terça-feira, 3 de agosto de 2010

Sobre Livros e Leituras


foto Alan Klug


Já escrevi várias vezes aqui no blog, sobre minha paixão pelos livros. Sempre fui uma devoradora de livros, por influência de meu pai.
Hoje achei um blog muito bacana onde li uma entrevista do Umberto Eco sobre a diferença livros de papel versus E- books.
Ele discorre sobre a sua certeza de que livros de papel nunca acabarão porque livros são como a invenção da roda. Eu também acho.
Por mais que novas tecnologias surjam, eu duvido que o livro desapareça.
Ele fala:

" A diferença básica entre o conteúdo da internet e o de uma enorme biblioteca é que a biblioteca é como a memória humana, cuja função não é apenas a de conservar, mas também a de filtrar."

Umberto Eco mora em Milão e tem, em sua casa, uma biblioteca com mais de 50 mil livros. E sobre eles, ele brinca com quem se espanta com a enormidade de seu acervo:

" Esses são os que lerei semana que vem. Os que já li estão na Universidade."

Ele diz, coisa que eu não sabia, que os E- books só ficam disponíveis durante 10 anos.
Acho isso tudo um tremendo modismo.
Outro dia assisti a um programa de entrevistas em que falavam sobre os livros digitais e diziam que a tela tem uma luminosidade que atrapalha a leitura, que cansa o leitor. Que livros digitais se prestam mais para pesquisas e que para literatura, nada como o bom e velho livro de papel. Porque ler um livro inteiro no E- book cansa...
E, aliás, tem coisa melhor que manusear um livro, sentir seu cheiro, a textura de suas páginas, folheá-lo, ver sua capa?
Para mim, esse é um dos melhores prazeres do mundo.
Tem prazer mais delicioso que num dia chuvoso, pegar um bom livro, se enfiar debaixo das cobertas, com um café do lado e se perder em suas páginas, esquecendo o mundo lá fora?


Um E- book não tem como substituir esse prazer indescritível que só os apaixonados por livros de papel sabem o que é.
Outras tecnologias, certamente surgirão, mas acho muito difícil que os livros, de capa dura, brochuras, novos, antigos, usados ou não, sejam colocados de lado em favor de um livro num computador.

"O desaparecimento do livro é uma obsessão de jornalistas, que me perguntam isso há 15 anos. Mesmo eu tendo escrito um artigo sobre o tema, continua o questionamento. O livro, para mim, é como uma colher, um machado, uma tesoura, esse tipo de objeto que, uma vez inventado, não muda jamais. Continua o mesmo e é difícil de ser substituído. O livro ainda é o meio mais fácil de transportar informação. Os eletrônicos chegaram, mas percebemos que sua vida útil não passa de dez anos. Afinal, ciência significa fazer novas experiências. Assim, quem poderia afirmar, anos atrás, que não teríamos hoje computadores capazes de ler os antigos disquetes? E que, ao contrário, temos livros que sobrevivem há mais de cinco séculos? Conversei recentemente com o diretor da Biblioteca Nacional de Paris, que me disse ter escaneado praticamente todo o seu acervo, mas manteve o original em papel, como medida de segurança."  - Umberto Eco





30 comentários:

G I L B E R T O disse...

Glorinha

O que se acrescentar num post tão perfeito quanto este teu!

concordo plena e absolutamente com tudo o que dissestes, livros em papel, jamais serão substituidos, o przer de tê-los cheirá-los lê-los é unica e indescritivel!

Maravilha!

Mari disse...

Concordo com o Umberto Eco e com vc. Livros nunca irão desaparecer.

Hj mesmo comprei um. Com livros nunca tenho pena de gastar.Saio revigorada da livraria :) Já comecei a me deliciar...

Beijos,Glorinha :)

Renata disse...

Oi Glorinha, tô sabendo que tá rolando uma outra blogagem coletiva por aí... é vc a promoter dessa festa amiga? Fiquei curiosa, será que ainda dá pra entrar? Me conta, please!!!

Quanto aos e-books...dô conta disso não...prefiro os tradicionais!

Abraço, boa tarde!

Tati Pastorello disse...

Gorinha, sabe uma coisa que amo? Encontrar anotações antigas num livro que acabei de pegar, daqueles já antigos, manuseados, mas bem cuidados, e pensar que outra pessoa já passou por aquela história, já se emocionou, pensou, sublinhou alguma linha, transcreveu... Adoro sentir a textura do papel. Cheiro de livro novo também é maravilhoso! Ah, livro é uma paixão, claro que não desaparecerá jamais!!
Um beijo.

Glorinha L de Lion disse...

Oi Gilberto, obrigada por concordar e vir aqui depois de loooonga ausência...eu tb estou em falta com um montão de gente. bjs amigo!

Oi Mari, conta pra gente se está gostando e que livro é esse, tá? bjs.

Mone disse...

Glorinha estás coberta de razão quanto a leitura de um livro.
O prazer de ir a uma livraria e escolhê-los nas prateleiras e então comprá-los nem que seja no crediário , como muitas e muitas vezes fiz.
E ficar bem louca para chegar em casa e depois dos afazeres , tomar um banho e correr para cama para lê-los.
É muito bom.
Pena que o valor ainda é alto!
Um abraço e agradecida pelas sugestões,
Simone Carvalho - SC

HSLO disse...

Eu também sou apaixonado por livros...

valeu pelas dicas.


abraços


Hugo

Yoyo Pizy disse...

Glorinha,
Ontem mesmo eu falei sobre esse assunto uma colega do trabalho.Ela dizia-me o livro de papel tende a desaparecer e eu respondi:
-Se depender de mim isso jamais acontecerá. Sou apaixonada, pelos livros impresos, adoro o cheito de suas página, adoro passear pelos corredores de livrarias e sebo!
Beijinhos

ELA disse...

Efemeridades, Glorinha, efemeridades.

Nestes novos tempos, vez por outra recorro ao dicionário para reafirmar o significado dessa palavra. Porque no fim das contas, tudo não passam de efemeridades.

Concordo contigo e com o Umberto (aliás, ele disseca os assuntos de uma maneira que eu gosto muito). Nada substitui. E aposto que boa parte dos seus leitores dirão o mesmo.

Tenho um curso de História da Arte inteiro como e-book. A primeira vez que li, senti algo de muito desagradável. Pobre, superficial, sei lá... Aquelas imagens todas ali na tela sem contexto nenhum, sem textura, sem cores definidas... É o desenho da própria ignorância da arte. Um horror. Nunca mais abri, mas também não apaguei. Hoje em dia é possível visitar museus pela Internet, mas alguém me convença por favor de que é a mesma coisa! Nem tenho palavras pra explicar a diferença. Só repúdio.

Acho, sim, que devemos ler e-books. Que devemos curtir a tecnologia. Que devemos nos aventurar pelo novo, pelo moderno. Mas o que realmente tem valor, deve ser levado mais à sério, não é? Então, dependendo do e-book, do "e-museu" ou do "e-amigo", tudo é possível! Kkk!

Um grande abraço!

Michelle

Nilce disse...

Imagina só.
Eu, aqui embaixo das cobertas e lendo, deliciosamente. O lap do lado e alguém me chama.
Ai, que chato esqueci de me colocar ausente, tenho que ver quem é. Respondo, mas do outro lado se calam. Mas o meu livro ainda me fala.
Volto a ele, este nunca me abandonará. Jamais.
Não sou tão assídua, já te disse, mas não troco o papel, o sentir, o virar a página, na poltrona, na cama ou na rede, pelo livro eletrônico.
Que beleza de post, Glorinha.

Bjs no coração!

Nilce

Deia disse...

Oi Glorinha! Como você, meu amor pela leitura começou muito cedo. Era membro da biblioteca da escola e toda a semana tirava um livro novo para ser lido. Era a "melhor" amiga da bibliotecária. Os anos passaram, o amor cresceu e, hoje, tenho em casa um pequeno acervo. Livros que li, que meu marido (outro apaixonado) leu, que nós dois lemos, que um dia irei ler... E, seguindo a tradição, somam-se a essa biblioteca os livros que minhas filhas lêem.
Até tentei ler um e-book. Por poucos minutos, a leitura é agradável. Mas falta o peso do livro nas mãos. Falto o barulho da página sendo virada. Falta o pecado menor de correr para o próximo capítulo e se assegurar que o personagem principal não foi morto (rsrs), e voltar para a página atual e continuar lendo como se nada tivesse acontecido.
Os livros não acabarão, jamais. Beijos, Deia.

Isadora disse...

Oi Glorinha também não acredito na morte do livro papel. Acho a tecnologia bacana, mas nada como segurar e correr a mão pelas páginas de um livro.
Um beijo

orvalho do ceu disse...

Oi, Glorinha
A foto está bem de acordo até com o clima de hoje por aqui... um frioriho gostoso que só!
Também aprecio um bom livro, como vc bem descreveu... do jeito exato...
Ah! To preparando agora o post para sexta... Desejos...
Bjs e paz

manuel marques disse...

"Uma casa sem livros é como um corpo sem alma ..."

Beijo

Bordados e Retalhos disse...

Glorinha, escrevi sobre esse assunto aqui: http://bordadoseretalhos.blogspot.com/search/label/Livros

Adoro o cheiro do livro, do papel. É mágico o que a gente sente ao tocar o livro. Bjs amiga

Lidia Ferreira disse...

Minha amiga , primeiramente quero disser que seu blog esta lindo, seu bom gosto e incrível
Segundo , que seu texto e maravilhoso e espero mesmo que os livros nunca acabem
bjs

Kelly disse...

Oi Glorinha, ótima sua postagem também creio que os ebooks não serão capaz de acabar acabar com os livros de papel, eu adoro e uso os dois depende de situação. bjs

Beth/Lilás disse...

Maninha,
Agora, imagina daí o cheirinho de livro novo que acabei de receber ainda há pouco via sedex!
Diliça!
Não consigo visualizar um mundo sem livros, afinal eles estão aí há centenas de anos e não será este mundinho digital que os exterminará.
O seu novinho está aqui a sua espera.
beijos cariocas

Lúcia Soares disse...

Nunca acabarão, Glorinha. Tenho certeza. Não se depender de mim e da minha família. Somos "devoradores" de livros. Todos temos uma pequena biblioteca. Ler é indispensável, da melhor maneira: folheando, voltando atrás, relendo um trecho, sentino o cheiro, sei lá...É um prazer!
Bj

Ana Ulian disse...

Glorinha...eu tenho uma preguiça de ler, mas quando começo um livro não consigo parar de ler...bom tudo que eu começo até que não termino não consigo descansar, se paro minha mente fica ligada naquilo, será um defeito?
bjos e ótima noite...

marcelo dalla disse...

Olá querida!
Com certeza, nada substitui o prazer de ler e saborear um livro real, ao vivo e à cores. Eu enlouqueço quando entro numa livraria, pensando que não terei tempo de ler tudo aquilo! rsrsrs
Imagina essa biblioteca com 50 mil livros? affffffffff

Quero aproveitar e agradecer, fiz muitos novos amigos graças àquele post em que falou do meu blog. Adoro!!!

bjossssssssss

www.comtextosdavida.com disse...

Glorinha,eu não sei o que acontece no nosso cérebro pois ele reage de forma diferente à leitura de um livro normal a de livro em cd ou no computador. Já fiz essa experiencia várias vezes e pude constatar que a leitura mais eficaz e completa se dá quando lemos o livro de papel. As imagens que contruímos em nossa mente nunca se apagam, enquanto as dos outros tipos de livros não permanecem, se diluem com o tempo.Penso que a invenção do livro será eterna. Valeu!!!

Kamyla disse...

Oi Glorinha!!!!!
Teho certeza q os livros nunca irão acabar... eu amo ler...amo livros!!!
Como estou fora do Brasil aderi aos ebooks para poder ler literatura brasileira... mas por aqui só compro os "de verdade" mesmo,rsrsrsrsrs.
Adorei o tema.
Bjosssssssssssssss

Glorinha L de Lion disse...

Renata, seu nominho já está na lista darling! bjs.

Tati, eu adoro marcar meus livros a lápis, faço mil anotações, sublinho, tudo com lápis que é pra não estragar, mas tenho uma cisma: não gosto de emprestar meus livros, parece que ali vão meus segredos...sei lá. E tb não gosto de livros usados, acho que o cheiro de livro novo é inigualável. bjs.

Mone eu era compradora compulsiva de livros e comprava e dividia tb. Mas agora a coisa anda feia e não posso comprar como gostaria...mas sou louca por livros novos. bjs.

Hugo que bom que gosta. Vc parece ser bem jovem e isso é difícil nos jovens, gostar de ler.bjs.

Yoyo, tb não acho não. E tomara que não! bjs.

É Michelle, efemeridades. Nunca li nada pelo e- book, mas já tenho de antemão uma antipatia pela COISA...bjs.

Nilce querida, vc descreveu exatamente como me sinto, ele me chama! meus livros chamam por mim, leio e releio e nunca me canso nem nunca me cansarei deles. Meus eternos amigos. bjs.

Oi Deia, pois é, ainda não tive essa experiência, até gostaria de ver como é, mais por curiosidade do que por qq outro motivo, mas pra mim nada se compara a abrir um livro novo. Eu tb era rata da biblioteca da escola. Infelizmente, mesmo me vendo a vida toda agarrada aos livros, meus filhos quase não lêem. Bjs.

Isadora, Rosélia, Manuel, Giovanna, meus queridos, todos temos esse traço em comum: o amor pela leitura nos une! Bjs.

Lidia, obrigada por seu elogio...eu já estou ficando meio cansada dese passarinho daí...eu sou assim, canso rápido, adoro mudar a roupa do blog. Bjs.

Kelly, tomara que não, que possamos usar tecnologia sem abrir mão das maravilhas de papel. bj

Oba! Meus livros chegaram? Que diliça...amanhã estarei com eles nas minhAS MÃOS...UHU!!! BJS E OBRIGADA.

Oi Lucia, que bom que todos aí gostam de ler. Aqui só eu sou assim...é uma pena, não seguiram meu exemplo...bjs.

Oi Ana. Preguiça de ler??? Pois eu não tenho nenhuma, já perdi a conta de livros de 600, 900 páginas que li...nada disso me assusta se a estória é boa e bem contada. Vai tentando...bjs.

Oi Marcelito! Eu tb. Quer me ver doidinha é eu entrar numa mega livraria! Fico louca querendo tudo...por isso ultimamente nem tenho ido...é mais saudável pro meu bolso...hehe
Quanto aos agradecimentos...vc merece amigo! Bjs.

Oi Contextos, acho que é disso mesmo que o Umberto Eco fala. Não fixa e nossa mente não seleciona...bjs.

Glorinha L de Lion disse...

Oi Kamyla, ainda bem que vc não abriu mão do outro! Acho que como ferramenta, no seu caso ler em portugués é bem válido sim. bj

Luma Rosa disse...

Glorinha!!! Obrigada por particiapar da brincadeira! Adorei o cantinho em que escreve e enquanto lia, pensava em quanto deve ser gostoso escrever ouvindo o barulho da natureza. O farfalhar das folhas nas árvores, os micos brincando, os passarinhos ciscando, dando pulinhos na sua janela! Deve ser por isso que você escreve tanto!! (rs*)
Eu já tenho o meu kindle e levo pra todo canto - uma mão na roda em viagens, praia, filas... mas confesso que prefiro os livros. Poder repassar as páginas e sentir o cheirinho, é muito bom! Adoreo bibliotecas, também! Tenho na memória afetiva o chiro da cêra parquetina que era passada nas tábuas corridas da biblioteca que estudava. Quando lembro do cheiro, lembro também da corrente de vento que às vezes varria a sala e apavorava todo mundo! Era uma correria danada para segurar os papéis, marcar as páginas do livro... nostálgia!!
Só não concordo com tanto livro parado, como da biblioteca do Umberto Eco. Ele bem podia doar. Beijus,

Glorinha L de Lion disse...

Oi Luma, então gostou do meu canto? Meio bagunçado...o seu é tão arrumadinho...quanto aos livros do Umberto Eco, acho que uma parte ele já doou pra Universidade de Bologna onde ele dá aulas até hj. Beijos.

Taia Assunção disse...

Oi Glorinha...também acredito que o livro faz parte dessas invenções insubstituíveis. Em meu caso, posso até ler um artigo científico ou notícias no pc...mas literatura tem que ser no papel. Outra coisa que adoro é CD, gosto de ler o encarte, ver a ficha técnica, ler as letras das músicas...rsrsrs. Vai entender. Beijocas!

Taia Assunção disse...

Oi Glorinha...também acredito que o livro faz parte dessas invenções insubstituíveis. Em meu caso, posso até ler um artigo científico ou notícias no pc...mas literatura tem que ser no papel. Outra coisa que adoro é CD, gosto de ler o encarte, ver a ficha técnica, ler as letras das músicas...rsrsrs. Vai entender. Beijocas!

A Sociedade do Livro disse...

Oi, obrigada pela sua visita ao meu blog, adorei o seu também.
Eu não troco um livro de papel por um e-book, não há comparação em ter um livro nas mãos e folhear as páginas!
Bj
Simone