terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Há Muitos Verões Atrás...No Bairro De Laranjeiras

Nasci no Bairro das Laranjeiras, tradicional bairro da zona sul do Rio...
No sábado, lendo a belíssima crônica do Arnaldo Bloch nO Globo, em que ele fala de suas lembranças de juventude, no mesmo bairro, me deu uma saudade danada de tudo o que vivi ali...

Morei em Laranjeiras até me casar, e estudei quase a vida inteira nos colégios dali, todos públicos...naquele tempo, todo mundo estudava em escola pública, a não ser os muito ricos...e mesmo assim, estudaram comigo, filhos de professores universitários, filhos de físicos, filhos de dono de cinema e também gente que morava em cortiço e favela...
Mas o ensino público, naquele tempo era da melhor qualidade....tanto que eu e meus irmãos passamos todos para faculdades federais na primeira vez em que prestamos vestibular...Nem se pensava na hipótese de passar para uma universidade paga...
Laranjeiras era e ainda é um bairro tranquilo e residencial...não tem quase comércio e durante muito tempo foi reduto das classes abastadas que possuíam chácaras e sítios pelas redondezas.
Machado de Assis morava no Cosme Velho, que é quase um sub bairro de Laranjeiras.


Lá fica a sede social do Fluminense Football Club, escrito assim mesmo...onde passava minhas férias indo ao Sorvete Dançante todos os domingos e à piscina, com minha turma de amigos, todos os dias...Como era bom, quando chegava o verão...iamos eu, minha melhor amiga Tetê, que atualmente mora em São Paulo, Regina, que hoje mora na França e Eliane, todos os dias, sem falta, e encontrávamos nossa turminha...e era um tal de paquera um hoje, outro amanhã! Quanto beijo na boca eu dei naquele tempo! E como era bom beijar...tudo na maior inocência...porque não passava disso...os meninos nem tentavam ousadias maiores porque sabiam que não éramos meninas para outro tipo de coisas...era só beijo mesmo e muito namoro...eu namorei acho que quase todos os meninos que frequentavam o Flu na nossa época...eu era danada! Danada, mas boba que só...nada comparado ao que as meninas sabem e fazem hoje.


Largo do Boticário - foto de MarcosD'Paula - Jornal O Estadão
O Largo do Boticário, também no Cosme Velho, é um beco cheio de charme, onde passava o Rio Carioca. Com suas casas de estilo neo colonial, hoje é reduto de pintores, artistas plásticos, mas já foi lugar de muito prestígio e requinte, onde havia altas festas do high society.

Essa é Rua General Glicério, uma das mais gostosas de Laranjeiras, muito arborizada, era onde morava minha madrinha, e onde eu adorava ir e tinha muitos amigos...foi aqui que me estatelei de bicicleta e quebrei não só um dente, mas arrebentei a cara toda...um dia eu conto essa estória...
Há uma feira livre aos sábados e há alguns anos tem chorinho com músicos tocando na pracinha e amigos se encontrando pra ouvir música, ficar bebericando e jogando conversa fora...

Essas são as famosas Casas Casadas, que foram restauradas e formam um magnífico conjunto arquitetônico onde no meu tempo de menina, era um cortiço horrível, imundo e dizem, um prostíbulo.
Fica no Cosme Velho o trenzinho para o Corcovado, a Igreja de São Judas, onde o time do Flamengo (meu time, embora frequentasse o Flu), reza nas vésperas dos jogos...
Em Laranjeiras fica o Parque Guinle, onde está o Palácio Laranjeiras, residência oficial do governador e o Palácio Guanabara, sede do governo estadual.
Lá fui criança, brinquei de roda e de pique enconde...não se tinha medo de nada, nem de ladrão nem de polícia, aliás, polícia naquele tempo era pra policiar, coibir e prender ladrão (o que era raro de ter também...), bem diferente de hoje, onde a gente não sabe de quem corre primeiro...
Era um tempo de inocência, onde as coisas aconteciam devagar...se ia para o colégio a pé, podia se andar pelo bairro à noite e brincar até mais tarde na rua...quase não passavam carros na rua onde eu morava...
Era um tempo em que os verões pareciam não ter fim...onde as meninas ainda brincavam com bonecas e os meninos de carrinho de rolimã...desciam ladeira abaixo, feito loucos, muitas vezes ralando os dedos...
Sempre que ouço essa música, me lembro com carinho do bairro onde nasci...



All Star
Cássia Eller
Composição: Nando Reis
Estranho seria se eu não me apaixonasse por você
O sal viria doce para os novos lábios
Colombo procurou as índias
Mas a terra avistou em você
O som que eu ouço são as gírias do seu vocabulário
Estranho é gostar tanto do seu all star azul
Estranho é pensar que o bairro das Laranjeiras
Satisfeito sorri quando chego ali
E entro no elevador
Aperto o 12 que é o seu andar
Não vejo a hora de te encontrar
E continuar aquela conversa
Que não terminamos ontem
Ficou pra hoje
Estranho mas já me sinto como um velho amigo seu
O seu all star azul combina com meu preto de cano alto
Se o homem já pisou na lua
Como ainda não tenho seu endereço?
O tom que eu canto as minhas músicas pra tua voz
Parece exato
Estranho é gostar tanto do seu all star azul
Estranho é pensar que o bairro das laranjeiras
Satisfeito sorri quando chego ali
E entro no elevador
Aperto 12 que é o seu andar
Não vejo a hora de te encontrar
E continuar aquela conversa
Que não terminamos ontem
Ficou pra ...Laranjeiras
Satisfeito sorri quando chego ali
E entro no elevador
Aperto o 12 que é o seu
não vejo a hora de te encontrar
E continuar aquela conversa
Que não terminamos ontem
Ficou pra hoje
Quem quiser saber mais entre aqui, tem tudo sobre o meu bairro...o bairro onde não há mais laranjeiras, mas onde ainda deve estar me esperando, em alguma esquina, a minha meninice... calçada com meu all star vermelho...





15 comentários:

DE-PROPOSITO disse...

Hum,... que descrição! Quase que me imaginei, passeando por lá.
Felicidades.
Manuel

Beth/Lilás disse...

Lindas lembranças, amiga!
Sei bem o que era este Rio da nossa época, apesar de eu ter morado primeiro no Lido até 8 anos de idade e depois o Méier (zona norte), tudo era desse jeito, lindo, lento, onde as coisas e as pessoas eram suavemnte desfrutados.
Meu marido morava em Laranjeiras também e na juventude andamos muito por ali.
Pena que o Boticário hoje está simplesmente intransitável, noutro dia estive por lá e fiquei com medo de descer do carro, tal o abandono do lugar e mal cheiro.
Estudei toda a vida em colégios públicos e que eram os melhores da época, realmente a gente saia dali direto para a universidade, o ensino era dos bons e os professores idem.
Belos tempos, lindos dias!

bjs cariocas

Cris França disse...

ai Glorinha cada foto linda...amo essa música de paixão...e deixo aqui...estranho mas ja me sinto como uma velha amiga tua!
E o Parque das Laranjeiras deve mesmo sorrir ao te ver passar...rs beijo mil e muito obrigada pelo teu carinho e pelas tuas palavras!

Cucchiaio pieno disse...

Oi Glorinha, que sorte a tua que naqueles tempos os namoros eram de verdade, poder beijar na boca e namorar com tranquilidade e respeito! Vc foi danada mesmo, heim?! Hehehe.
Nem me fale em quebrar dentes, pois fui a rainha do quebra dentes - hehehe! Prefiro nem lembrar.
Os lugares sao lindissimos.
Na minha infancia também adorava brincar de roda, pique enconde e de policia e ladrão.
Eramos felizes e nao sabiamos, ou ao menos nao tinhamos idéia do mundo que viaria pela frente!
Um grande abraço
Léia

manuel marques disse...

Outros tempos querida amiga.


Abraço.

G I L B E R T O disse...

Glorinha, doce Glorinha!

Não conheço o Rio, portanto, lógico, não conheço o bairro das laranjeiras.

Mas, de alguma forma, teu texto me transportou para lá e ví pelos calçadoes e entremeio os casarões, uma menininha loirinha vestindo um all star vermelho, andando de aqui para ali, de ali para aqui, fazendo algums estrepolias e picardias.

Tempos bons aqueles... Os nossos tempos, que não importavam se a gente estava no Bairro das Laranjeiras ou em Maringá, no Paraná, que a gente podia ficar nas ruas conversando e tecendo amizades - havia inocência e ingenuidade, não esta esperteza que levam as crianças e adolescentes sempre além de onde realmente deviam estar, sem prepara-los e, quase sempre, eles dão cabeçadas...

Tempos bons aqueles... Tão deliciosos quanto este teu post, minha amiga!

LI ouvindo Nando Reis cantando All Star azul!

Divino!

Grato pelo momento maravilhoso!

Claudia Bins (Cacau) disse...

Que delícia de Post Glorinha... me deu uma super vontade de passear pelo bairro que você descreveu tão bem... não vou deixar de ir da próxima vez que for ao Rio...:-)

Beijo,

Cacau

Silvana disse...

Glorinha,

O Rio transpira história do nosso país em casa um dos seus pontos e laranjeiras não poderia faltar.

Vc nos levou aos seus tempos de infância, esteja certa disso. Adorei esse post.

Qto às suas viagens para 2010, faz bem em ir a Paris e à Turquia, ambos lindos, apesar de muito distintos.

Ir para a Turquia hj é mais tranquilo, pois tem voo direto. Fui ano retrasado e adorei. Tem o estreito de Bósforo e tem mercados para fazer compras lá que são maravilhosos. É tipo um Paraguai refinado sabia?...hahaha

Tem muamba pra todo lado, só que de primeiríssima qualidade. Eles não falam que são cópias, dizem que se trata de uma reinterpretação da marca...hahaha. Ah, tá!

Trouxe muita coisa de marca com preço legal, Louis Vitton, por ex. Tudo falso, mas que passa por verdadeiro de tão perfeccionistas que os caras são. Não são da China, são deles mesmo.

Recomendo levar grana para jóias, pois são baratas em comparação às nossas e de boa qualidade. Eu amo jóias, pena que nasci na penúria financeira...kkkk

Tb recomendo umas casas de massagens que te massacram, mas te renovam completamente! São as casas de massagens mais antigas do mundo. Maravilhosas.

Tem as ruínas, mas essa parte achei muito chata pois nada de religião me apetece...rs. Cavernas horrorosas, vc no busão sofrendo com calor, uma miséria conhecer aquela velharia. Enfim, vai do gosto de cada um.

Paris é luz e é linda. Mas franceses são um porre total. 100% porre, 100% feios, 100% arrogantes. e foi isso que guardei de lá: gente chata demais.

A Grécia eu não conheço, mas tenho um amigão grego, o Dmitri Konstantinidis. Ele tira o sarro da gente dizendo que enquanto ainda estávamos nas árvores, tais como macacos, gregos já filosofavam...hahaha. E não é que ele tem razão?

Deve ser linda, com certeza! Com aquele marzão azul cobalto em contraste com a brancura da encosta... deve embasbacar...

Desejo que vc conclua seus sonhos, dê asas á imaginação e nos traga muitas surpresas.

Beijoooo

Lourdes Fiedler disse...

Uau... quantas lembranças! brinquei muito no Parque Guinle sentava numa folha e descia o morro abaixo, que delícia...

Morei no Catete, na rua Silveira Martins e estudei no Rodrigues Alves, onde fiz o primário.
Depois mudei para a Avenida Salvador de Sá (centro), lá eu vivi minha adolescência e conheci meu marido. Dormia ao som dos ensaios do bloco Bafo da Onça e corria à sacada de casa para ver as escolas de samba da zona norte passarem.
Várias casas foram demolidas, inclusive a minha, para dar lugar ao Sambódromo.
O lugar que a bateria das escolas de samba faz o recuo, era a minha casa..
.
Ah...! como passeei de mãos dadas com meus namorados pela Marquês de Sapucaí...namorei muito antes de conhecer marido, escondido da mamãe é claro, ela era terrível!!!
Quantos beijos e amassos foram dados embaixo das árvores, ai ai ai...
Sou Flamengo também e o Salgueiro é a minha escola querida, já desfilei por ela e em São Paulo pela Mocidade Alegre, vixe... são muitas lembranças, muitas saudades.

Muito bacana o teu post, Glorinha!
Um beijão.

Lourdes Fiedler disse...

Desculpe Glorinha,

As lembranças me fizeram viajar legal...

Não sabia da punção que você fez... mas está tudo bem não é? e o maridão...puxa vida, tudo acontece ao mesmo tempo!
Mas somos fortes e superaremos mais essa não é?
Um abraço, amiga.

Paulo Tamburro disse...

OI GLORINHA, que belíssima aula de história, juntando com suas lembranças familiares.Muito legal!

Aliás, uma carioca morando em Niterói só pode dar uma belíssima escritora, pois aprendeu tudo aqui e e aí (lugar mais calmo) pode exercitar esta beleza de sentimentos, sobre o Rio de Janeiro(município).Êta coisa boa!!!

Muito bom, Glorimha e que seu natal seja feliz junto aos seus.

Um abração deste, também carioca!

Maria Izabel Viégas disse...

Glorinha,
cada vez que te vejo, leio voc~e..mais me apaixono.
Ah..Laranjeiras, que bairro lindo.
E eu fui do tmpo em uqe a boa escola era a publica, de lá direto para Concuros e passávamos.
Não sei se pensas assim. trabalhei anos na área da educação e sempre disse, contraiando meus pares, que a Escola antiga era mais democrática. Explico: não se perguntava se era rico , mediano ou pbre. Era o saber que pesava.sabia passava, não sabia , estudar de novo...
Não se dizia como hoje:ah, não vou dar este conteúdo pois o aluno não vai aprender. isso élimitação, discriminação torpe e proposital, pois nivala-se por baixo, nem nas escolas particulares sempre há bom ensino pois já é uma práxis: O aluno não vai aprender.

Enfim...que post esmerado...

empre gostava de ir ao Largo do Boticário levar meus meninos...um pedacinho do passado!
Laranjeiras ainda tem o seu charme!!
Hoje moro em jacarepaguá...
perto do mar, perto de matas que sobraram.
Não vou mais ao teu bairro de mocinha... enfrentar o trânsito louco. Ai!
Mas, querida, como gostei de te conhecer!
beijos n'alma!

Vice disse...

Glorinha, que linda sua postagem, viajei por aí, e que linda foi sua juventude, realmente a vida era outra, aqui no interior tbm as coisas mudaram e muito, outros tempos.
Bjs

Glorinha Leão disse...

Meninos e meninas da minha vida!
Amei os comentários...amei tanto que escrevi outro post hoje sobre o assunto Laranjeiras...são tantas as lembranças, que dariam um livro,e, uma coisa vai puxando outra....
Agradeço demais o carinho de todos.
Beijão!

Amara e Rozani Pereira disse...

Oi Glorinha!
Que bacana lembrar de coisas tão boas!Hoje eu tenho certeza que se a infância ñ foi a melhor parte da minha vida, é uma das melhores!
Engraçado eu conheço vc alguns anos...já conversamos muito, mais estou conhecendo vc de fato agora!
Que coisa louca é essa tal de internet.
Gostei muito de saber da sua infância e adolecência!Que delícia de lugar que é Laranjeiras.
Agora vou ler a outra parte.
Bjs, Rozani