domingo, 18 de abril de 2010

Maria Amélia, Uma Mulher De Cabelos Vermelhos.

Seu nome era Amélia...Maria Amélia...e tinha longos cabelos que íam até a cintura, vermelhos como fogo...

Chegou ao Brasil, vinda da Ilha Terceira dos Açores, Portugal, orfã de pai e mãe, aos 6 anos de idade, acompanhada de seu irmão Antonio, cerca de dez anos mais velho... O outro irmão, Luís, foi para os EUA e sumiu no tempo e na névoa. Nunca mais souberam dele...

Maria Amélia era minha avó materna...e a estória da sua chegada e de meu tio-avô Antônio ao Brasil é meio nebulosa, pois quase não se falava nessas coisas antigamente...Minha avó, menina ainda, foi morar durante uma época na casa de uns primos muito ricos, no subúrbio do Rio, num lindo e enorme casarão. E, claro, como morava lá de favor, a fizeram de serviçal...Mamãe contava que ela carregava baldes de água na cabeça, subindo e descendo as escadarias...ficava encharcada, molhada da cabeça aos pés...E a pobrezinha era ainda uma criança...resultado: ficou "fraca dos pulmões" como se dizia naquele tempo...não sei se chegou a ser tuberculose ou uma pneumonia, e naquela época ainda não havia antibióticos...Lá se foi minha avó para uma clínica, paga nem sei por quem ( pelos primos "bonzinhos" que a faziam de serviçal, certamente que não...) Foi se tratar...E o tratamento consistia em  comer ovos crus direto da casca...fazia um furinho e enfiava clara e gema, crus, goela abaixo e beber sangue de boi, quente ainda, mal o animal era abatido no matadouro...Devia ser algum tipo de fazenda e nesse período, pelo menos, se alimentou bem e não vivia molhada nem trabalhando carregando baldes...
Bem, não sei se foi esse tratamento radical, ou o fato de ter descansado do trabalho pesado, mas ficou curada...
Depois, conheceu meu avô, português bonito de Trás -os- Montes, dono de uma barbearia no Centro do Rio, se casou, creio que aos 16 ou 17 anos e teve minha mãe. Teve uma única filha porque, logo após o nascimento de minha mãe, aos 19 anos, teve uma infecção nos órgãos reprodutores...( mamãe dizia que foi por ter carregado tantos baldes de água e se molhado tanto, ficando horas e horas encharcada...mas, obviamente, não foi essa a causa.)
E, foi aí, que seus lindos cabelos de fogo, que nessa época batiam atrás dos joelhos, foram cortados curtos...(época do retrato) para seu imenso sofrimento, pois cabelos curtos, naquele tempo, eram coisa de "mulheres de vida fácil". Ter os cabelos curtos era alvo de muito preconceito, ruivos, então, nem se fala, mas como teve que ficar muito tempo no hospital, de cama, (as freiras, sempre a Igreja carrasca!) cortaram seu cabelo curto....
Mamãe dizia que minha avó chorou e sofreu, mas, fazer o que? Naquele tempo, além de mulher não ter querer, ela era muito jovem, portuguesa, sem mãe, só marido e filha bebê, ainda mais tendo ficado aos cuidados de freiras, imaginem...ver aqueles lindos e longos cabelos de Rapunzel, devia dar uma inveja danada naquelas feiosas, obrigadas a usar cabelos curtíssimos debaixo do véu....Elas disseram a minha avó que aqueles cabelos tão longos, íam embaraçar demais, não tinham como cuidar e rapt! Tesoura neles...Em vez de fazerem uma trança para não embaraçar....
Bem, a estória de minha avozinha daria um livro, cheio de sofrimento, mas ela nunca se deixou abater...ficou  paralítica uma época por problemas nos dentes...descobriu, anos depois, que meu avô tinha uma amante há tempos...mas era uma pessoa tão alegre, tão pra cima...onde chegava era o centro das atenções, falante, brincando com todos, contando piadas e rindo alto...Cantava nas festas...Era, enfim, totalmente o oposto de minha mãe, a filha dela! E seu apelido, entre os amigos e amigas portugueses era "Maria Russa" por causa da cor de seus cabelos e de sua pele de porcelana...

Minha mãe dizia que meu gênio era o mesmo da minha avó...e eu, olhando seu retrato, achei bastante semelhança em nós duas, quando eu era mais nova...
Convivemos até meus 9 anos, pois ela morava conosco, e só tenho lembranças boas de minha avó de cabelos vermelhos...sua alegria, seu carinho por mim, suas idas ao Convento de Santo Antônio, no Centro do Rio, de onde trazia aqueles pãezinhos bentos para se colocar na farinha e nunca faltar comida em casa...trazia sempre balas para mim e às vezes me levava às visitas que fazia à suas primas ricas...que me colocavam para brincar na cozinha, com o filhinho da empregada...enfim, continuavam tratando minha avó e a mim, sua neta, como as mucamas, as parentes pobres...E minha avó, pesssoa boa, de coração nobre, ainda era eternamente agradecida a elas! Minha avó era uma mulher curiosa, ía às vezes à centros espíritas e era devota de Santo Antônio, mas nunca foi carola, nem me lembro se ela ia à missa como minha mãe, todos os domingos...acho que minha avó era libertária, tinha uma alma livre...Era uma bordadeira das melhores, acho que veio no sangue, trabalhou como bordadeira numa loja de roupas infantis, e também fazia crochê maravilhosamente...coisas atávicas das Ilhas de Portugal, onde a tradição dos bordados à mão era famosa. Tenho até hoje, algumas colchas que ela fez...parecem rendas.
Eu herdei dela essa queda para trabalhos manuais, que aliás, minha mãe também tinha e minha filha, por sua vez, também tem.

O post de hoje é em homenagem a minha avó Maria Amélia, e ao meu lindo filho Gabriel que tem a barba vermelha, mostrando em seus genes, a herança de uma mulher guerreira que não se deixou abater pela vida. Pelo contrário, soube tirar dela a alegria, a superação e o perdão.
Rosas vermelhas como seus cabelos, coisa que talvez nunca tenha recebido em vida, à minha avozinha querida!



Eu, aos 23 anos, na minha formatura...ainda estava de cara redonda, pois minha filha tinha 2 meses...e eu, nessa época era ruiva natural...sempre achei que era loura, pois nasci lourinha....olhando essa foto, vi que era ruiva...e que pareço com minha avó quando ela era jovem também.


 Bebês ruivos...não são as coisas mais fofas do mundo?


E, algumas curiosidades sobre o rutilismo (característica de quem é ruivo):
*4% da população mundial é ruiva.
*No séc. XVII a crença nas fadas chegou ao sudeste da Inglaterra, e elas eram representadas com cabelos ruivos.
*Os primeiros ruivos da humanidade surgiram há aproximadamente 50 mil anos. Estudos indicam que alguns Neanderthais eram ruivos.
*Eva, geralmente, é representada ruiva...cabelos de fogo=pecado...
*A crença de que ruivos são bruxos, faz parte da cultura germânica.
*No Egito antigo, mulheres ruivas (sempre nós...) eram queimadas em rituais, pois acreditavam que traziam má sorte.
 Fadas, geralmente, ruivas...
Eva, representada sempre ruiva...

O Nascimento de Vênus de Botticelle - reparem, o Vento D'Oeste que a empurra é ruivo, a deusa Hora que carrega o manto com flores (as Horas eram as deusas das Estações) é ruiva e a própria Vênus tem cabelos de fogo...

Ruivos Famosos:
Ricardo Coração de Leão

Henrique VIII

Elizabeth I

Frederico I , o Barba Rossa

Van Gogh

Matisse

Vivaldi

Galileu Galilei

54 comentários:

Mila Viegas disse...

Amei o seu post! Lindo!
E te achei bem parecida com sua avó mesmo. Realmente a vida de dona Maria Amélia daria um livro e tanto que, apesar de sofrido, eu gostaria de ler. Pelo visto ela não se rendeu a tanto sofrimento, tinha alma boa, coração grande e alegria de viver.
Belo post! Bela homenagem!

P.S.: Espero que seu computador fique bonzinho logo!

Mil beijinhos!

Maricota by Marianne disse...

Glorinha que linda história, vó é sempre vó e a sua foi lindamente uma mulher especial! Amo cabelos ruivos, li em algum lugar que estão em extinção, não sei se é verdade!
amei o post, parabéns!
Bjks e melhoras amiga!
Mari

Açuti disse...

Oiii amia linda,

nossa que história...triste, linda e de muita força!!!
Maravilhosamente vermelho!!! Me traz tanta força essa cor!!!

bjksss vermelhas!!!

tenha uma excelente semana.

Monica disse...

Belíssima estória! Emocionante! Salve Maria Amelia!

Gina disse...

Glorinha, que história genial da sua avó!
Viajei com seu post. Muito adequado ao Dia Vermelho.
Bjs.

cantinho she disse...

Glorinha, minha querida, que post sensacional, amei. Cheio de sensibilidade e saudade, muito bom!
Crinaças de cabelos vermelhos são mesmo uma delícia, menina eu amei a estória de sua avó, mulher forte e guerreira que nos mata de orgulho, adoro!
E a fotinho de vcs duas é impressionante a semelhança. Vc pode ter um netinho assim ruivinho, olha que lindo!
Amanhã estarei falando do vermelho tb.
Beijoooooooooooooooooooo

Astrid Annabelle disse...

Que pena que chegou ao fim!!!! Estava aqui sentada amando ler sua história Glorinha e, depois recebendo uma aula básica sobre os ruivos!!!!
Ficou lindo seu post homenageando a sua avó. E olhe, avó é avó!!!! Felizes os que têm lembrança do convívio com as avós.
Amei...
Acabei de publicar meu post pois a net está muito instável e como nessa hora está tudo bem eu nem pensei duas vezes...
Espero que seu PC se recupere logo!!! Vamos sentir sua falta por aqui!!!
Beijo querida
Astrid Annabelle

Lúcia Soares disse...

Glorinha, na minha família, muito grande, temos alguns ruivos. Minha mãe teve, dos 10 filhos, 4 ruivos. E cada um com um tom. Todos lindos. Hoje em dia, uns já estão de fios brancos, uma já pinta os cabelos e nada, ninguém, nenhuma tinta chega sequer próxima ao tom natural. Então, hoje ela está quase uma ruiva artificial, mas os pelos das axilas e outros, não a deixam mentir.
Temperamentalmente, são únicos. Cada um é de um jeito.
Outra vez você mostrou uma blogagem linda, diferente.
E eu fiquei na mesmice.
Mas me esforcei.
Beijos e boa semana!

Val disse...

Muito interessante!Eu gosto de ler os seus post!voce escrive um portugues perfeito para mim e tantas coisas muito apaixonante!
Val

Luci Cardinelli disse...

Que história hem amiga? Mulheres heroínas!!!
Querolhe dar os parabéns pela idéia das blogagens coloridas. Tenho lido algumas por aí e estou adorando.

beijos e ótima semana

Chica disse...

Que loinda história essa da tua avó! Adorei a postagem inteirinha!beijos, linda semana,chica

M. Regina disse...

Oi Glorinha, lindas tuas postagens, tua maneira de escrever. Parabéns, já sou tua seguidora há tempos e sempre me encanta o que aqui encontro.

Vicentina disse...

Adorei saber a história da sua avó, mas tive muita pena dela, mas ela venceu.
Adoro cabelos vermelhos, acho muito bonito.
Gostei de ver sua foto aos 23 anos, linda como é hoje tbm, só que hj com mais experiência.
Bjs e Boa Semana

Richie disse...

Glorinha, meu post vermelho quase não saiu, mas saiu: http://acozinhacoletiva.blogspot.com/2010/04/postagem-vermelha-maca-do-amor.html

Deixa eu correr pra faculagora que to atrasado!

bjo e feliz dia vermelho! :D

Luma Rosa disse...

Glorinha, que peninha não poder estar com a gente! Vou ficar perdida!!

Quiseram eliminar os cabecinhas de fogo, mesmo assim eles vingaram na nobreza.

Em geral os emigrantes que chegaram ao Brasil não eram bem tratados, a não ser que viessem para ter poses, mas estes vinham para ciceronar outros emigrantes que para cá vieram para trabalhar. Aquela época, pós abolição da escravatura, a mão de obra dos emigrantes eram bem mais barata que pagar um ex-escravo, já que este estava 'protegido' pelos defensores da abolição. Como tudo no Brasil é feito por baixo dos panos, diria que uma mão de obra escrava foi substituída por outra. E não me admiro que seus parentes ricos, quisessem renegar os parentes pobres, afinal, as aparências garantiam portas abertas em uma sociedade deslumbrada.

Então, não sabia que cabelo curto era coisa da ralé! Evoluimos? (rs*)

Vou ficar na torcida para que consiga resgatar o note do seu filho por alguns momentos! Beijus,

Barbie Girl disse...

Glorinha querida!

Você se parece muito com sua avó, linda igual à você!
Adorei a lembrança e o que nos falou através do vermelho, não só de cabelos mas de amor!

beijos

Françoise disse...

Quanto sofrimento Glorinha, uma mulher que certamente deixou boas lembranças. Lendo seu texto deu vontade de conhecê-la. Pena que o tempo não volta mais, só o amor fica.....
Bjos e boa semana,
*Me bateu uma saudade imensa da minha vózinha querida.

Anny disse...

Glorinha:
Bom dia! Muito bom saber um pouco da história de sua vó e sua naturalmente.
Adorei seu texto. Ele me informou sobre assuntos que eu não sabia: das bruxas serem ruivas. Pois é, cada cor tem sua história.
No meu texto, parabenizei você pela feliz idéia de fazer esta blogagem. Um espaço para relexão e encontro com conhecimentos ainda não explorados. Obrigada pela oportunidade e pela simpatia virtual que demonstra ao fazer as suas visitas.
Beijos e boa semana!

Maria de Fátima disse...

Olá Glorinha, linda blogagem sobre a cor vermelha.E que linda e sentida homenagem à tua avó materna.Beijocas.

Cris França disse...

que linda homenagem minha amiga, com certeza Amélia que era mulher de verdade não? uma grande mulher...

eu que ja fui ruiva por anos, embora seja loira de nascença, seu apreciar o poder das madeixas vermelhas, deu até saudades, mas hoje em dia não me convém...rs


beijão

Dani Etoile disse...

Glorinha, minha flor, please escreva um livro... Que delícia ler suas histórias...
Beijinhos
Dani

Taia Assunção disse...

Seu texto ficou formidável. Beijocas!

Isadora disse...

Glorinha, amei a história de sua avó e através da sua escrita embarquei em uma viagem que começou em Portugal e desenrolou-se por aqui. Foi um prazer essa viagem.
Espero que seu computador fico bom logo e o Tantos Caminhos já postou! Essa semana foi difícil...tantas ideias.
Um grande beijo

Lu Souza disse...

Guerreira de verdade sua avó hein Glorinha. E como estes exemplos nos serve de lições na nossa vida.
Minha vó também é um capítulo a parte, com direito a fuga de um homem com quem foi obrigada a casar com menos de 15 anos (fugiu a cavalo com meu avô em plena madrugada), enfim, isso é assunto pra outro post, ahah.
Adorei saber sobre os ruivos. Acho lindo bebes e mesmo mulheres ruivos. Agora, ser queimada na fogueira é bem cara da igreja católica né não???
Você falou do tom de pele. Eu acho que pessoas com pele clarinha ficam lindas de batom vermelho, vestido vermelho. Pra mim, é uma cor que só combina com pessoa de pele clara. Eu que sou morena fico assim: TCHARAMMMMMM...CHEGUEEEEEI".

beijos!

Elaine disse...

Oi Glorinha, linda sua postagem!
Quero saber se fiz tudo certinho na minha postagem coletiva, pois vou continuar e quero estar de acordo. Beijos e excelente semana!

Espaço Clarear disse...

Uma bela história. Com momentos tristes mas com um final feliz.
Vale a pena levar a sério seu próprio comentario... que tal escrever um livro sobre sua avó.
Vc redige muito bem e a história é interessantíssima.
Beijos, Clarice.

Eliane disse...

Glorinha no seu post vi uma guerreira, Parabens pela escolha e pela aula de historia, sua avó foi um elo na saga do nosso Pais. Minha Avó tambem tem historia qualquer dia eu conto. Um beijão da Eliane.

welze disse...

oi minha ruiva predileta. Nem que tinja ou pinte o cabelo de outra cor, deixará de ser guerreira ruiva. adorei saber disso. Está difícil chegar até seu blog. quem tem as malditas letrinhas, não tira e eu ñ quero passar batida pelos blogs que tanto adoro, então está um horror deixar os comentários. a dor ainda éstá brava e ficar sentada é uma tortura. Mas logo passa. tenha uma semana acalorada de paixão e muito amor.

Suzanna disse...

Lindo seu post viu Glorinha!!!
Somos duas então, tudo a ver comigo... e perigosamente eu diria, sou uma Naja, no bom sentido lógico .
Tenho tanto de vermelho, que hoje fiz 3 posts,volta lá depois e vê.
Bjo
Su

Teresinha Ferreira disse...

Olá Glorinha,
Lindo seu post!!! Amei a história.
O vermelho contagia...Assim como seu blog.
Fique bem
Bjs mil

manuel marques disse...

Excelente homenagem a sua avó.
Sem dúvida que as parecências com a sua avó são reais.
Post cinco estrelas.

Beijo.

Ana Maria disse...

Achei linda a historia da sua avó. Que mulher bacana !!! Adoro pessoas ruivas. Bem diferente. Conhecendo seu blog e adorando. Bjs

Fatima disse...

Tenho uma prima ruiva de genio fortíssimo!
Linda homenagem Glorinha!
bjs.

Vivi disse...

Oiiiiiiiiiiiiiii
Nossaa... quase não deixo recadinho aqui!!!! mas cá estou Irmãzinha linda!!!
Seu post está tão lindo...sensível...carinhoso...cultural... e...adoreiiiiii!!!
Realmente vc é parecida com ela sim viu!!!
bjs

cantinho she disse...

Oi queridaaaaaaaaa tô tão enrolada hoje que fiz o post e me esqueci de te mandar o link... ops!
Então tá aqui:
http://sherimendonca.blogspot.com/2010/04/vermelho-blogagem-coletiva.html
Beijoooooo

Ciene disse...

Que história mais linda!!!

Tô participando da blogagem tá?

http://civoandobemalto.blogspot.com

Beijinho e tomara que teu pc fique bom rapidinho

Pérola disse...

Muito linda a sua história,gostei muito.
Nos aproxima mais.
Beijokas.

Rozani disse...

Oi Glorinha!
Adorei seu post!Que linda a homenagem a sua vó!Engraçado que agente vê as pinturas destes rostos famosos, mas nem se da conta que alguns deles são ruivos.Eu adoro gente ruiva, eu acho lindo demais!
Adorei seu post!
Bjs,Rozani

Tina disse...

Oi Glorinha!

Parabéns pelo blog e pelo post lindo e sensível. Sua avó - se aqui ainda estivesse - estaria com certeza orgulhosa e feliz com esta doce demonstração de carinho.

beijo grande,

Eliana Pessoa disse...

LINDO POST!
ADORO BBS RUIVOS SÃO LINDOS DEMAIS!!!
ADOREI A HISTÓRIA DE SUA AVÓZINHA RUIVA!

Bordados e Retalhos disse...

Glorinha adorei a história! Que bom saber dessas histórias de família. Cheguei tarde na blogagem coletiva por causa de problemas na net. Bjs amiga

efeitoseconceitos disse...

Glorinha,
Amei a história (mesmo sofrida) da sua avó e achei que vcoê parece mesmo com a sua avó.
Um grande beijo
Yoyo

Beth/Lilás disse...

Web-mana, óia eu aqui!
Menina, acho que fui a primeira a ler teu post ontem, mas hoje sou a última a escrever-lhe um comment.
Aha, agora sei porque vc é uma pimentinha, bruxinha, danadinha!!!
Sua ruiva enrustida!
Fica aí com esse cabelinho loiro, mas por baixo a coisa é vermelha! hehe
Parece mesmo com tua avózinha e o Gabriel deve estar um mimo de barba ruiva. Quando for aí de novo vou botar reparo nisso. Tadinho, vai pensar que chegou mais uma doida na casa dele.
Claro que a primeira você sabe bem quem é! kkkkkkkk
Lindo teu post, emocionante e você deveria mesmo escrever um livro, pelo menos já conta com mais de 100 seguidoras que vão comprar com certeza.
um super beijo carioca e vermelhaço aqui da serra.

Fada Moranga disse...

Olá Glorinha!

Eu hoje também fiz o post mais cedo e tive que me afastar do computador... e neunca mais me lembrei de vir aqui. Oops! :-)

Que interessante a história da sua avó Amélia Russa! Grande carma!
Acredita que sempre sonhei ser ruiva natural?

Bem haja pela partilha. Beijos***deFada

JoeFather disse...

Muito prazer senhora ruiva! hehe

Vim por indicação do site da Anne Lieri, a Menina Voadora, maravilhosa amiga!

Que história hein! De Portugal para um terra desconhecida, igual aos primeiros que por aqui se estabeleceram!

Que bom que sua avó nasceu com um coração dourado, deixara com certeza mais ensinamentos do que fatos a serem esquecidos!

E quanto aos ruivos, nada contra! É como o triste preconceito que ainda assola o mundo quanto à cor da pele, coisa da idade da pedra!

Abraços renovados!

Leila Silvia Almeida disse...

OLÁ GLORINHA,
VC SEMPRE COM TEXTO ÓTIMO...ADOREI!
ESSA BLOGAGEM ESTÁ UM SUCESSO.BEIJOCAS E UMA BELA SEMANA

Tida disse...

oi, Glorinha, bom dia!

Voltando aqui no seu blog, percebi que meu comentário não entrou. Fui a primeira a fazer comentário no domingo à noite ainda. Não sei o que houve.

A história de vida da sua avó é linda realmente.

Uma homenagm merecida.

E você é tão bonita quanto ela.
Abrs

Roberta Feijó disse...

A gente sempre se emociona com a estória de vida das pessoas...

Que bebezinho mais lindo...Na minha juventude eu era ruiva, mas pq pintava os cabelos...Adorava! rsrrs.

Um abraço...também queria participar da blogagem coletiva.

Regina Coeli disse...

Olá Glorinha,

Estamos fazendo algumas mudanças na Casinha Feliz entre elas a mudança de provedor de INTERNET e TV a CABO.
Estamos sem INTERNET desde quarta-feira passada.
Assim que tomei conhecimento da cor da Blogagem da semana, fui fazendo minhas fotos e redigindo os textos...
A Blogagem está pronta, mas mesmo “cobrando” da empresa ainda não fizeram a instalação.
Espero sua compreensão e tão logo tudo volte a normalidade faço minha postagem da Blogagem vermelha.
Abraço carinhoso e alegria sempre.
Regina Coeli

Somnia Carvalho disse...

Glorinha Linha,

eu escrevi a mensagem que vou copiar abaixo agora mesmo respondendo vc la no blog, mas eu ainda nao tinha visto o seu post do vermelho...

a-do-rei! essa historia e essa sua avo com cabelos vermelhos!!! se eu pudess escolher sempre sonhei em ser ruiva! rs...

aqui vai... depois do seu post acho que a falta de inspiracao de ontem vai mudar!!! e tenho outra personagem para a tela...
acho...

"Glorinha linha,

veja so querilda: eu so nao participei do rosa lembra? porque tava viajando... mas o do vermelho ta aqui tentando sair...

ontem quando acordei eu me inspirei tanto com a ideia do vermelho, vi posts das amigas e fiquei louca pra fazer o meu... mas eu queria criar a partir do vermelho... so conseguia pensar em pintar uma tela muuuito vermelha e ai postar e falar dessa inspiracao que as cores propostas por vc e trrabalhadas por outras me deram...

resultado: comecei 3 telas diferentes ontem... desenhei mais 4 coisas e nao pintei nenhuma!
muuuita dor de cabeca, terrivel mesmo que me tirou a inspiration...

eu espero fazer uma elas ate quinta, vamos ver! e ai posto... se nao fizer ai participo com outra coisa, mas eu nao queria postar qualquer coisa, so colar da internetica entendeu? queria mostrar como a gente pode ser influenciado, inspirado pelos posts alheios...

beijao, sonia
vou copiar essa mens no seu bloguissss"

Misturação - Ana Karla disse...

Glorinhaaa!
Mais que vida difícil da sua avó, hein!
Fiquei curiosa em ver as colchas feitas por sua avó...
Adorei ver tantos ruivos famosos, nossa que post maravilhoso.
Xeros!

Mônica - Sacerdotisa da Deusa disse...

Oi flor!
Que linda sua postagem! Claro, amei a parte que fala de Vênus, das Horas hahaha...nossa ficou muito lindo!
Beijinhos e obrigada pela visitinha.

Flores e Luz.

Fátima disse...

Olá Glórinha, adorei conhecer a D. Amélia, mulher que fez do sofrimento sua força.
Uma vencedora e exemplo.
Não perca nunca essas lembranças, são uma relíquia.
Parabéns pelo post .

p.s.: aqui na minha cidade estamos com problemas de sinal, pois está sendo instalada uma torre gigantesca da Nextel, interferindo odiosamente até nas linhas telefonicas.
Já virou até caso de polícia.
Não consigui visitar nem a metade das blogagem coloridas, que por sinal estão cada vez mais arrojadas.
Beijo.

Paula Pacheco disse...

Oi linda amiga, que post informativo, adorei, e ver vc novinha ruiva que bacana,como ja te disse vc escreve muito bem, adoro passar por qui e ver seus causos e artigos leves e interessantes,
bjs otimo dia
Paula