Amica Philosophiae disse...

Glorinha,
Quem vê cara não vê coração... Vc tem um coração maravilhoso, uma alma linda, uma família linda e muito do que se orgulhar. Parabens, por ser assim.
Um bjo
Cynthia

Marliborges disse...

Olá Glorinha,
Lindo seu texto. Incisivo e transparente. Gostei muito mesmo. Essa estátua, eu a conheci "pessoalmente" e confesso, é de cair o queixo. Não é em vão que temos livros e livros no mundo inteiro fazendo conjeturas a respeito. Ela é mesmo uma das jóias raras da arte mundial.
Bjssssssssss

Yoyo Pizy disse...

Além de ser uma participação linda como poucas, você ainda nos deu uma aula de História da Arte.
Sei que o seu orgulho é um sentimento equilibrado e que tem mesmo muito do que se orgulhar, portanto, continue sendo do jeitinho que você é, continue nos dando a alegria de poder participar(mesmo que indiretamente) do seu mundo.
A Vitória de Samotrácia é uma das minhas obras preferidas também!Irei estar cara a cara com ela, no próximo ano e terei prazer em levar o seu recadinho,rs(caso eu vá antes de você,claro)
Bjo no core, minha flor

Mari disse...

Legal conhecer um pouco mais dessa bela peça do Louvre. :)

Glorinha,é mt bonito o jeito que vc fala sobre a sua família. Ter orgulho da nossa família, das nossas raízes e dar grande valor aos que são nossos é uma das coisas mais bonitas da nossa vida.

Beijos

Eduardo disse...

Glorinha sejamos orgulhosos das conquistas da nossa especie. Existe muito mais coisa bonita que ruins, muito mais mesmo e por isso devemos estar sempre orgulhosos.

Um abraco
Shrek