quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Blogagem Coletiva - Minha Ideia é Meu Pincel

Coragem

Ao olhar para essa mulher de olhos tristonhos
Vejo a mim mesma e à tristeza em meus olhos
Vejo a mim e aos meus sonhos
Como num espelho sem vidro
Vazio, moldura
Como numa janela em escombros
Seu olhar me transmite
A dor dilacerante da alma
Tão grande
Que por vezes se torna física
Que fere
Machuca a carne esfolada
Corpo e alma
Em carne viva
Mesmo tendo a noção exata
De que a vida existe além de mim
E que continuará existindo
Esteja eu aqui ou não
Esteja eu triste ou feliz
Cantando ou a chorar
Pelos cantos
Ao olhar seus olhos sem esperança
Vejo a mim mesma
Que espero tanto
E que sei, no entanto
Que não há deuses olhando por nós
Como pensam as pessoas
Que não há saída para os males do mundo
Somos nós
Só nós
Os deuses de nossa existência
Pássaros voam
Borboletas borboleteiam
Mas, as raízes das quais somos feitos
Estão lá
Nos ferindo
Torturando
Enraizadas na impaciência
Do eterno querer brotar
Lembrando a todo momento
De que nada vale a pena
E que, entretanto
Tudo vale a pena
Vale a pena até sonhar

Minha loucura
É minha lucidez
Minha covardia
É de onde tiro minha força
Renasço
Todos os dias
À fórceps
Me levanto
Mesmo quando
Não quero acordar
Pela manhã
E teimosa
Me desobedeço
Se a Arte é a Vida
Quero viver por Ela
Quero emergir do fundo
E respirar por Ela
Quero Ser por Ela
Pela minha Arte
Sim, é preciso
É preciso que eu lute
E sofra
E ame
Ressuscite
Mil vezes
E reproduza a Luz
Para a qual fui feita
Saindo do breu
Ofuscante
Do escuro
Liquefeita
Por Ela
Por minha sobrevivência
Olho nos olhos
Da solidão
E retalhada
Retorno inteira
Sem me arrepender
É preciso mesmo
Muita coragem
Para viver.

39 comentários:

Malu Machado disse...

Glorinha, que linda mulher você é !

Adorei,

Beijos,

P.S - confesso que este foi o post mais difícil para mim nesta blogagem.

Beth/Lilás disse...

Olha, maninha, pode até traçar este paralelo entre Frida e você mesma, no entanto lembre-se que ela, Frida, lutou, não se entregou mesmo diante das dores físicas e perdas, teve garra e determinação que a levou a sobrepor-se a todas as controvérsias em sua vida e suas eternas dores.
E sua arte está aí, brilhando até hoje.
Oxalá você consiga o mesmo!
beijo e abraço carioca

Glorinha L de Lion disse...

Oi Malu, obrigada! E pra mim não...foi até oportuno pelo momento que estou vivendo de extrema dor de alma...me vi nela. beijos,

Glorinha L de Lion disse...

Beth, embora às vezes me dê um certo desânimo, sei que vou continuar lutando e Santa Frida é meu exemplo de coragem e perseverança. Eu tenho a força! Aliás, todas nós temos não é?
beijos,

Astrid Annabelle disse...

Olá Glorinha!
Você sempre perfeita, na dor e na alegria!
Eu não afinei com a energia da Frida. Fazer o que não é?
Foi um desafio e tanto fazer um post sobre este tema.
Um beijo grande querida.
Astrid Annabelle

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Não é fácil fazer um auto retrato. Porque se é auto-retrato não dá para marcar apenas nossas qualidades. Entram as sombrancelhas grossas, o buço, o olhar triste.

entendi o seu auto-retrato.
que tem marcas duras
que também se sente paralítico
pelo bonde da vida que segue o caminho errado

vc segue no bonde das artes
e o trem que vem é da ignorância sem cultura
e o trem atravessa seu caminho
e trava seu passos...
e te causa dor profunda

que vc encontre todos os coletes necessários, todos os tratamentos e cadeiras de rodas...
mas não pare de se locomover com sua arte
e leve-a aonde você quer levá-la
que um dia você chegará lá.

vc é forte que nem a Frida.
e não nasceu e esta aí apenas porque tem espaço no planeta.

segue em frente, Glorinha.

Camille disse...

Ola Glorinha,
Que poema mais doído. E tb mais bonito!
A Frida é a minha preferida. É cheia de sensibilidade, mas muiiiito dolorida, ate com dores inconfessas, por mais que ela confidenciasse suas coisas, nos quadros, nos textos, em todo lado. Tinha uma parte que era para a gente ler nas entrelinhas mesmo. Dramatica, histrionica feito ela só. E genial.
bJOS da Cam ( voce recebeu meu email?)

Camille disse...

Mais uma coisa que admiro na Frida: era a propria imagem da determinaçao. Estilo levanta, sacode a poeira e da a volta por cima. Uma baixinha toda quebradinha e emendada,mas uma mulher inteira.
Bjos

António Rosa disse...

Glorinha

Gostei muito do seu poema. Rasgado, intenso e a exigir coragem para se viver. Belo poema.

Eu aprecio particularmente a obra colectiva da Frida, já tive a sorte de ver 3 grandes exposições dela que me deixaram horas em frente aos quadros.

Beijos, e vamos a caminho da última semana.~~

Ant´nio

Suziley disse...

Coragem e fé!! Um grande beijo, Glorinha, um bom dia prá ti! :)

Chica disse...

Gostei de ver como conseguistes te identificar com ela.

Tu és forte como ela, porém, sem esses traços duros e autoritários na face, que me irrita muito nela.rsrs beijos,lindo dia!chica

pensandoemfamilia disse...

Oi GLORINHA

Foste no fundo da alma e ressurgiu em seu poema. Frida é um símbolo de luta, vida e superação.
Esta sua escolha nos trouxe um grande desafio de nos fazer perceber a GRANDEZA da vida e refeltir sobre nossa passagem por ela.
bjs,

Yasmine Lemos disse...

Oi Glorinha, vou tentar fazer minha parte, falar em Frida e entrar na sua blogagem coletiva e super desafiadora .
bjs
bom dia

Elaine disse...

Oi minha querida, sua postagem foi fundo, hein
Acho que precisamos mesmo de coragem para a vida, mas acho que ela é a coisa mais linda do mundo e não sofro tanto assim, rsrs
Essa tela eu adorei,beijos e até a próxima!

Élys disse...

Glorinha
Frida, sofreu,lutou.
Na vida não faça comparações.
Você é uma pessoa linda, forte e está nessa vida, como todos nós para um aprendizado, para vencer e todos venceremos.
Beijos

Mylla Galvão disse...

Glorinha,

Belíssimo poema... Não há como não se emocionar...
Acabei de postar a minha participação!

http://vidaslinha.blogspot.com/2010/11/bc-minha-ideia-e-meu-pincel_25.html

Posso te dar uma sugestão para a próxima semana?
Os girassóis de Van Gogh...
Servirão para te alegrar e te aquecer o coração!
Pense nisso e depois me dê sua resposta lá no Blog!

Bjo no core!

xunandinha disse...

És de facto brilhante a escrever brincas com as palavras.Adoro a tua maneira de escrever, também gosto de escrever ,mas sou uma bébezinha ainda comparado com tanta sabedoria, beijinhos e continua escrevendo e dando estas fotos maravilhosas

Manuela Freitas disse...

Querida Glorinha,
Poema excelente onde mergulhaste em ti e no estado de espírito em que vives!
Não é fácil viver, mas lembra-te da vida adversa que Frida viveu e se tornou uma pintora «sui-generis», inquestionavelmente uma grande pintora!
Força minha querida amiga, tu és uma mulher maravilhosa!
Beijos afectuosos,
Manú

Macá disse...

Glorinha
Você sabe que ontem, ao não conseguir escrever sobre a Frida, tentando e jogando vários rascunhos, fiquei imaginando o que você faria hoje e creio que não me enganei. Pelos seus últimos posts, achei mesmo que você poderia se comparar com ela: momentos tristes, sofridos mas com muita garra para dar a volta e viver.
Melancólico o seu poema, mas retrata totalmente a tela e o seu momento.
beijos carinhosos

Anônimo disse...

GLORINHAAAAAAA É A SUZANA DO SORRISODEMULHER
SOCORROOOOOOOOOOOOO!!!
quem me lerrrrrrr
AMIGAS QUERIDAS
PERDI A SENHA DO MEU BLOG, NÃO CONSEGUI RECUPERA-LA POR MAIS QUE TENTE, ALGUEM AI SABE ALGUMA COISA
AJUDEMMMMM EU VOLTAR AO MEU BLOGUINHO AMADO IDOLATRADO ...SALVE SALVE -MEEEE
RSRS
suzanna.wilches@hotmail.com
www.sorrisodemulher.blogspot.com
FAZENDOARTE.FA@HOTMAIL.COM

Maria Helena disse...

Oi, minha querida!
Realmente a dor nos traz uma solidão inimaginável e que nos faz entrar no fundo do poço da alma para, possivelmente, de lá extrairmos as pérolas que serão alicerces da arte que é viver.
Eu, quando estou com uma dor bem profunda e que não cabe mais em mim, imagino que é Deus fazendo curativo, tirando as peles envelhecidas para que eu possa ressurgir com outra roupagem. Eu consigo me acalmar com essa imagem e acabo caminhando ao lado da esperança.
Você é uma pessoa muito forte. A prova maior disso é que não nega sua dor e compartilha conosco. Você não brinca de esconde-esconde com a vida, é autêntica na alegria e na dor.
Estou enviando para você os meus melhores pensamentos e as minha melhores energias.
Força!
Beijão!

Lu Souza Brito disse...

Olá Glorinha querida,

Uma mulher de fibra, garra e muitas lutas, com certeza.

Esta parte do seu post acho que me diz muito sobre quem você é:

É preciso que eu lute
E sofra
E ame
Ressuscite
Mil vezes
E reproduza a Luz
Para a qual fui feita
Saindo do breu
Ofuscante
Do escuro.

A força está com voce e a luz também. Por mais que não acredite nisso ou naquilo, não se deixa abater e segue em frente! Batalha diária.

Um super beijo
Lu

Socorro Melo disse...

Olá, Glorinha!

Muito forte, e emocionante, seu poema.
A vida se nos apresenta, todos os dias, com tantos obstáculos, tantos desafios, que às vezes, nos ferimos, desanimamos, nos sentimos sós, mas, a beleza da vida é justamente a coragem de levantar das cinzas, renascer, ter esperanças, e combater.
Sem sonhos, a vida perde a graça. E muitas vezes, a glória dos nossos sonhos, é conquistada à força mesmo, mas, o que importa é sermos perseverantes e confiantes.

Obrigada pelo seu carinho.

Beijos :)
Socorro Melo

Barbie Girl disse...

É claro que você pode até encontrar semelhanças entre você e Frida, mas se inspire também em sua força e garra e coloque sempre cores em sua vida como ela. Nós podemos ser felizes sim e ter momentos infelizes que servem como amadurecimento e aprendizado!

Estava sumida, mas voltando à essa blogosfera querida!

beijos

orvalho do ceu disse...

OI, querida Glorinha
Chegando na metade do dia para dizer-lhe pouco:
falar que sua poesia tá linda é chover no molhado...
Vou, então, pelo sofrimento interno da Artista em questão
Tanto vc como eu sabemos a Arte de sorrir quando a vida nos diz não!!!
E que, no dia de hoje, possa vc ter muitos sorrisos a dar no lançamento do livro da sua amiga...
Quanto a mim, to morrendo de medo de ir pro RJ nessa onda de violência pro show do Vinicius.
Bjs de paz e tenha excelente fim de semana com paz interior junto aos seus queridos.

Lúcia Soares disse...

Glorinha, "é preciso mesmo muita coragem para viver", sim.
Concordo.
Mas também é preciso acordar, abrir os olhos e a janela, não da casa, mas da alma, e deixar o dia entrar, em forma de vida.
Estar aqui, crer ou não em Alguem especial é opção.
Acredito que para ser feliz basta querer. Basta escolher.
Frida viveu suas dores e desencantos pintando a realidade dela.
Mas podemos fazer de nossas telas um campo de girassóis, ou uma campina verde, extensa, onde corre livre um cavalo que só quer sentir o vento no focinho, feliz por poder saltitar por aí.

(sou boa pra animar, mas eu mesma...rsrrssr)
Beijo!

Isadora disse...

Glorinha, as palavras são suas grandes companheiras. Ao chegar aqui só me certifico disso.
Gostei muito da analogia das vidas. Sim, sofremos. Sim, temos tristezas, mas, sinceramente, não consigo imaginar o sofrimento pelo qual essa mulher passou e as tantas adversidades que teve que enfrentar. Conviver com a dor não deve ser nada fácil.
Um beijinho

disse...

Olá Glorinha!!! Passei para te deixar um beijo, dizer que participei até a última quinta, pois estou naquele tempinho que todos nós precisamos para colocar as idéias em ordem. Quando eu retornar, de fato, continuarei participando das suas blogagens que são sempre geniais. Bjoss

Siala disse...

Glorinha, este foi o quadro que eu mais gostei até agora. Mas eu sou suspeita porque a Frida é uma das Mulheres da minha vida! A primeira vez que vi um quadro dela fiquei incomodada, não gostei...mas fiquei também intrigada. Então decidi saber quem era Frida...e me apaixonei pela sua arte e tudo o que ela simboliza!
Obrigada por nos trazer Frida :)
Namasté

Lianara **Lia** disse...

Glorinha, querida!

Você foi perfeita! Traçou um paralelo entre suas dores, seu desanimo, sua coragem para vencer as adversidades com a figura da Frida.

Eita mulher instigante essa Frida, não acha? Dor e força é o que vejo nela. E também vejo isso em você!

Pra mim foi uma catarse esta blogagem. Quando a vi pensei que nem conseguiria escrever. Consegui e te agradeço mais uma vez por me incluir neste rol de pessoas que se desnudam e se mostram tão reais.

Agradeço também as palavras de carinho pelo meu aniversário.

Um abraço carinhoso pra você, Glorinha!

Lia
Blog Reticências...

Susana Vitorino disse...

Uff! Querida Glorinha!

Esta mulher puxou tanta coisa em todos nós! Estou a amar esta blogagem.

Mais uma vez Parabéns! Obrigada por reunir esta família.

Desafiei um amigo meu. Ele te deixou uma comentário dizendo que ía da minha parte, como não vi ele na sua lista... VocÊ aceitou ele na blogagem.

Acabou de postar... e postou um texto tão lindo! Já dei as boas vindas para ele nesta grande família em movimento.

Pelo sim, pelo não... aqui fica:

http://odiariodeonan.blogspot.com/2010/11/blogagem-colectiva-minha-ideia-e-meu.html

Este é o link para o post dele. E ele escreve maravilhosamente bem.

Um beijo grande grande e caramelizado*

manuel marques disse...

Todas as virtudes são coragem e você é uma mulher, cheinha de virtudes...
beijinho

Luma Rosa disse...

Neste autorretrato ela me parece bem serena e até mesmo decidida! As raízes passando pelos ombros a caminho do colo, como se as plantas estivessem invadindo o seu corpo, vem o pensamento que ela se sentia como parte da natureza. Um ser natural, a tríade que forma a essência da vida na terra - animais, ser humano e plantas.
Só agora consegui postar! :)
Beijus,

lolipop disse...

Era Verão. Um Verão tingido por aquele colorido amarelo-ocre que pinta as casas mexicanas. Em frente ao Hotel Deseo havia um restaurante-bar...o "Frida Khalo". Na minha primeira noite no México, atravessei a rua, a alma perdida algures no jet lag, e afundei más memórias no gosto forte da tequilla rodeada de retratos gigantes da Frida...dor, paixão, coragem, incompreensão, caos, criação, arte, vida...os lábios dela pareciam mover-se, os olhos dela procuravam o mais fundo dos meus...foi num Verão amarelo e ocre.
Foi deste momento que me lembrei ao ler o seu texto...
Tenho a certeza de que ela, a Frida, se ia orgulhar de vc, minha amiga Glorinha!
Ternuras
Obrigado por seu carinho no meu canto!!

William Garibaldi disse...

Oi Glorinha, esta Blogagem coletiva está sendo uma delícia! Estou amando visistar todos os Blogs!
Sabe que também me identifico com ela! Tanto que tenho medo!
Com muita coragem estou acessando um final ou melhor um recomeço mais feliz!
Amei a postagem você é uma Poeta!
Ao olhar seus olhos sem esperança
Vejo a mim mesma
Que espero tanto..." Lindo demais!
Você é uma mulher genial!
Beijos Literários!
William Garibaldi

Nilce disse...

Gostei do teu texto Glorinha.
Frida passa seu sofrimento na tela, você pede socorro no poema. Passa o que sente, o que vive.
Mas como Frida, vc é forte, tem garra e vai conseguir vencer.

Bjs no coração!

Nilce

LILIANE disse...

Glorinha
primeiramente, peço desculpas por não ter vindo antes.
tive uns probleminhas contornáveis quando estou bem, mas difíceis.
então agora é que estou conseguindo concentração para comentar.
gostei muito do que escreveu
ontém, quando li, me vi ali
hoje, quando li de novo, me pareceu ainda mais forte e intenso.
essa blogagem me mostra o quanto preciso crescer, aprender, tantas pessoas que desconheço, com por ex. Frida
não sei quem foi, o que pensou.
às vezes, fiquei incomodada com tamanha ignorância da minha parte.
rsrs
me senti uma matuta, verdade, alguém sem um pingo de cultura e informação.
depois fiquei feliz porque compreendi que cada pessoa conhece apenas um pedacinho da vastidão do universo.
assim, eu cresci nesta blogagem.
agradeço a oportunidade de participar do seu grupo seleto de amigos.
abraço.
bom fim de semana

Glorinha L de Lion disse...

Lili, vc leu o post que fiz falando sobre o "não saber"? Pois então, às vezes o fato de não sabermos algo ou não o conhecermos, essa "virgindade" do olhar, nos mostra coisas que o mais sábio dos homens não consegue enxergar...feliz dos que acham que nada sabem, pois esses são os que sabem tudo...beijos, fique bem!

Bombom disse...

Só para te dizer que gostei imensamente do teu texto-poema!
Identifiquei-me muito com ele, pois tive a mesma ( que presunção) sensação frente àquela Mulher Atormentada. Era este o nome que eu daria a esse quadro!
De resto, está tudo dito: para nós, és uma Mulher com muita garra! Como dizia o nosso querido Alex, Vai em frente, que lá chegarás!
Bjs. Bombom