quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Relações Humanas - Parte II

Muito me intriga o modo como as pessoas querem ser tratadas, e, creio, essa é a base de todas as relações...o que a gente pensa da gente, nem sempre, ou quase nunca, é como os outros nos vêem:

Autoritarismo:

Tenho conhecido pessoas que se acham a cereja do bolo de chocolate.
Têm uma ideia de si mesmas tão ególatra e narcísica, que quando são contestadas, ficam pasmas e absolutamente iradas, pois não imaginam como, um ser humano comum, com uma inteligência, sabedoria e cultura, inferiores à sua, pode tratá-la daquela maneira, isto é, de igual para igual?
Essas pessoas abominam contestações, tem argumento para tudo e, mais que qualquer coisa, não toleram ter suas ordens desafiadas.
São mini ditadoras travestidas de gente comum...basta dar um mínimo de poder a elas que se tornarão carrascas.
O grande perigo é quando esse tipo de gente tem, realmente, algum poder, cargo público ou é "apadrinhada" por alguém do tipo daquele desembargador citado no outro post...
Aí, minha gente, basta que ela ache que se olhou pra ela de um jeito diferente, que vem confusão, na certa.
Gente autoritária, acha que o mundo existe pra serví-la, concordar com ela, abaixar a cabeça quando fala, e, de preferência, não retrucar quando ela dá suas opiniões. Afinal, ela está sempre certa...não há quem tenha argumentos melhores que os seus ou à sua altura.
Outra coisa, sabe tudo! Sobre todos os assuntos...dizer que nunca ouviu falar disso ou daquilo, não é para ela...Ela entende de economia, agronegócio, política, reservas minerais, astronomia, arquitetura e linguística.
É uma enciclopédia ambulante!
Portanto, nós, pobres e comuns mortais, temos mais é que calar a boca, enfiar o rabinho entre as pernas e massagear-lhe os pés...


Fraqueza:

Em contraponto a essa espécie acima descrita, há os fracos...
O coitadinho...aquele pra quem nada dá certo, o infeliz que a vida faz de gato e sapato, o que não tem sorte em nada.
Nem na escolha de parceiros, de emprego, de nada...tudo parece dar errado pra ele...o infeliz tem dedo podre, seja pra escolher um namorado ou comprar um imóvel...
Todo mundo conhece gente assim...o que só vive reclamando de tudo e de todos, o que se acha o eterno abandonado pela família, pelos amigos, o que põe defeito em si mesmo, se acha feio, torto, gordo demais ou magro demais...
Ele é aquele que arrasta uma relação durante anos, com medo de não conseguir achar ninguém que lhe queira, ou o que engole um monte de sapos com medo da reação da pessoa "amada", medo de rejeição, medo da sombra...enfim, um chato!
O fraco é aquele que tem medo de viver e ainda enche o saco dos outros com sua fraqueza infantil e sua imobilidade doentia.
Mas ao lado de todo fraco, tem um autoritário, já notaram?
Se atraem como abelha e mel...vai entender tamanha loucura...


Baixa Auto Estima:

Consequentemente, quem faz parte da descrição acima, tem baixa auto estima...mas conheço gente que é legal, bacana, bonita, inteligente, mas que erra feio na hora de se apaixonar.
Escolhe alguém, diametralmente oposto no modo de pensar, na educação, no jeito de ser, de ver a vida, de valores mesmo...e, depois, não entende porque a relação não deu certo.
Ou sofre feito um condenado arrastando um casamento ou namoro, que todo mundo que olha, pensa: ele não gosta dela...não lhe dá valor.
Como é que uma relação pode dar certo se um vê amarelo onde o outro vê rosa?
Onde tudo é motivo de briga, de implicância...
Geralmente, o mais seguro, menospreza o outro, ridiculariza na frente dos amigos, aponta os defeitos e, até das qualidades, faz motivo de troça...Sabe que o outro, não terá coragem de deixá-lo ou até faz isso por lhe faltar dignidade para romper a relação...então espicaça o outro até o limite...mas o parceiro, com a auto estima lá no pé, finge que não ouve, sofre calado, engole mais um sapo e mantém tudo como está.
Como ajudar alguém assim? Confesso que não sei...mas que gostaria de dar uma sacudida nas pessoas que vivem situações como essa, ah! como eu gostaria!
Gostaria de dizer: Ei, você! Porque deixa te humilharem assim? Você é bonito, inteligente, não precisa que te tratem assim, merece ser amado, paparicado, acarinhado!
Essa pessoa não te ama! Não tem é coragem de romper. Ei, acorda, a vida é uma só! Vai ser feliz! Se permita! Você merece!

Bem, por hoje é só, mas acho que ainda volto ao assunto relações humanas...isso dá pano pra manga....
Aceito sugestões.


7 comentários:

Gina disse...

Glorinha,
Sinceramente, acho que o meio termo é o equilíbrio. Mas o que as pessoas buscam é alcançar esse equilíbrio. Claro que esse objetivo é perseguido só pelas pessoas que desejam uma qualidade de vida, que buscam aprimoramento das relações, vencer suas dificuldades e crescer moral e espiritualmente.
Mas, convenhamos, enquanto isso, precisamos vestir a carapuça dessas imperfeições, que temos em maior ou menor grau.
O problema mais sério é quando a pessoa não percebe ser assim. E as que estão ao seu redor, não têm coragem de lhe mostrar o quão desagradável, antissocial e chato se tornaram.
Bjs.

Mila Viegas disse...

E como dá pano pra manga, Glorinha! rs... No fundo temos um pouquinho de cada "pessoa" desta dentro de nós e em determinados momentos deixamos que uma fale um pouco mais alto que as outras. Mas, uma boa dose de bom senso cai muito bem, sem contar que, como a Gina falou, buscar o equilíbrio é o melhor caminho.

Beijinhos!

Beth/Lilás disse...

Oi, Glorinha!
Errar é humano, sabemos disso e todos nós temos tais imperfeições, mas alguns mais exacerbadamente e o pior é quando não faz uma auto-análise, só vê o erro dos outros ou se acha o ó do borogodó.
Neste último comentário sobre Baixa Auto Estima, costuma ser muito comum isto acontecer, principalmente quando a pessoa ama muito ou está apaixonada por completo, como uma mocinha que conheço há tempos e que está 'noiva' há 10 anos com um rapaz lá na serra. Ele, primeiro, dizia que não poderiam se casar porque era muito novo, depois porque não tinha se formado, depois porque não tinha emprego e agora que já ultrapassou todas essas dificuldades da vida, resolveu partir para cima dela, dizendo que ela está gorda, precisa fazer uma lipo, que isso ou aquilo.
A menina é magra feito vara pau, não tem nem pneuzinho e já falei quinhentas vezes para não entrar nesta pilha dele, mas ela, com uma super baixa auto estima vive se lamentando e choramingando pelos cantos ou comigo ou outra conhecida. Está se tornando chata e caricata e ele, o bonitão, super poderoso, não demora e dá um fim no 'enrolamento' que vem fazendo há 10 anos com ela.
Uma pena, ela é graça de moça, trabalhadora, bons sentimentos, mas não consegue enxergar o que todos já viram neste embróglio!
E para uma mulher, 5 ou 10 anos, é um verdadeiro desperdício!
Tá cheio de gente assim pelo mundo e é uma lástima ver o que alguns seres humanos conseguem sobrepor-se a outros.
Gostei do seu tema e desculpe se me alonguei.
um beijinho carioca

Edna Fadinha disse...

Em algum momento da vida passamos por isso.Só que alguns são assim o tempo todo e aí é que mora o perigo.Como disse a Gina temos que encontrar um meio termo.E esse assunto rende com toda certeza.
Bjs

Manuela Freitas disse...

OLá Glorinha,
Disseste tudo certinho, sabes umas coisas de psicologia!?...No entanto eu penso, que às vezes entre uma postura de «superioridade» e a de uma «coitadinha», há causas e essas causas acontecem quase sempre na infância e depois a vida vai fazendo as pessoas. Já me senti em ambientes que me obrigaram a olhar de cima, em pôr-me à defesa, já estive noutros em que procurei passar despercebida!...Sei lá...a vida é complexa e as pessoas cheias de complexidades...Evidentemente que não há pachorra para aturar um egolátra, nem um coitadinho!...
Há outros aspectos que me chateiam bastante: a inveja, a mentira, a ambição, aquelas pessoas que têm que estar sempre a competir com os outros, a hipocrisia, o cinismo,a intriga, a difamação...Puxa há tanta coisa!?...As relações humanas dão bem pano para mangas!...
Muitos beijinhos minha amiga,
Manuela

soninha disse...

Sabe Glorinha,eu penso que tudo isto faça parte do nosso processo evolutivo.
Em algum momento da nossa trajetória já fomos assim também e já superamos estas mazelas para continuarmos atrelados a outras que ainda temos que expurgar.
Hoje,olho para trás e vejo quanto lixo eu já me despojei e quanto ainda tenho que reciclar. Enfim,c'est la vie!
bjs e muita paz!

Cucchiaio pieno disse...

Querida Glorinha
"To contigo e nao abro" - hehehe!
Penso que o pior de todos é o coitadinho, fui muito assim e hoje me envergonho. Menos mal que o tempo passa e amadurecemos, melhoramos, né?!
Mil bjos da amiga que te adora
Léia