segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Encontros e Desencontros...

Hoje, passando por vários blogs amigos, coincidentemente, vários falavam sobre relacionamentos amorosos... Encontros e desencontros, decepções, expectativas, fidelidade...
Homens e mulheres são seres tão totalmente diferentes, que, sinceramente, não sei como foi possível a Natureza conseguir que nos apaixonássemos uns pelos outros...Talvez, tivesse sido mais fácil se as fêmeas só se enamorassem das fêmeas e os machos dos machos...
Mas, como a Natureza adora um desafio, resolveu que os opostos se atraíriam, em 90% das vezes...
Já pensaram como seria mais fácil ter filhos? As duas fariam um revezamento, em cada gestação uma carregaria a barriga e a outra, tranquilamente, esperaria a próxima vez para embarrigar...
E, na hora de se vestir?
_"Querida, me empresta esse seu vestidinho azul?"
A outra, sempre teria paciência para esperar e não ficaria nos apressando na hora de nos embonecarmos pra sair...
-" Vai meu amor, passa mais rímel e mais blush, você ainda está muito pálida".
Afinal, a gente não se veste é uma pras outras mesmo?
Homem lá repara se o vestido é novo ou de 15 anos atrás?
E celulite? As duas teriam, ótimo!
Mas o que faríamos sem esses doces trogloditas que nos acompanham resmungando ao shopping?
O que seria de nós sem esses meninos grandes chorando e quase desmaiando na hora do parto?
Como faríamos sem essas meigas criaturas que não sabem o que é celulite, photoshop ou peito de silicone?
Ao longo da vida, quantas e quantas vezes nos encontramos e desencontramos com o mesmo homem?
Quantas vezes choramos à noite, cabeça enfiada no travesseiro, loucas pra que ele nos ouvisse, enquanto ele roncava o sono dos justos?
Infidelidades? Não sei...
Traições? Acho que não...
Quantas vezes desconfiamos de um telefonema ou de uma mancha estranha na camisa?
Por quantas vezes sofremos caladas a incompreensão e a falta de diálogo?
Confesso, já senti tudo isso...e, creio que não há mulher sobre a face da terra, que um dia não tenha tido ciúme, desconfiança, desprezo, ódio, amor louco, paixão total...tudo, todos os sentimentos pelo homem com quem convive.
Quantas de nós, já não nos arrependemos de ter amado um só, de ter aguentado mau humor, por vezes, grosserias?
E, quantas de nós, não nos derretemos quando, depois de uma briga, ele chega com um ramo de flores e olhar de cachorrinho abandonado?
Amor é isso...é encontrar e desencontrar, perder e achar, amar e desamar, a mesma pessoa, milhões de vezes, pelo resto das nossas vidas...


12 comentários:

Claudia Bins (Cacau) disse...

Oi Querida Glorinha,

Passei rapidinho para agradecer os votos! Foi um aniversário feliz, em família, mas que teve a delícia dos votos dos novos amigos virtuais... maravilhoso!

Beijo grande,

Cacau

G I L B E R T O disse...

Glorinha

Post maravilhoso!

Bom humor e sensibilidade presentes em doses maciças.

RElacionar-se é mesmo assim...

Amor e ódio, fraquezas e fortalezas, encontros e desencontros, homem e mulher, errar e perdoar... enfim... enfim...

é no antagonismo que está o prazer de todas as coisas.

é das diferenças que todas as verdades nascem...

um beijo glorinha!

Silvana disse...

Glorinha

Fechei pra balanço faz um bom tempo, depois de uma decepção que quase me matou...

Nem sei mais o que é essa sensação de flores, de frio na barriga, de borboletas no estômago...

É ruim estar só, mas acho que dói menos... Foi uma escolha complicada, mas o atalho mais fácil: o da opção de não sentir pelo outro, apenas por mim.

Sei lá se foi a melhor escolha...rs

Beijooo

Amara e Rozani Pereira disse...

Oi Glorinha!
Que bacana o q vc escreveu.Ah, o amor!É tão bom amar e tão difícil tb!
Quando me apaixono, me apaixono de verdade.É fogo depois pra segurar a onda quando ñ da certo.Fazer o q? É assim mesmo!Amar e ser amada.Nada melhor.
Bjs, Rozani

Cris França disse...

Ri sozinha aqui Glorinha, mas ainda assim eu creio na sabedoria infinita do universo e na forma como todas as coisas , inclusive o amor , foram feitas.

mas que foi engraçado essa tua ideia foi...rs

António Rosa disse...

Glorinha Leão,

Vim conhecer o seu blogue e já sou seu seguidor. Gostei muito de a

conhecer. Encontrei aqui muito bom humor e grande sensibilidade.

«Um Esopo da era digital esse Antônio!» - Achei muita graça a esse seu comentário.

Vim agradecer-lhe o seu lindo comentário à minha fábula que a nossa

amiga Cris França publicou nas comemorações do aniversário do seu

blogue «Canto de Contar

Contos


Muito honrado e agradecido.

Abraço

António

Glorinha disse...

Benditas sejam as diferenças!!

ahhahaha

bjoooo e um cheiro de bolo de laranja pra vc

Thaís leão disse...

Oi,madre!
Vc tá que tá,hein?
Muito legal esse texto!Vou te agenciar pra vc escrever seu livro.Eu faço umas ilustrações bem lindas pra vc!
O almoço foi ótimo, muito bom reunir a família!
Te amo!

Thaís leão disse...

Ah! E que idiota aquele anônimo que mandou vc chamar o Chapolin pra te salvar.
Ainda por cima não assina,não!
Ele que precisa do Chapolin pra dar umas bifas na cara!

bjs

manuel marques disse...

A mulher começa por resistir aos avanços do homem e termina por bloquear a sua retirada.

Rsrsrsrsr.

Abraço querida amiga.

Açuti disse...

Oiiii

é por tudo isso que sou sua fã!!!!

Vc sabe exatamente o que sentimos e diz isso de uma forma deliciosamente engraçada e emocionante!!!!

Adoooorooooo tudo isso!!!!

super bjkssss

Noiva em Fúria disse...

Glorinha, melhor texto seria impossivel para descrever essa magica que é o amor.
Concordo em todos os sentidos, mas com toda certeza do universo não vou trocar meu querido brutamontes por nenhum diálogo de compreensão.
Ele simplesmente me completa...aiaiaiaia