sexta-feira, 12 de março de 2010

Pobreza Não É Virtude - O Globo



Tinha que compartilhar com vocês esse artigo publicado ontem, no jornal O Globo, sobre a pobreza e porque o fato de ser pobre torna as pessoas intocáveis, dignas de pena, como se nós, a classe média, a que paga impostos, a que mantém o país funcionando, fosse culpada e responsável por essa pobreza. Esse artigo me surpreendeu pela lucidez e pela coragem, já que falar mal de pobre hoje em dia é políticamente incorreto. Não estou falando do pobre honesto e trabalhador, pois sei que há milhares assim...Mas há um culto à miséria no Brasil, um paternalismo, que causa uma grande confusão: ter situação financeira boa, ou mesmo enriquecer nesse país é visto com maus olhos...e, pelo que eu saiba, todas as pessoas que fazem parte do meu círculo de amizades ou conhecimento, tem o que tem por trabalharem, acordarem cedo e ir à luta todos os dias...nada caiu do céu para nenhum de nós.
Leiam e digam o que pensam sobre isso. O artigo é excelente! Cliquem no título abaixo e a página se abrirá.

Pobreza não é virtude - O Globo

13 comentários:

Cucchiaio pieno disse...

Amiga o "pobrismo" e o "vitimismo" (como diz a matéria), sim é paupérrima! Mas o Lula colaborou muito pra isso, né?! Com aquela falsa humildade, levou todo mundo no "bico" e as bolsas "preguiças", conquistaram tantos votos da classe referida, afe!
Bjos
Léia

Cucchiaio pieno disse...

Glorinha
Pode usar o aspargo em conserva, pique e coloque quando o arroz estiver al dente.
Bjos
Léia

Barbie Girl disse...

Passando para te deixar um grande beijo e bom final de semana, com um solzinho doce e refrescante!!

beijos

Glorinha L de Lion disse...

Léinha querida, o presidente dá o exemplo, dizendo que mesmo sendo pobre e analafbeto chegou lá...como se ser pobre e ainda por cima não saber ler fosse uma vantagem!
Isso é que dá eleger mulla....
Beijinhos...

Léia, fiz o arroz selvagem com camarão...ficou bom, mas prefiro com o arbóreo...bjs.

Barbie, já passei lá pra te dar um beijo tb!

Paulo Tamburro disse...

GLORINHA,

gostaria de apoiar publicamente, sua posição em relaçao a matéria corajosa de O Globo.

Sou professor universitário e esta minha atitude é porque irei indicar seu blog para alguns dos meus alunos e gostaria que eles vissem esta sua opinião e a matéria, enfim.

Estabeleceu-se neste país a ditadura do analfabetismo e querem reinar à custas do Império dos Miseráveis!

Em geral, não emito minha opinião formal em certos assuntos sócio-políticos, por achar que a ressonância e mínima,ou nula.

Mas como dizia o filósofo Nietzsche:

-" Se você não puder iluminar o mundo como um sol, acenda pelo menos uma vela".

A minha também, está acesa.

GLORINHA, minhas crônicas são de humor, e caso queira visitar-me em meu blog, ficaria imensamente honrado.

Um abração carioca e parabéns pelo dia 8 de março!

Renata disse...

Glorinha L de Lion ( amei esse nome)!!!!
Menina, e este não é o país onde ser a pobreza ganha premio? Sim, na forma de bolsa família, bolsa gás, auxilio moradia...uai, aqui é bom demais ser pobrinho...vivendo como coitadinhos e atacando os riquinhos...
Sr Lula, que paizinho o senhor vai deixar pra nós hein?

Isadora disse...

Eu super concordo!!!
E adorei o post anterior também, vc anda inspirada hein!
Bjs

Cláudio J. Gontijo disse...

Bom dia, Glória.

A pobreza no Brasil é fruto de uma herança perversa. Ela caminha ao lado de: informação, preconceito e má distribuição de renda.

Concordo quando vc contextualiza o fato.

Os bolsa família, alimentação e tantos outros programas, que estão sendo ampliados por este nosso senhor presidente populista, são perigosos. Paradoxalmente, fomentam a miséria.

Obrigado pela visita e pela acolhida, sempre cheias de delicadeza.

Glorinha L de Lion disse...

Paulo, que bom que veio aqui me dar apoio...isso é difícil nos dias de hoje...todo mundo fica encolhido com medo de parecer politicamente incorreto...vou lá no seu blog te visitar, pois já não passo lá tem um tempinho. Obrigada pela visita!

Renata, gostou do nome de condessa francesa? É pra ver se assim, atraio a tal "viagem", sabe amiga?
Estou pasma, como todo mundo concorda comigo...então me diz, como é que esse mulla tem 80% de aprovação????
Beijos

Isadora, mais uma, oba! Estou certa, acho que esses números do ibope são fajutos....bjs

Cláudio, concordo com vc...o que não pode é endeusar os pobres e cair de pau em conseguiu com esforço e trabalho ter bens, casa, carro...aqui o pessoal cai de pau em quem essas coisas e toma de fazer filme favela-cult...obrigada por me entender. Abração.

ROSANA VENTURA disse...

Eu ja havia visto a matéria...e como jornalista, concordo que foi uma matéria muito "corajosa"!
Infelizmente o culto a pobreza virou modinha...sabe...
Bora cultuar quem levanta as 5 da manhã para pegar no batente ( eu, classe média, ás vezes faço isto), e que tem o que tem porque "sim" porque batalhou muito para isto.
Ja tem gente achando que ser honesto é sinonimo de ser pobre.
Há um certa incapacidade em prosperar, e quem prospera é porque esta fazendo algo "errado" ou "ilegal"...Agora, ter 5,6,7 filhos, botar na rua para pedir comida porque obviamente não tem como garantir isto p/eles, é perfeitamente legal...
Ah...vou até parar por aqui porque este assunto sempre me perturbou, e vejo que não sou só eu...a hipocrisia, minha amiga, infelizmente virou modinha.Os "pobres" ( de espirito, principalmente) não querem ter um filho instruido, preparado para o mundo,eles preferem deixa-lo jogando pelada na rua, vai que vire jogador de futebol, fique rico e famoso...ou quem sabe até, se não estudar, ficar semi-analfabeto, ainda tem uma chance maior: Virar Presidente...!!!
Não é "preconceito", é encarar a realidade de frente. Não falo de todos os pobres, infelizmente em toda classe social, como em todos os campos da vida, há o lado bom, e o ruim...mas, pelamorrrrrrrrr, bora cultuar coisa boa, que realmente sirva de exemplo!
AMEI o post!
bjo

Glorinha L de Lion disse...

Rosana, vc disse tudo: meu marido é um desses que acorda todos os dias às 5 da manhã, às vezes trabalha aos sábados, rala, paga impostos, não tem "gatonet", nem gato luz, nem bolsa esmola nenhuma: TRABALHA e com o suor do seu trabalho conseguiu alguma coisa na vida, mas aqui o culto romântico de que todo pobre é bonzinho e não tve oportunidades na vida, isso é simplificar e desculpar o que não tem fundamento: um amigo nosso, era paupérrimo, entrou na faculdade, não tinha dinheiro pra comprar livros, estudava na biblioteca, hoje sabe 4 línguas e viajou o mundo todo...alguém deu alguma coisa pra ele? Não, ele lutou, se esforçou e venceu sozinho. e conheço muitos e muitos casos assim...agora, pergunta pra uma doméstica se quer trabalhar sábado, ou prum zé mané se quer varrer seu quintal????
Assim é mole, minha querida, existe no Brasil a indústria da pobreza..não estou generalizando pois há excessos aos montes, mas é revoltante o que se vê por aí...
Bjs.

Beth/Lilás disse...

WEB-MANA!
Tá certa, é isso mesmo!
Na hora do vamos ver, ninguém quer ultrapassar os limites da hora de trabalho.
Mas o que incomoda mesmo é a pobreza cultural que nos é imposta.
Ainda há poucas horas, conversava com um conhecido cardiologista lá em Itaipava e ele nos contava que noutro dia, lá no Clube do Fluminense onde ele fazia parte da diretoria, numa festividade convidaram um renomado pianista para apresentar várias músicas clássicas, logo depois entrou um grupo de funk. Quando o pianista retornou a tocar, foi vaiado solenemente e sabe quem era a galera: A classe média, mas que já aderiu ao batidão funk e recusou a música clássica e queriam a volta do funk, ou seja, estamos empobrecendo de uma maneira escandalosa, tomados de assalto pelo tal pobrismo intelectual.
Noutro dia, em visita a minha cunhada em Copacabana, pudemos ouvir a música que vinha do playground onde rolava festa de garotada classe média e pasme, era funk.
A proximidade e o contato com a favela e seu estilo está tragando totalmente e principalmente nossos jovens que não avaliam nem querem mais saber da cultura.
Não sei, mas acho que pra entendermos este país ultimamente, temos que fechar os olhos e engolirmos muita coisa!
bjs cariocas

Glorinha L de Lion disse...

Que tristeza que isso me dá, Beth...nossa cultura indo por água a baixo...é deprimente.
É a tal da favela cult que eu falo sempre...nivelar por baixo é a nova máxima brasileira!
E com um presidente que acha o máximo nunca ter lido um livro, não podíamos mesmo dar em outra coisa...
Bjs.